Linguagem do Corpo Saúde Integral

Fraturas e a linguagem do corpo

Só quem já teve uma fratura, ou seja, quebrou um osso sabe como isso é doloroso e como a recuperação pode ser longa e cansativa… Você sabia, porém, que, além do impacto, há outras causas que podem influenciar ou “facilitar” uma fratura? E essas causas são emocionais!

De acordo com uma teoria chamada Linguagem do Corpo, desenvolvida pela autora Cristina Cairo, todas as nossas emoções, os nossos sentimentos e os nossos pensamentos têm um impacto sobre o nosso corpo, ajudando ou prejudicando o funcionamento dele.

E isso não é diferente com as fraturas, porque algumas situações das nossas vidas podem “enfraquecer” os ossos, fazendo com que fiquem mais vulneráveis para fraturas, o que pode ser bastante perigoso. Sendo assim, entenda de que forma nosso emocional pode causar fraturas e como cada osso ficar vulnerável a elas. Confira!

Fraturas e a linguagem do corpo

De acordo com Cristina Cairo e a Linguagem do Corpo, as fraturas ósseas estão relacionadas ao modo como nos relacionamos com os nossos pais ou com os nossos filhos, porque elas representam uma quebra de autoridade, normalmente consequência de sentimentos de raiva e rebeldia.

Quando acontecem com filhos, de acordo com Cairo, é preciso que os pais se voltem parta si mesmos e analisem seu comportamento, que pode estar causando esses sentimentos de rebeldia e ira nas crianças.

Se a fratura é do lado direito, de acordo com ela, indica ressentimentos dos pais com uma mulher; e, com homem, caso a fratura seja do lado esquerdo do corpo. Segundo Cairo, as crianças de até sete anos sofrem mais influência emocional da mãe, enquanto dos sete aos catorze anos sofrem mais influência do pai.

Criança branca com o pescoço quebrado.
stockasso / 123rf

Para entender como cada tipo de fratura está relacionada com o nosso estado emocional, confira o tópico abaixo.

Simbologia das partes fraturadas

Fraturas em diferentes partes do corpo tem diferentes significados, até porque cada parte do nosso corpo se relaciona de maneira diferente com as nossas emoções. Dessa forma, confira a influência que as relações com nossos pais ou com a maneira como nos comportamos com os pais influenciam em diferentes tipos de fraturas:

Cabeça: existe um relacionamento conflituoso com pais teimosos e racionais e com pouco espaço para subjetividade. Além disso, são cabeças-duras e perfeccionistas, sendo bastante exigentes e impondo padrões altíssimos aos filhos. São pais que não se dobram diante de autoridades.

Braços: os pais são figuras que fazem rompimentos bruscos com alguma figura de autoridade ou que não têm medo de romper com situações que limitam seu trabalho e sua ambição, sendo, às vezes, um tanto quanto imprudentes.

Mãos: características parecidas com as citadas acima, em fraturas nos braços, mas com o adicional de que aqui há uma atenção e uma influência muito grande dos detalhes, especialmente no desenvolvimento de negócios e de afazeres do dia a dia.

Dedos: cada dedo fraturado é influenciado por uma emoção diferente. Confira quais são elas:

Dedo mínimo (mindinho): desarmonia e frustração no ambiente familiar;

Dedo anelar: desarmonias em relações afetivas, como entre casais;

Mão de pessoa com dedo anelar quebrado usando tala
Nic54 / Getty Images / Canva

Dedo médio: conflitos sexuais entre os pais ou entre as figuras responsáveis pela criança. Pode incluir raiva do parceiro e desejo inconsciente de romper com essa relação;

Dedo indicador: pais acusadores e que culpam os próprios filhos pelos sofrimentos que os afligem;

Dedo polegar: exatamente o mesmo significado de fratura na cabeça (consultar primeiro tópico);

Dedos dos pés: exatamente os mesmos significados dos dedos das mãos, mas em relação ao futuro, incluindo problemas com ansiedade.

Quadris: pais que não têm estabilidade emocional, que tomam decisões ruins e reprimem dores emocionais causadas por figuras de autoridade de suas próprias vidas.

Você também pode gostar

Fêmur: problemas com pais que são muito avarentos, ou seja, mãos-de-vaca e apegados às questões financeiras e ao dinheiro. Além disso, são pais muito rígidos com disciplina e com a conduta dos seus filhos.

Coxas: representa pais rebeldes, que, no passado, romperam com figuras de autoridade que atrapalhavam suas vidas, fosse da família ou em suas carreiras.

Pernas: pais que decidem romper relações com alguém, com alguma situação ou com algum ambiente que vinha impedindo seu desenvolvimento em direção a um futuro melhor.

Tornozelos: relações conflituosas com pais inflexíveis, que não aceitam o comportamento e a liberdade dos filhos, pois querem sempre que eles sejam moldados à sua maneira.

Pessoa com o pé quebrado deitada na maca do hospital
Amawasaki / Getty Images / Canva

Pés: pais que adotam comportamentos considerados infantis quando precisam lidar com problemas, além de terem dificuldade de compreender a vida e estarem sempre se colocando no papel de vítima.

Coluna: pais muito orgulhosos e/ou que carregam mágoas profundas, normalmente frutos de um rompimento de laços que causou desarmonia, agressividade e violência.

Segundo a linguagem do corpo, essas são as principais associações que podemos fazer entre fraturas e as nossas emoções e relações com os nossos pais. Entretanto, lembre-se: se você fraturou alguma parte do seu corpo, procure atendimento médico imediatamente, para que, depois de estar cuidado e mais confortável, você possa analisar o significado dessa fratura.

Texto baseado no livro de Cristina Cairo:
Linguagem do Corpo 2 – O que seu corpo revela

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br