Convivendo

+ALMA: moda com consciência e ética

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Cada vez mais as pessoas estão pensando e refletindo sobre os produtos que compram. Muitas estão dando mais valor aos produtos feitos por pessoas de uma comunidade, por exemplo, e não de uma grande multinacional. É o que faz a +ALMA, uma primeira plataforma online brasileira para reunir marcas nacionais. Conversamos com a Ana e Julia, criadoras da plataforma e você pode conhecer melhor como foi todo processo de criação. Acompanhe a entrevista:

Eu Sem Fronteiras: Poderia me falar um pouco de vocês. Cada uma pode responder de forma separada. Onde moram, que fazem, e como se conheceram. E como surgiu o +ALMA e como foi pensado?

+ALMA: Eu (Ana) e a Julia nos conhecemos desde 2002, cursamos a faculdade de Turismo juntas. Trabalhei com eventos, mas me frustrei por ter um objetivo muitas vezes passageiro, desde essa época já procurava algo que impactasse as pessoas de uma maneira mais concreta. Trabalhei com planejamento de projetos turísticos para Prefeituras do Estado de São Paulo, o que fortaleceu o que sempre acreditei como princípios fundamentais para qualquer trabalho: ética e respeito pelo próximo e, como eles devem andar juntos, sempre.

Me demiti desse emprego, passei um ano na Austrália e uma temporada na Ásia, lá tive a certeza que gostaria de trabalhar com bem estar. Voltando para o Brasil, a ideia era abrir um spa urbano e viabilizar que a massagem fosse mais acessível financeiramente, para assim, virar um hábito diário e trazer um pouco mais de qualidade de vida para as pessoas. Projeto utópico e inviável no Brasil (naquele momento e com o valor disponível para investir que eu tinha). Abri um salão de beleza com esse foco em bem-estar, ele cresceu rápido e me trouxe uma boa experiência em administração e também em gerenciamento de pessoas. Foi durante esse período que tive certeza do motivo que empreender faz tanto sentido para mim: possibilitar o desenvolvimento das pessoas e impactar positivamente suas vidas.

Foi durante esse período que tive certeza do motivo que empreender faz tanto sentido para mim: possibilitar o desenvolvimento das pessoas e impactar positivamente suas vidas.

Vendi após 7 anos e passei por um período sabático devorando revistas, livros de arte, feiras, exposições, cinema, enfim, tudo que sempre me agradou. E foi participando desse universo e conversando com os criativos, que vi esse gap no mercado de arte e design brasileiro – existem muitos artistas, que produzem em pequena escala, peças autorais e artesanais de qualidade e que não conseguem ter uma visibilidade honesta no mercado por dois motivos: primeiro, esse tipo de produção não é valorizada, falta uma sensação de pertencimento, pois o contato com a nossa cultura sempre foi dada de uma maneira distante e superficial. E segundo, o trabalho de criação e produção das peças demanda muito dos artistas, em tempo e dedicação. Assim surgiu a ideia da +ALMA, unir esses talentos em uma plataforma online, para que esses artistas juntos ganhassem mais força e nós pudéssemos ajudá-los no restante do processo, que inclui comercialização, marketing, parcerias, dentre outros. Consequentemente, credibilizar esse tipo de trabalho. Foi aí que pensei na Julia, pois nós duas sempre tivemos o mesmo interesse e afinidade por esse universo de arte brasileira, de consumir coisas artesanais, ir atrás de peças que não eram produzidas em larga escala, etc. Isso era outubro de 2014 e em janeiro de 2015 já estávamos 100% envolvidas no projeto da +ALMA. Em maio de 2015 chegou a hora de abrir a empresa e eu me mudei para a cidade do Rio de Janeiro, onde a Julia já residia e instalamos a +ALMA em um coworking no Jardim Botânico.

Eu, Julia, sou nascida em São Paulo e havia me mudado para o Rio de Janeiro no início de 2014 para juntar as escovas de dente com o meu então namorado, que é carioca. Mas essa mudança de cidade foi o pontapé inicial para uma mudança de estilo e perspectiva de vida que eu já ensaiava fazia tempo. Convivi por muitos anos com uma sensação de vazio na vida profissional. Parecia que eu não estava indo a lugar nenhum ou fazendo algo que realmente tivesse significado para mim.

Convivi por muitos anos com uma sensação de vazio na vida profissional.

