Autoconhecimento PSYCH-K®

Porque fazer terapia pode não resolver os seus problemas

Psychological therapy of post traumatic stress disorder
Karla Ramonda
Escrito por Karla Ramonda

Ontem, num papo informal, ouvi que todo mundo deveria fazer terapia. E imediatamente (sem considerar para a discussão as diferentes abordagens e sistemas terapêuticos) questionei o que considero fundamental para um avanço nas resoluções dos conflitos: as possíveis motivações e o grau de disponibilidade interna de cada pessoa.

A motivação que costuma ser apresentada como “pano de frente” é o conflito da “superfície” (sem o pai da causa) e suas consequências, sobretudo o sofrimento por não encontrar uma solução. Como facilitadora de processo terapêutico, costumo testemunhar a necessidade de resolução das questões nos aspectos da fuga ou da cura milagrosa, do “quero me livrar disso que está insuportável” ou “bem, você é o profissional, estou aqui, diga-me o que fazer”. Veladas ou não, pode haver uma postura de passividade do cliente ou paciente cujo primeiro chamado por ajuda acontece.

E o que pode estar por detrás dessa postura inicial?

Crenças

Os sistemas de crenças são conjunto de valores. É por meio deles que formamos a nossa percepção do mundo e de nós mesmos. E a partir dessas percepções desenvolvemos nossos comportamentos.  Assim,  e sem qualquer intenção de limitar outros pontos de vista e experiências referentes ao tema, tocaremos nessas condições e ampliaremos despretensiosamente nosso olhar para isso.  

Vamos considerar a existência de um sistema de crenças criado a partir de experiências (inclusive de antepassados que não conhecemos) e de informações em geral assimiladas diariamente pelas pessoas, constituindo num âmbito maior, a cultura. É a partir desse sistema de crenças que formamos nossa percepção do mundo e desenvolveremos nossos comportamentos.

Entre essas crenças existem aquelas que nos comovem a atribuir a terceiros a responsabilidade por atos e fatos que trazem consequências para as nossas vidas, suprimindo nosso poder de decisão. Transferimos essa condição de poder intrínseca ao externo que irá “cuidar de nós”, seja na esfera política, religiosa, educacional, científica, entre outras. E acreditamos que as coisas são do jeito que são e não vão mudar.

Diante disso, podemos encontrar facilmente valores subjacentes que moldam nossos comportamentos, tais como:

É culpa dos políticos; é culpa de quem votou.

Deus sabe o que faz; Deus quis assim; É a escolha de Deus.

Quem não faz faculdade não será alguém na vida.

Só serei respeitado se eu tiver muito dinheiro; dinheiro é poder.

Um bom funcionário é aquele que veste a camisa da empresa.

É com muita ralação nesta vida que se consegue alguma coisa.

Eu não posso fazer nada, não sou ninguém importante.

Em resumo: transferimos o poder às pessoas, aos títulos, às instituições, ao dinheiro e aos sistemas de crenças que beneficiam poucos, acreditando que não somos capazes de sermos agentes transformadores, pois “eles estão ali para cuidar de tudo isso” e aceitaremos as regras julgando como aprendemos a enxergar. E já que não assumimos o nosso poder, reclamamos e ou aguardamos as nossas “orações” – carregadas de vitimismo, e talvez um tanto de julgamento – serem atendidas. Deste modo permanecemos na superfície e nos isentamos, sustentando as limitações das potencialidades criativas e expansivas.

Sem culpas, sem desculpas. Responsabilidade é poder

Treatment of depression by therapy, vertical view

Responda: a palavra responsabilidade promove ou evoca em você certo desconforto? Como assumir algo ou alguma coisa com pesar?  Então, particularmente é assim para mim e estou certa de que para muitas pessoas. Quantas vezes ouvimos ao longo de nossas vidas: “Se acontecer alguma coisa a culpa é sua, você é o responsável”, mas sempre no sentido negativo da experiência e não no sentido positivo da aprendizagem. Ok, o estrago já foi feito. Está na hora de o desfazermos, pois mesmo que leve tempo é preciso reformular esse conceito e sentir a responsabilidade como forma de poder, aquele que se manifesta pela automaestria.

Quando “bancamos” as nossas escolhas e o que nos cabe, estamos reconhecendo que somos co-criadores, agentes, autores, prontos para questionar, para fazer diferente e nos autotransformar. Nessa etapa, não se trata mais de desempenharmos papeis de vítimas, nem dos nossos auto – julgamentos carregadíssimos de crenças negativas a respeito de nós mesmos.

Vale lembrar que as ideias expressas aqui não propõem uma fórmula acabada. Ao contrário,  pede busca, prática, desapego, perdão de si e dos outros, desconstrução de muitos valores limitantes e amor por si mesmo. E, pelas minhas experiências, “algumas” possíveis dores (enquanto nos desiludimos, no melhor sentido da palavra).

Então, fazer terapia passivamente não resolve as limitações de ninguém, porque quem necessita assumir a responsabilidade e poder sobre si próprio é o próprio interessado na mudança. É preciso reconhecer que o trabalho terapêutico mais eficaz é aquele feito em parceria: cliente-terapeuta. E que após terminar a sessão ou o tratamento, quem terá de dar conta do restante é o próprio cliente.  Indo além: a responsabilidade da “boa” ou “má” escolha do profissional também é exclusiva de quem buscou por ajuda. E se acreditar ou sentir que não “acertou” na escolha, não há nada de errado nisso, porque não há culpa. O que há são experiências e possibilidades de aprendizagens. E o que você fará com tudo isso? Continuará a julgar ou irá se valer do aperfeiçoamento de suas percepções?

