Convivendo

A corrida

Silhueta de pessoa correndo em frente à um céu colorido e com seu reflexo aparecendo na água .
Bruno Soares
Escrito por Bruno Soares
Há exatos quatro meses e cinco dias, eu fraturei o meu pé esquerdo, para ser mais preciso: 2º e 4º metatarso. Ainda estou em processo de recuperação, costumo dizer que estou 93% recuperado, segundo o médico, a recuperação total levará mais algum tempo, mas de qualquer forma estou liberado para práticas esportivas, inclusive a corrida, que eu sou grande fã e adepto.

Ontem, após o trabalho, cheguei em casa, física e psicologicamente esgotado (esgotado é diferente de cansado, o esgotamento está ligado com o desânimo e desejo de isolamento), sentia o meu corpo pesado e lento, em processo de petrificação, enrijecido, a minha cabeça queria entrar dentro de um buraco escuro e ficar lá por horas, a noite estava chuvosa, como tem sido nas últimas semanas. Todos os fatores me indicavam e quase ordenavam que eu ficasse onde estava, sentado no sofá, sentindo toda aquela angústia e falta de ânimo, olhando a chuva escorrer pela janela, aguardando mais um dia acabar, fazendo exatamente o que seria “lógico” fazer. Pragmático e chato.

corrida

Mas no fundo, eu sabia que aquilo não era o certo a ser feito, sabia que tudo aquilo tinha sido criado por mim, de alguma forma, e somente eu tinha condição de mudar o que estava sentindo,
sabia também que quanto mais tempo eu permitisse que aquele “veneno” se espalha-se pelo meu corpo, maiores seriam as minhas dificuldades em sair daquela situação. Sendo assim, lentamente, eu me despi, me arrastando pela casa, tirei a camisa na cozinha, caminhei até a varanda, olhei as plantas (elas crescem vigorosas, meu sorriso é inevitável), entrei na casa e caminhei em direção ao quarto, desafivelei o meu cinto, a calça escorreu pelas pernas, o shorts de corrida jazia sobre a poltrona, o agarrei e vesti em um salto, olhando pelo quarto me precipitei e olhei pela janela, já não chovia mais, tomei coragem e abri o guarda-roupas, peguei a primeira camiseta que os meus dedos encontraram, me olhei no espelho e já estava vestido, caminhando lentamente, fui em direção à porta, dei um beijo em minha esposa, um afago na cachorra, calcei o meu tênis e peguei as chaves, o meu corpo ainda hesitava, abri a porta e saí.

Desço as escadas do quinto andar ao térreo, a minha luta física já está bem encaminhada, mas a cada passo que avanço, a minha mente inicia o seu trabalho, me chantageia, me flagela e me questiona: “Por que está fazendo isso? O tempo está péssimo, você já trabalhou o dia todo, você merece ficar no sofá! A rua é super perigosa, você pode ser assaltado, ser atropelado ou, pior ainda, vai voltar a chover e você levará um raio na cabeça, o Brasil é o país que mais morrem pessoas vítimas de raios, sabia?”. 

corrida

Finalmente chego ao portão, inicio o aquecimento, que é bem simples, respiro e me concentro, é como se avisasse a todo o meu corpo: “Prepare-se, vamos correr em 3, 2, 1.. Go!”. As primeiras passadas são como um relógio que inicia o seu mecanismo, cada engrenagem tem um papel fundamental para que tudo funcione da maneira mais fluida possível, “TIC-TAC” constante, nesse momento, a minha mente já mostra a primeira franqueza, mas continua a jogar CONTRA, ela diz: “Está ok, já que saiu de casa, vai só até aquela esquina e volta, já está bom! Cara, você está bem, não precisa fazer isso, volte, vai! Quer provar o quê? Xiii, começou a chover mesmo, hein, vamos voltar!”. Na medida em que vou ignorando esses impulsos e as súplicas dela, o meu corpo embala, a liberação de endorfina se inicia e o jogo começa a virar: “Uau, isso é demais! Vamos correr um pouco mais rápido!? Pisa naquela poça de água ali, vai ser legal! Erga os braços, alinhe esse tronco, você é bom! Mais rápido, mais rápido!”. 

