Sem categoria

A obsessão por resultados x desfrutar da jornada

Uma mão feminina segurando uma bússola. Ao fundo, montanhas.
byheaven / 123rf
Escrito por Juliana Bernardo

Vivemos em um mundo obcecado por resultados, em que a eficiência e a produtividade se tornaram qualidades cada vez mais almejadas, quando não obrigatórias. E isso não acontece só no trabalho e sim com diversas esferas da vida.

É a busca pelo corpo ideal com tal peso e aparência. Está no relacionamento afetivo que atenda a uma lista gigantesca de exigências. E até no lazer, que precisa ser interessante o suficiente para ser exibido nas redes sociais.

Nesse contexto, o experienciar do processo foi sendo deixado de lado, tornando-se frequentemente esquecido. A rapidez engoliu a qualidade de vida. Os objetivos e as metas retiram pouco a pouco a capacidade de enxergar a alegria de estar vivo. E a eficácia reduziu drasticamente a criatividade.

Confesso que me assusta, em particular, os rumos que a educação vem tomando, não somente pelas conhecidas defasagem de conteúdo e falta de estímulo ao pensamento crítico. Mas, sobretudo, porque tenho visto muitas escolas consideradas inovadoras tendo como foco quase que exclusivo a formação de futuros profissionais.

Vejo isso de maneira bastante problemática, pois a função da educação deveria incluir o desabrochar do ser, a descoberta do indivíduo por si mesmo, a potencialização de suas potências e o lapidar de competências para uma vida plena, incluindo a capacidade de se relacionar bem consigo mesmo, com o outro, com outras espécies e com o planeta.

Uma mulher colocando suas mãos sobre a cabeça. Ela vê-se ligeiramente desfocada.
Uday Mittal / Unsplash / Eu Sem Fronteiras

E se hoje boa parte dos adultos (que ainda tiveram a oportunidade de brincar livremente quando crianças, sem ter uma agenda lotada de compromissos e a vida mediada por telas eletrônicas) já sofre de ansiedade, angústia e falta de vitalidade, o que se espera da qualidade de vida dessas crianças quando se tornarem adultas?

O que se espera da capacidade delas para lidarem com os próprios sentimentos, quando suas necessidades mais básicas são esquecidas por aqueles que deveriam cuidar delas?

Fico pensando que daqui a 20 anos o mundo, no que diz respeito à tecnologia e à organização do trabalho, estará completamente diferente. E que as previsões sobre como ele será tendem a não se realizar, já que a vida está além do nosso controle e da nossa imaginação no momento presente.

E então, você já parou para pensar que talvez condicionar uma criança apenas a resultados que não temos a certeza de que serão os necessários no futuro pode ser um completo desperdício de tempo, ou melhor, de vida?

Você certamente já refletiu sobre o fato de que boa parte do que temos como atividades profissionais hoje poderão ser realizadas por máquinas no futuro. Mas parou para pensar que isso talvez não seja uma tragédia, mas uma libertação?

Várias engrenagens de uma máquina.
Pixabay / Pexels / Eu Sem Fronteiras

E o que de fato, nesse caso, será sempre necessário?

Talvez pessoas que saibam quem são, que reconheçam suas capacidades e saibam como colocá-las em prática em função do todo.

Talvez seres criativos, capazes de criar uma nova realidade mais pacífica e abundante para todos.

Talvez indivíduos resilientes, que saibam como viver transformações sem se perderem nas crises que elas geram.

Não existem respostas prontas…

O que existe é a possibilidade de analisar o que acontece conosco e ao nosso redor, percebendo quais impactos estamos gerando e visualizando o que desejamos daqui para frente. É sempre possível escolher diferente.

Meu convite é para que você enxergue sua vida além dos resultados que obteve até hoje. Perceba quem você se tornou ao longo desses anos. Seja honesto consigo mesmo e me diga o quanto se sente alegre e desfrutando a vida com a qual foi presenteado.

Quanta frustração cabe em reduzirmos nossa vida apenas aos resultados que conquistamos?

Por mais brilhantes que tenham sido os seus resultados, caso você esteja bem acima da média, ainda assim sua mente dirá que você poderia ter mais, gerando insatisfação ou autocobrança.

Um homem de terno — ofuscado — fazendo joinha.
Pixabay / Pexels / Eu Sem Fronteiras

Como seria valorizar cada experiência? Comemorar todos os aprendizados?

Como seria perceber que os resultados tem, sim, importância, mas que a jornada até eles pode ser tão importante quanto — ou até mais.

E nesse momento coletivo em que a morte se fez tão presente, pense na tristeza de quem passou anos focado em um resultado, sem desfrutar a vida e, repentinamente, foi levado.

O que você e eu podemos fazer de diferente hoje para desfrutarmos mais a nossa jornada única neste planeta? Como podemos sentir mais a alegria disponível a cada respiração? Como estar mais presente, além da mente?

Observe mais a natureza e ela poderá dar a você lições preciosas sobre isso.

Você também pode gostar

Se você tiver crianças em casa, permita-se brincar mais com elas.

Se existir algum hobby que você vem adiando por considerar inútil, como seria começá-lo ainda nesta semana?

Agora aproveite e me escreva nos comentários. Vou adorar ler os seus comentários com reflexões, insights e propostas de mudança.

Sobre o autor

Juliana Bernardo

Olá! É uma alegria ter você por aqui.

Eu atuo como terapeuta holística, o que significa que trato do Ser de maneira integral, levando em consideração não somente o físico mas também as dimensões emocional, mental, espiritual e relacional.

Minha missão é ajudar as pessoas a expandirem a consciência e reconhecerem seu poder na criação de uma vida mais alegre, leve, abundante e cheia de amor.

Para isso, auxilio as pessoas que atendo em seus processos de reconexão com a essência, despertar do amor-próprio e reprogramação mental. Tudo isso aliado ao poder transformador com que a Natureza nos presenteia por meio de seus recursos e ensinamentos.

Além do atendimento individual, realizo vivências em grupo focadas em autoconhecimento, empoderamento e transformação interior. Criei para isso o programa terapêutico para mulheres chamado “Florescer para uma Nova Vida”.

Sou também facilitadora de cursos livres na área holística, como tameana/pleiadian healing e aromaterapia.

Tenho formação e experiência em diversas técnicas terapêuticas, dentre elas constelação familiar e soluções sistêmicas, terapia floral, aromaterapia clínica, radiestesia e mandalas radiônicas, reiki, Thetahealing®, Barras de Access®, alinhamento intuitivo e numerologia sistêmica com abordagem terapêutica.

Antes de me tornar terapeuta, me formei em comunicação social pela USP e fiz mestrado em artes visuais pela Unesp, com pesquisa publicada internacionalmente sobre colagem na arte contemporânea. Atuei, dentre tantas coisas, como docente na educação formal e não formal em ambas as áreas antes da minha transição de carreira e de vida.

Email: juliana.bernardo@poderdanatureza.com.br
Site: poderdanatureza.com.br