Creio que a predisposição interna do cliente abre espaço à eficácia das ferramentas que as terapias oferecem. É fundamental a postura de se colocar disponível, atento, consciente. E essa condição aliada à ação é crucial, porque o potencial liberado somado à atitude gerará resultado.

Quando a terapia “não funciona”

E quando você aparentemente “fez de tudo” e ainda não reconheceu qualquer avanço?

Atenção: eu disse “reconheceu qualquer avanço”, porque muitas pessoas estão num estado de fantasia (em busca de imagens idealizadas de seus desejos), enquanto outras,  são tão severas consigo mesmas (alto nível de exigência pessoal/perfeccionismo) que não reconhecem as suas conquistas, superações e melhorias.

Também é muito importante incluir a seguinte consideração:

O que for visto como um problema intransponível (e que tem-se mantido por algum tempo mesmo com os esforços ou dedicação aplicados), poderá levar a um grau de maestria a ser reconhecido mais à frente; como uma limitação incômoda, sofrida, que conduzirá o cliente a outras conquistas mais importantes e inimagináveis, naquele momento. Então, um problema pode estar disfarçado inteligentemente como oportunidade de aprender uma lição da vida importante.

E para finalizar…

A terapia ainda pode funcionar pelo simples fato de não funcionar, promovendo a busca constante e fervorosa por respostas e verdades e um trajeto igualmente importante tanto quanto chegar a seu destino.

Fórmula? Não existe apenas uma e, além disso, você ainda pode criar a sua!

Mas eu diria a você… Busque, estimule o resgate do seu poder, ame-se, aprimore o discernimento e deixe ir a passividade e o julgamento. Procure dar espaço para novas crenças potencializadoras de sua própria transformação positiva. Mas lembre-se: explore possibilidades, novas experiências, parta para a ação, aos novos movimentos e se refaça no caminho, aquele que você escolheu e decidiu seguir.

O caminho, quem escolhe e realiza, é você.

Até a próxima!

Sobre o autor

Karla Ramonda

Karla Ramonda

Facilitadora profissional de PSYCH-K® e Praticante credenciada de EMF Balancing Technique®

Atendo pessoalmente e online, a fim de facilitar a reprogramação de padrões limitantes a partir do subconsciente e, por consequência, a diminuição considerável do estresse por inúmeras causas; a expressão/manifestação das habilidades e potencialidades latentes; a saída dos processos de traumas e dores emocionais por quaisquer razões em qualquer área da vida, com a possibilidade de ser mais rápido do que outro processo faria; mudanças de hábitos relacionados a vícios - álcool e drogas ou compulsões em geral. Facilito a expressão de habilidades para a administração de equipes, finanças pessoais e organizacionais; harmonização em relacionamentos pessoais e profissionais; autoconfiança para concursos, eventos competitivos e defesa de teses e de causas; o aumento de energia do sistema da pessoa para clareza, saúde, rejuvenescimento e paz profunda, entre outras metas relacionadas à autotransformação e a conquista de objetivos.

* Não sou terapeuta. O termo terapia significa "prestar cuidados médicos” ou então "tratar" alguma coisa. IMPORTANTE: O foco do meu trabalho é o empoderamento pessoal, através da reprogramação de crenças no nível do subconsciente (com o sistema PSYCH-K®) – por meio de equilíbrios dos Hemisférios Cerebrais - e do estímulo e amplificação dos mecanismos autoequilibradores da anatomia energética humana (com o sistema EMF Balancing Technique®). Duas abordagens com as quais trabalho.

QUEM ATENDO | Meus clientes são empresários, profissionais liberais, concurseiros, esportistas, funcionários públicos, donas de casa, adolescentes, enfim, quaisquer pessoas que queiram alcançar harmonia, resoluções e/ou resultados positivos relacionados à saúde emocional, mental, espiritual e um satisfatório desempenho intelectual e até físico; relacionados também à prosperidade, competições de todo tipo, estresse, fobias, traumas, dificuldades de estudo, processos de perda, bloqueios, de comunicação, entre outras limitações ou desconfortos, sejam provenientes de crenças autossabotadoras e autolimitantes ou das experiências de vida em geral, conscientes e inconscientes.

*Trabalho com adolescentes a partir dos 12 anos que possam apresentar dificuldades escolares e de autoestima (problemas emocionais em geral), direcionados pelos pais. Não atendo crianças.

*Saiba mais: Abordagens

EXPERIÊNCIAS E QUALIFICAÇÕES

Praticante/facilitadora credenciada de EMF Balancing Technique® (Eletro Magnetic Field Balancing Technique®) - Técnica de Equilíbrio do Campo Eletromagnético.

Constelação Sistêmica para atendimento individual com abordagem fenomenológica das Novas Constelações.

Practitioner em Programação Neurolinguística.

Facilitadora profissional de PSYCH-K®.

Iniciada em Reiki (Sistema do Dr. Mikao Usui), nível III – A.

Extensão em Psicologia Corporal Reichiana.

Especialização em Gestão de Marketing nas Organizações.

Jornalista graduada pela Univ. São Judas Tadeu.

Atendimentos pessoalmente e à distância online.

Contatos:

Telefone: (041) 9 9929 2511 | Curitiba | PR | (Tim/whatsapp)
Skype: karla.ramonda

Email: [email protected] /
Site: karlaramonda.com