Então deixei para trás uma posição na área de comunicação de uma multinacional e saí do conforto do bairro da Aclimação onde morei por toda a minha vida, para me aventurar no sonho da Cidade Maravilhosa. Eu ainda não sabia exatamente o que queria, mas sabia que precisava mudar tudo! No final de 2014 recebi uma ligação da Ana, me contando sobre a ideia da +ALMA e perguntando se eu gostaria de empreender com ela. Não demorou nem uma semana e já estávamos colocando as primeiras ideias no papel. Tanto eu como a Ana sempre frequentamos feiras, pequenas lojas e ateliês. Nos interessamos por moda, decoração e bem-estar, mas sempre fomos curiosas com relação às pessoas e processos que fazem parte das peças que compramos. Estudamos o conceito de marketplace e montamos um formato para oferecer produtos feitos em diversos lugares do Brasil. O ano de 2015 foi inteiro dedicado ao planejamento do negócio: fizemos um business plan, estratégias comerciais e de marketing, planejamento financeiro e demos início à captação de marcas e artistas.

Lançamos o site em novembro de 2015 com cerca de 20 marcas independentes e aproximadamente 350 produtos. Em dezembro de 2016, cerca de um ano depois, apresentamos a proposta que sempre foi à menina dos nossos olhos, mas que não sentíamos que a o mercado no Brasil estava maduro o suficiente para receber em 2015: a compra com ética. Percebemos que cada vez mais os consumidores querem saber como e por quem são feitos os produtos que escolhem comprar.

Também é cada vez maior o interesse sobre as matérias primas que são utilizadas, os processos de criação e produção, o destino dos resíduos e os impactos gerados.

Acreditamos que assim geramos mudanças positivas: que as pessoas questionem, perguntem e valorizem as marcas que possuem as melhores práticas. Por isso, além de reunir diversas marcas em um só lugar, contamos como as peças são feitas e valorizamos as histórias por trás dos produtos e de seus criadores. Para que a escolha seja feita de maneira ainda mais consciente, organizamos os produtos em oito pilares que consideramos importantes para caracterizar uma compra com ética.

Além de outras atividades que cuidamos em conjunto, a Ana é responsável pela parte comercial e pela curadoria do site e eu centralizo todo o atendimento aos clientes e às marcas depois que essas passaram da fase de seleção da curadoria. Temos uma pessoa que é a nossa gerente de lojas, a Camila. Ela mantém um contato direto com o lojista, pensa em novas promoções, cuida da disposição das peças no site, fotos, vídeos e mantém a qualidade das informações que temos na +ALMA. Contamos também com a Lilian, que trabalha 4 horas por dia com a gente e cuida do gerenciamento das campanhas digitais. Fora isso, temos um contrato com uma empresa de tecnologia que mantemos a nossa plataforma.

Incentivar uma mudança de comportamento sobre a forma como consumimos

Eu Sem Fronteiras: O que é a +ALMA?

+ALMA:  Somos a primeira plataforma online brasileira a reunir marcas nacionais que oferecem produtos feitos sob os pilares do consumo consciente e ético, o que fortalece esse mercado e possibilita ao consumidor uma maneira simples e fácil de tornar a compra com ética a sua primeira opção de consumo. Nossa proposta é incentivar uma mudança de comportamento sobre a forma como consumimos e mostrar marcas e produtos que representam melhores escolhas para as pessoas e para o planeta. Incentivar o questionamento pessoal e a valorização das marcas que possuem as melhores práticas. Por isso, além de reunir criativos em um só lugar, contamos como as peças são feitas e valorizamos as histórias por trás dos produtos e de seus criadores. Não acreditamos nas compras por impulso e incentivamos o ato de comprar menos e melhor, com calma, planejamento e significado. Todo produto da +ALMA atende a pelo menos dois desses pilares. São eles:

Respeito na produção: Quando se estabelece uma relação transparente e de confiança entre a marca e pequenos produtores;

Upcycling: Transforma resíduos ou produtos inúteis e descartáveis em novos produtos de maior valor;

Vegano: Não usa matéria prima derivada de qualquer forma possível de exploração animal;

CrueltyFree: Livre de testes em animais, tanto para seus componentes como para o produto final;

Orgânico: Produto natural sem o uso de agrotóxicos em nenhuma etapa do cultivo, do início ao fim;

EcoFriendly: Produzido com materiais ou processos que minimizam os danos à natureza;

Feito pelo Artista: Produzido um a um pelas próprias mãos daquele que criou a peça;

Design Atemporal: Não segue tendências e não sai de moda, tornando seu tempo de uso ainda maior.

Eu Sem Fronteiras: O +Alma tem uma série de tópicos que fazem muitos consumidores se interessarem, seja pelos produtos e também pelo trabalho, desde respeitar a produção, orgânico. Poderia me falar qual o maior desafio deste trabalho?

