Energia em Equilíbrio Maternidade Consciente Saúde Integral

Colar de âmbar para bebês. Faz mesmo efeito?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Você já viu alguns bebês usando um colar ou uma pulseira de continhas? Esse “acessório” não é um item da moda, mas sim um remédio para os pequenos que pode ser usado na fase em que os dentinhos estão nascendo, já que promete um efeito anti-inflamatório.

O colar de âmbar tem sido muito utilizado pelas novas mamães, principalmente depois do item ter “bombado nas redes sociais”. Mas será que tem mesmo um efeito positivo para os pequenos?

– Origem

A utilização do colar de âmbar é uma tradição europeia que aos poucos vem aterrissando no Brasil. Encontrado na região do Báltico, o âmbar é uma resina vegetal que se tornou um fóssil há 50 milhões de anos. Mas atenção! Apenas as pedras que vêm deste local têm o efeito esperado. E, sim, existem muitas imitações no mercado. Algumas são feitas de vidro ou plástico. Existem algumas formas de saber se o âmbar é autêntico. Confira!

Primeiro, coloque algumas gotas de acetona ou álcool em uma das contas de âmbar. Se ela ficar viscosa, pegajosa ou perder a cor e as características, é uma falsificação.

Outra dica é mergulhar a peça num copo com duas partes de água e uma de sal. Se boiar, o âmbar é autêntico.

Por fim, é importante notar que o âmbar é morno ao toque. As imitações são sempre mais frias que a temperatura da sua pele.

– Efeitos

O âmbar tem ácido succínico, que, segundo estudos, ajuda a fortalecer o sistema imunológico, além de estimular o sistema nervoso e o metabolismo. Em grandes doses, é usado como relaxante neuromuscular na indústria farmacêutica. Então, a presença desse composto químico aponta a atuação do âmbar como analgésico e anti-inflamatório naturais, liberando-o em pequenas quantidades.

Segundo os especialistas da área, quando em contato com a pele do bebê, as pedras se aquecem e liberam o composto químico que vem a ser absorvido pelo corpo. É muito utilizado na fase de dentição, já que alivia dores e desconfortos, além do inchaço da gengiva e da febre decorrentes deste processo.

– É seguro?

Muitos especialistas de pediatria não indicam o uso do âmbar, já que não existem estudos científicos que comprovem a sua eficácia. No entanto, também não existem fatos conclusivos sobre efeitos negativos.

Mesmo com essa comprovação, muitas mães apostam no uso do âmbar em seus bebês e têm, na experiência pessoal, a certeza dos seus efeitos positivos.

Procurar a opinião de outras mães e do seu médico pode te ajudar a fazer a melhor escolha, pois, principalmente por ter um custo alto, não é algo que se deve comprar no impulso.

– Cuidados gerais

Se você escolheu testar os efeitos do âmbar em seu bebê, precisa, primeiro, ter alguns cuidados para que ele não se fira nem engula alguma continha.

1º: certifique-se de que haja um nó entre cada conta, para que, caso o cordão se rompa, apenas uma pedrinha caia.

2º: o cordão deve ter entre 33 e 36cm, independente da idade do seu bebê. Dessa forma, não ficará nem apertado nem largo.

3º: retire o cordão no banho, assim, evita-se que exista um desgaste do fio.

4º: o fecho deve ser coberto de âmbar e de rosquear para o que o bebê não consiga abrir.

5º: recomenda-se retirar o colar durante a noite, mas existem opções de pulseiras ou tornozeleiras.

6º: certifique-se do tamanho e corte das pedras. Os cortes arredondados e não pontiagudos são os ideais para não machucar nem incomodar o bebê.

7º: por fim, acompanhe de perto o uso do colar. Se o seu bebê ficar incomodado ou tentar puxar o objeto, é melhor deixá-lo sem e optar pelos remédios convencionais.

Você já utilizou o colar de âmbar no seu bebê? Nos conte a sua opinião e a sua experiência para ajudar outras mamães!


Texto escrito por Gabrielle Carreira da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]