Corro até a pista mais próxima, já me sinto leve, as passadas são naturais e a partir desse momento tenho controle sobre corpo e mente, a partir daí passo a apreciar a atividade que, após um tempo de prática, passa a ser tão prazerosa quanto jogar videogame ou comer pizza. Aprecio a paisagem e observo tudo o que acontece na rua e ao meu redor, nesse momento de apreciação, eu sou ultrapassado por outro corredor, dentro de mim se inicia uma outra batalha: “O que foi isso? Esse cara passou a gente? Vamos deixar?” X “Ok, pessoal, está tudo bem, estamos voltando agora, deixa quieto! O pé ainda não está 100%, isso não é para nós! O cara é ‘canela fina’, não temos chance!”. Tudo isso em fração de segundos, opto por aceitar o desafio e colo no cara, a perseguição dura por 2km, ao término do “racha”, cumprimento o sujeito, agradeço por ter sido o meu paceiro e tomo rumo de casa. O sujeito fazia 4:30 para 1km, quase morri, mas valeu a pena, foi uma boa disputa!

A água escorria no meu rosto misturada com suor, entrava pela boca escancarada em um mix de fadiga e sorriso. Eu venci mais um dia! 
 Na volta para casa, corri leve e solto, gosto de correr sem celular, sem música, sem dinheiro, sem nada, apenas as minhas chaves. E como eu havia imaginado, no retorno, a chuva desabou sobre mim, uma chuva forte e fria, revigorante. Cheguei no portão de casa, respirei fundo…

corrida

Durante toda a nossa vida, nós somos submetidos a essa dualidade, que nos joga de um lado para o outro, tentando nos manipular a fazer o que nem sempre é o melhor para você, em alguns momentos, quase que uma sabotagem, é como duas crianças disputando o mesmo brinquedo. Não sou detentor de nenhuma verdade, mas digo, por experiência profunda e sentida na pele, que o que podemos fazer é educar e disciplinar essa dualidade para que ela trabalhe para você, não contra você, energias direcionadas para a mesma direção. 


Você também pode gostar de outros artigos do autor: Casa Fantasma, mente fantasma

Sobre o autor

Bruno Soares

Bruno Soares

Acredito que para evoluir devemos deixar para trás hábitos e costumes que julgamos ser "parte de nós". Para que possa despertar é necessário questionar padrões estabelecidos, questionar se você é assim, ou você esta assim? Você tem escolha de ser uma pessoa melhor, melhor com você, com seu corpo e com sua mente, saber que quando está em equilíbrio, tudo isso transborda e todos a sua volta ganham. Platão dizia: "Que a melhor coisa que podemos fazer por aqueles que amamos é evoluir". Evolução essa que pode ser feita de diversas maneiras, mais todas passam pelo seu corpo e sua mente. Estou aqui para ajudar você a despertar e descobrir o quão maravilhoso e poderosos podemos ser.
Gostaria de oferecer, uma oportunidade para que possa encontrar um caminho, menos egoísta e mais centrado. Posso te acompanhar em qualquer modalidade esportiva, porém tenho facilidade em corrida e bike (são as atividade que me capacitaram descobrir quem eu sou e consequentemente perder 35kg), por serem atividades aeróbicas de longa duração, se torna um momento de meditação ativa; onde é possível ter momentos incríveis de imersão e reflexão nos pensamentos sobre quem é você e onde quer chegar, se esta no caminho certo e o que esta fazendo para mudar.
Sou um filosofo amante da sabedoria e do esporte, acredito que eles podem transformar vidas.

Telefone: (11) 971593473
Email: [email protected]
Instagram: @brunocoachvida