+ALMA: O maior desafio é justamente fazer com que mais e mais pessoas se interessem por uma compra ética. Pode parecer que esse é um mercado grande, mas na verdade ele ainda está engatinhando. A compra online de moda e decoração também é algo recente no Brasil, se comparado com mercados externos. É necessário um grande esforço em MKT para dar segurança ao consumidor. Além disso, estamos falando em comprar produtos que têm uma qualidade superior a muitos outros que são oferecidos por preços muito menores. Essa relação com o verdadeiro valor de um produto e o ressignificar a compra é um trabalho muito demorado, construído não só por nós da +ALMA, mas por outros movimentos e plataformas, como por exemplo, o Modefica.

Outra questão, a tecnologia para a construção de um marketplace é algo para poucos no Brasil, essa foi uma dificuldade inicial do nosso negócio e até hoje enfrentamos problemas nessa área. Muito menores do que há dois anos. É verdade, mas ainda não é algo barato e faltam fornecedores especializados nessa área.

Eu Sem Fronteiras: Como é a entrega dos produtos nas lojas que vocês são parceiros ou como funciona?

+ALMA: Os produtos vendidos na +ALMA são enviados direto de cada marca para o cliente final. Como são peças artesanais algumas são finalizadas após a confirmação da venda, por isso o nosso prazo de entrega pode ser um pouquinho mais longo. Mas, em contrapartida, o cliente receberá em casa uma peça com história, qualidade, produzida com respeito às pessoas envolvidas e ao planeta. As entregas são feitas para todo o Brasil e em breve queremos expandir as operações para o mercado internacional.

Eu Sem Fronteiras: Vocês trabalham pensando o tempo dos processos, respeitando cada ciclo, o trabalho de cada pessoa e ainda na contramão do fast fashion. Na visão de vocês, é difícil as pessoas terem essa visão ou elas estão se abrindo mais e repensando os seus valores na hora de consumir?

+ALMA: Bem, aos pouquinhos as pessoas estão repensando o processo de compra. Na verdade, esse é um movimento que vem crescendo não só no Brasil, mas mundialmente. Aliás, em alguns países todo esse processo já está muito mais construído e forte do que aqui. As pessoas estão repensando não só a maneira de consumir, mas a maneira de viver a vida!

Isso é muito claro quando analisamos diversos movimentos como o aumento do consumo de comida orgânica, de food trucks, uma busca cada vez maior por atividades ao ar livre, repensando o verdadeiro significado do trabalho em suas vidas até o tipo de relações que mantemos uns com os outros. É uma verdadeira busca por mais significado, em saber o que é importante de verdade, o que dá sentido à vida. Eu sei que parece muito amplo, mas é exatamente por isso que a compra ética está cada vez mais forte. Queremos impactar positivamente o mundo, nos aproximar das pessoas e o ato de comprar pode sim ser um meio para isso. Veja, é a inversão do paradigma da compra.

Aliás, a ideia de comprar mais e mais está sendo abandonada e a +ALMA incentiva exatamente só consumir algo novo quando for realmente necessário. É comprar menos e melhor, com qualidade para as peças durarem e saber o verdadeiro significado que aquele produto tem para você.

Eu Sem Fronteiras: Qual a maior recompensa no trabalho de vocês?

+ALMA: Falo por mim e pela Julia, mas com toda a certeza que é melhorar o mundo e a vida das pessoas. Veja, não tem como falar diferente, estou sendo repetitiva e sei que parece utópico. Mas repensar a maneira de consumir é algo muito importante que pode trazer mais liberdade para todos viverem com maior qualidade e serem mais felizes. Quando você repensa o significado de ter, dá valor ao ser. É aquela velha frase já batida, mas que realmente acreditamos.

Se quiser deixe uma mensagem de reflexão para os leitores:

+ALMA:  Sempre falamos: o que você escolhe de coração para a sua vida, lhe acompanhará para a vida toda. Por isso escolha ser ético com você, com as pessoas e com o planeta. Escolha relações de verdade, escolha um produto que tenha um verdadeiro significado em sua vida. São aqueles pequenos momentos que deixamos de ir ao mais fácil, no automático, mas que fazem a maior diferença. É muito importante reclamar e lutar por um mundo melhor, mas a maneira mais eficaz de se fazer isso é mudando a nossa própria vida. Repense os seus atos, eles impactam outras pessoas e o planeta. Se dê conta que você é importante e que você pode fazer a diferença. Saia do comum, se questione e sempre aja de acordo com o que você acredita.

Imagens: Divulgação/Reprodução


Entrevista concedida a Angélica Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]