Convivendo

Licença Paternidade: Homens ficam no lar após o nascimento dos filhos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A licença maternidade é algo aceito e bem utilizado aqui no Brasil, por outro lado, a licença paternidade ainda é pouco conhecida. Enquanto as mães brasileiras podem tirar entre quatro e seis meses de licença remunerada, os pais podem tirar entre cinco e vinte dias, porém nem todas as empresas oferecem a licença paternidade para os seus funcionários.

Sabemos da importância da mãe estar sempre presente nos primeiros meses de vida do bebê, mas e quanto ao pai? Será que ele estar por perto também não ajudaria tanto a criança quanto também a mãe? Em um dos países onde mais existe igualdade entre gêneros, a Suécia, a licença paternidade é uma realidade desde a década de setenta, e atualmente os pais têm aderido cada vez mais a licença paternidade por até três meses após o nascimento do filho.

Os benefícios vão além dos direitos trabalhistas. A criança, ao passar mais tempo com o pai, acaba se afeiçoando mais a ele nos primeiros meses de vida. Além disso, a mãe conta com a ajuda do pai para tarefas cotidianas que exigem muito do seu tempo, como ficar sempre alerta com o bebê e ainda cuidar da casa e dos afazeres domésticos. Os pais suecos ainda tem adquirido um novo hábito em suas rotinas, o de socializarem com outros pais que estão de licença paternidade para trocar experiências e aprender dicas que podem ajudar no dia a dia para cuidar da criança.

Happy young father enjoying special moments with his newborn baby daughter at home

Para as empresas, oferecer esse tipo de benefício ao funcionário também pode ser uma boa ideia, pois os melhores funcionários são atraídos por lugares em que possam trabalhar e conciliar com a vida familiar sem problemas. Além de isso também servir de incentivo para que um bom funcionário faça planos de permanecer em seu trabalho por um longo prazo.

Se em alguns lugares do mundo a licença paternidade já é uma realidade e os benefícios têm se mostrado aparente a partir disso, a tendência é que aos poucos essa cultura possa se disseminar por outros países, inclusive aqui no Brasil. Se você é pai ou mãe, que tal compartilhar a sua experiência sobre os primeiros meses de vida de seu filho aqui conosco nos comentários? Você acha que esse tipo de licença ajudaria na criação dos filhos? Comente!


  • Escrito por Ricardo Sturk da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]