Convivendo

Dia Internacional da Felicidade

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Qual é a importância da felicidade na sua vida? Os sentimentos de pertencimento, de realização e de amor, que levam à felicidade, sempre são motivos para celebrar. É por isso que o Dia Internacional da Felicidade é comemorado todos os anos, no mundo inteiro, em 20 de março.

Para entender como essa data comemorativa foi instituída, é preciso conhecer um país chamado Butão, que fica localizado no continente asiático. O povo que reside no local é considerado o mais feliz do mundo. O segredo disso pode parecer controverso, mas a felicidade butanesa está em pensar na morte constantemente.

Ao fazer isso, os moradores passam a aproveitar mais a vida, porque têm a certeza de que ela pode acabar a qualquer momento. A fim de levar essa filosofia para o restante do mundo e de permitir que a felicidade ocupe o lugar do medo, Butão sugeriu a criação de um dia dedicado a essa forma de viver, em uma reunião geral da Organização das Nações Unidas, em 2012.

Mulher sorrindo na rua olhando para trás
Olivia Paige/Reshot

A partir daquele ano, foi o instaurado o Dia Internacional da Felicidade, para que os países tivessem um incentivo para buscar sempre a felicidade de seus moradores, promovendo qualidade de vida, afastando-se de conflitos e evitando a perpetuação de todas as formas de desigualdade.

O nível de felicidade de um país é definido a partir do conceito butanês “Felicidade Interna Bruta” (FIB). A criação do índice foi uma resposta às críticas ao crescimento insignificante do Produto Interno Bruto (que mede os lucros gerados pela economia de um país) do Butão.

Os pilares que são incluídos no cálculo da Felicidade Interna Bruta são: promoção do desenvolvimento educacional para a inclusão social, preservação e promoção dos valores culturais, resiliência ecológica na base do desenvolvimento sustentável, estabelecimento da boa governança, preservação dos valores capazes de garantir a vitalidade comunitária, saúde na garantia da vida, desenvolvimento sustentável para inclusão e potencialização do padrão de vida, diminuição da jornada de trabalho na promoção do tempo livre e do lazer, estímulo à participação em atividades esportivas e igualdade entre gêneros e liberdade de pensamento.

Mulher em uma rua da cidade segurando seu chapéu e sorrindo
Nuchy Lee/Reshot

Dessa forma, seria fundamental que as nações lutassem para atingir todos esses padrões. Além do que os representantes de cada país podem fazer pelo povo, precisamos pensar também em como nós podemos ajudar a disseminar a felicidade onde vivemos.

Muitas pessoas buscam a felicidade pensando no próprio bem-estar. Embora isso não esteja errado, os resultados podem ser mais efetivos se as pessoas que vivem ao seu redor também forem felizes e se sentirem realizadas com as condições de vida das quais podem desfrutar.

Desta forma, existem algumas atitudes que você pode tomar para disseminar a felicidade no local onde você vive e ampliar a esfera de pessoas felizes no seu país. Confira os comportamentos que você pode adotar a partir do Dia Internacional da Felicidade!

Mulher tirando uma foto de si na cidade e sorrindo
Claudia Hristova/Reshot

1) Desenvolver a sua capacidade de ouvir pessoas diferentes de você, compreendendo o que elas precisam para viver melhor e como você pode ajudá-las nisso;

2) Doar objetos, roupas e utensílios que estejam em bom estado, mas que não sirvam mais para você, às pessoas que não têm as mesmas condições financeiras que você;

3) Evitar conflitos agressivos e violentos, aprendendo a defender seu ponto de vista com a possibilidade de se abrir para novas ideias e para outras perspectivas;

4) Demonstrar a sua gratidão pelas pessoas que te auxiliam e que te apoiam mesmo nos momentos mais difíceis, quando tudo parece prestes a desmoronar;

5) Reconhecer os seus erros, pedir desculpas por eles e evitar que se repitam, sobretudo quando são posicionamentos, discursos ou comportamentos que ofendem outras pessoas;

Você também pode gostar

6) Denunciar situações de abuso ou de maus tratos sempre que presenciar um acontecimento desse tipo;

7) Apoiar as pessoas que estão passando por momentos difíceis ou que sofrem com problemas de saúde, financeiros ou profissionais;

8) Descartar resíduos orgânicos e não orgânicos da forma adequada, impedindo que o lixo que você produz cause problemas para a sociedade e para os animais;

9) Informar-se sobre os acontecimentos do mundo e entender o que você pode fazer para melhorar, ainda que parcialmente, as condições de vida de uma pessoa;

10) Agradecer pelos privilégios que você tem e lutar para que outras pessoas possam viver como você vive, sempre buscando melhorar seus padrões.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]