Autoconhecimento Comportamento

Você se culpa muito? Veja como isso atrapalha sua vida e como mudar

Imagem de fundo de um lindo pôr do sol e em destaque a silhueta de um homem sozinho. Ele está pensativo e se sentindo culpado por ter feito algo.
Arifur Rahman Tushar / Pixabay
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já teve um arrependimento por ter feito algo ou por não ter feito? Já sentiu vergonha por alguma ação passada, porque considerou inadequada, impensada e até mesmo incorreta e não pôde corrigir? Se para alguma dessas questões você respondeu sim, você teve um sentimento de culpa, algo absolutamente normal.

A culpa é um sentimento importante para a evolução humana, muito embora as pessoas não desejem sentir. Ela nos permite reconhecer que não atendemos aos nossos próprios padrões ou aos padrões impostos pela sociedade, portanto a culpa tem uma função adaptativa, sendo própria da natureza humana. Ela promove crescimento e pode nos mover a pensamentos e comportamentos positivos.

Sentir culpa, vergonha e até raiva de si mesmo está relacionado com o sistema límbico, região do cérebro responsável também pelos nossos julgamentos morais. É a partir do julgamento que sentimos culpa pelo que fizemos ou deixamos de fazer e entendemos que isso não está de acordo com o que acreditamos ser adequado ou correto, a partir do que aprendemos ao longo da vida. E assim estabelecemos conexão com os outros e desenvolvemos a capacidade de empatia.

É importante destacar que não sentir culpa pode ser uma patologia – sociopatas, por exemplo, não têm esse sentimento, não estabelecem empatia nem sentem arrependimento. Mas por que é tão desconfortável sentir culpa? Como mudar isso? Continue a leitura, e vamos refletir!

Por que sentimos culpa?

Sentimos culpa quando nos sentimos responsáveis. São sentimentos intimamente relacionados. Reconhecemos que não cumprimos os nossos próprios valores e padrões, somos responsáveis por isso. Percebemos a nossa falha, entendemos que houve um distanciamento do que consideramos correto sobre algo que está sob nosso controle.

Imagem de uma jovem gatora de cabelos loiros, toda agasalhada e com uma mochila vermelha nas costas. Ela está sentada em uma grande escadaria. Está cabisbaixa e se sentindo culpada por ter feito algo.
Q K / Pixabay

Também sentimos culpa quando outras pessoas nos apontam falhas que, pelo nosso julgamento em demasia, são tidas como grandes erros, porque assumimos ideais de perfeição inexistentes e alimentamos incertezas e frustrações.

Há ainda a culpa pelo que não foi feito, conforme descreve Bronnie Ware, enfermeira e escritora do best-seller “Os Cinco Maiores Arrependimentos Antes de Morrer”, que são: não ter vivido como queria, ter se dedicado demais ao trabalho, não ter expressado os sentimentos com honestidade e coragem, estar distante dos amigos e não ter se permitido ser mais feliz.

O que é culpa para a Psicologia?

Para Freud, a culpa permite identificar que um indivíduo passou a assumir a responsabilidade sobre seus próprios sentimentos, seus conflitos e as decisões que precisa tomar.

Imagem de fundo de um lindo lago e em destaque uma mulher japonesa sentada em um banco de madeira. Ela usa uma jaqueta de frio na cor cinza com capuz preto. Ela está com a cabeça debruçada no braço e meio se sentindo culpada por ter feito algo.
Jeff Juit / Pixabay

Para Jung, quando o indivíduo é capaz de identificar e tentar corrigir seus erros, em função do sentimento de culpa, ele passa a se desenvolver.

Então a culpa, para a Psicologia, é um sentimento como outros, ligado à responsabilidade e que pode ser um obstáculo que impede o indivíduo de ser feliz ou um instrumento de desenvolvimento que envolve saber lidar com ele.

Como lidar com a culpa?

Primeiramente é importante destacar que não é possível viver sem qualquer sentimento de culpa. Ela faz parte da nossa vida e está relacionada com a forma como enfrentamos os acontecimentos e como construímos nossas relações a partir da infância. Contudo podemos lidar com a culpa de forma positiva e aprender a partir desse sentimento. Veja algumas sugestões:

– Mantenha uma relação amorosa consigo mesmo – aceite os erros sem raiva ou irritação e entenda-os como oportunidades de aprendizado.

– Perceba o erro como uma oportunidade para se prevenir, de modo que ele não ocorra novamente no futuro.

– Evite a autocrítica negativa, perceba-se com generosidade e com paciência para mudar e aprender.

– Comprometa-se com a correção dos erros, a melhoria das situações ou das relações, evitando transferir a culpa para os outros.

– Permita-se sentir tristeza, mas mantenha o otimismo e o foco em sair desse sentimento.

– Perdoe-se e peça perdão.

– Identifique necessidades, faça uma reflexão.

– Busque alternativas para elevar a autoestima.

– Demonstre generosidade para ajudar outras pessoas envolvidas na situação.

– Procure ajuda profissional caso não esteja sabendo lidar com a culpa.

Imagem de uma mulher triste olhando pela janela. ELa está com a cabeça encostada na janela. Está se sentindo culpada por ter feito algo. Ela usa cabelos longos.
Rosa García / Pixabay

Em síntese, a culpa é um sentimento importante na evolução humana, e, desde que saibamos lidar com ela, podemos obter autoconhecimento e autodesenvolvimento. Está relacionada com a responsabilidade que vamos assumindo sobre os nossos atos e envolve o julgamento que fazemos a partir dos valores e padrões que adquirimos desde a infância. Não há como eliminar o sentimento de culpa da vida de alguém – se assim fosse, seria uma provável patologia.

Entender como o sentimento de culpa nos afeta é tão importante quanto lidar com ele e aprender com a experiência para estabelecer uma relação amorosa com nós mesmos, bem como um processo de empatia com os outros. Isso representa aproveitar os desencontros entre o resultado obtido e os padrões não atendidos como propulsores para uma reflexão significativa de nós mesmos.

Você também pode gostar

Se você chegou até aqui, perceba o quanto é normal e saudável sentir culpa. Esteja disposto a lidar com esse sentimento, assim como lida com outros, e não hesite em recorrer a ajuda profissional. Viva leve, intensamente e feliz!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]