Autoconhecimento

Não, você não é uma pessoa ingrata – Descubra o conceito de adaptação hedônica da felicidade

adaptação hedônica
Dulcineia Santos
Escrito por Dulcineia Santos

Há épocas na vida em que nos sentimos infelizes com razão: uma doença na família, uma situação de desemprego, depressão, morte, divórcio ou qualquer outro infortúnio.

Em outras épocas, porém, parece que tudo está perfeito: temos uma moradia, um emprego, um parceiro que se importa, saúde – exceto que, por dentro, estamos insatisfeitos. E aí, além de nos sentirmos infelizes, existe a culpa por estarmos nos sentindo assim. Afinal, temos a sorte de ter um teto sobre nossa cabeça.

Se você já tentou exercitar a sua fé ou a sua gratidão e não deu efeito, talvez a ciência tenha uma explicação para isso: você pode estar se sentindo infeliz por uma questão evolutiva mesmo.

Homem sentado em uma mesa com a mão no rosto.

Já ouviu falar sobre adaptação hedônica da felicidade?

Os cientistas descobriram que a felicidade não dura muito. Se você quer um carro, para dar um exemplo mais básico, aquela “felicidade” vai durar enquanto durar a novidade: o cheiro de novo, contar pra alguém que vai vibrar pela sua conquista, e depois vai passar a ser uma coisa normal. Ou seja, emoções positivas de uma situação positiva tendem a declinar com o passar do tempo. E aí vem a questão evolutiva: o cérebro começa a querer “outra” novidade, o que vai impedi-lo de ficar sempre acomodado numa situação confortável.

Um outro tipo de adaptação hedônica é tentar estimular a duração de emoções positivas ao aspirar uma situação positiva. Aliás, usamos isso em coaching para que o cliente sempre seja incitado a buscar os seus gols.

Imagine que, se não fosse esse impulso, não seríamos impelidos a melhorar: buscar nosso propósito, por exemplo, seria exceção, pois desde que tivéssemos um emprego estável, tudo estaria resolvido. Buscar um companheiro e formar uma família? Para quê? “Estou tão bem assim.” Acabaríamos nos conformando até com o que é ruim.

A solução?

Mulher sorridente apontando para cima.

Segundo esses mesmos cientistas, vai desde abster-se do que dá prazer para aumentar esse mesmo prazer (exemplo: deixar de comer chocolate para que quando você o faça seja realmente especial), passando por ouvir música positiva, até baixar as suas aspirações.

A minha preferida, porém, é a que fala sobre tentar manter a felicidade trazida por uma novidade ao otimizá-la. Em outras palavras, não deixar uma situação cair na rotina. No caso de um relacionamento, por exemplo, fica fácil pensar em como fazê-lo.

Já no caso de um bem-estar trazido pela compra de um bem material, como uma casa, podemos pensar em renovar a decoração em uma loja de antiguidades ou fazer bom uso dela: dar festas, oferecer um churrasco, mudar os móveis de lugar, arrumar um canto para meditação, transformar um dos quartos em um ateliê, fazer uma pequena reforma. Quanto ao carro, pode ser usado para explorar lugares novos a cada fim de semana (o que, de sobra, ainda vai renovar seu relacionamento).

O importante é manter uma atitude positiva e aproveitar a jornada enquanto vai atrás das conquistas!


Você também pode gostar de: E se você já for realizado e não se deu conta?

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é terapeuta multidimensional, life coach e praticante certificada das ferramentas MBTI® de tipos psicológicos e Barras de Access®. É também autora do livro: “A Namorada do Dom”, em que conta sobre as lições que aprendeu nos relacionamentos e sua jornada até a Suíça.

Acredita que a vida é cheia de lições, e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados para viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:
Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group - Londres

MBTI® - Myers-Briggs Type Indicator - Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation - Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum - Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra - Suíça

Access Bars®
Nyon - Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @dulcineia.curadeamor

Blog: medium.com/@dulcineiasantos

E-mail: [email protected]