Autoconhecimento

Ter conhecimento da origem, da razão e das circunstâncias é o caminho para salvar a si e a muitos de uma tragédia

Desenho de duas cabeças sobre engrenagens azuis, e engrenagens brancas saem das cabeças e se encontram no centro da imagem.
Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu

Ter conhecimento da origem, da razão e das circunstâncias é o caminho para salvar a si e muitos de uma tragédia.
Estamos na era do conhecimento virtual de forma literal. Imaginamos ter conhecimento, mas quase não o temos. É ilusório, pois o conhecimento vai além do que se lê parcialmente ou do que se escuta; é, antes, o que se lê com profundidade de raciocínio e conjugado com a experiência.

Estante de livros em formato de cérebro humano. Vários livros no chão ao redor da estante, que já está cheia, e ao fundo uma lousa com desenhos e escritas sobre conhecimento.
123rf/Igor Zakharevich

“Na vida, enquanto fizermos bons livros, sejam concretos ou abstratos, os livros da vida, das nossas vidas, teremos sentido e faremos sentido.”

Você também pode gostar

O que somos nós sem o nosso conhecimento? O que somos nós dentro de uma razão infundada?

Quem somos nós a não ser credibilidade, competência e admiração?

Na Rússia, uma influencer, numa brincadeira entre amigos, deitou gelo seco na piscina quente numa área fechada e matou três de seus amigos, um deles era o marido. Eles não sabiam que o gelo seco em ambientes fechados provoca uma concentração elevada de dióxido de carbono. Em lugares pouco ventilados, ele é inalado em sobredose, entra na corrente sanguínea, leva ao desmaio e, consequentemente, à morte.

Papel alumínio recortado em formato de cabeça, com um espaço vazio em formato de peça de quebra-cabeça na altura do cérebro. A peça que se encaixa está ao lado, pintada de vermelho.
123rf/Ion Chiosea

Moral da história: Se buscássemos saber as respostas, os motivos e a origem das coisas na vida, evitaríamos muitas tragédias e ganharíamos maior admiração. Se cada uma das nossas vidas fosse um livro, deveríamos sempre procurar um caminho no qual a última página se encerrasse com o fim de uma bela história, história essa que sirva de inspiração para esta e outras gerações, que, tal como a nossa, se sintam instigadas na procura de conhecimento e dêem razões válidas à sua existência.

Sobre o autor

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu Rodrigues é um jornalista, psicanalista, neuropsicanalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e especialista em neurociência cognitiva e comportamental, neuroplasticidade, psicopedagogia e psicologia positiva.

Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional.

Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo, criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil.

Lançou os livros “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”, “Como Se Tornar Uma Celebridade”, “7 Pecados Capitais Que a Filosofia Explica” no Brasil, Angola, Paraguai e Portugal. Membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo, Fabiano foi constatado com o QI percentil 99, sendo considerado um dos maiores do mundo.

Contatos:

Email: [email protected]
Site: deabreu.pt
Site: pressmf.global/
Facebook: FabianodeAbreuOficial
Instagram: @fabianodeabreuoficial
Twitter: @Filosofofabiano
Youtube: Filósofo e jornalista Fabiano de Abreu
Linkedin: Fabiano de Abreu