Convivendo

Mitologia Nórdica — Tudo o que você precisa saber sobre

Thor, Odin, Loki, vikings… É praticamente impossível que você não tenha ouvido ou lido alguma coisa sobre mitologia nórdica, porque ela já virou cultura pop! Você, porém, conhece com profundidade esse conjunto de crenças, deuses e lendas que surgiu no norte da Europa?

Para apresentar a história da mitologia nórdica e listar seus principais deuses, heróis, monstros, criaturas e animais sagrados, preparamos este artigo. Além disso, você confere aqui os principais mitos desse conjunto de crenças e onde ela está presente na atualidade, como em séries, filmes e livros. Confira o artigo!

História da mitologia nórdica

A mitologia nórdica, também conhecida como mitologia viking ou mitologia escandinava, é um conjunto de lendas que surgiu na região da Europa conhecida como Escandinávia, formada por Noruega, Suécia, Dinamarca, Islândia e Ilhas Faroé.

Não é possível precisar a época em que essas lendas surgiram, porque registros escritos demoraram a surgir na região. A evidência mais antiga dessa religião é um conjunto de histórias chamadas Edas islandesas, datada do século XIII, mas até mesmo o historiador e imperador Tácito, que viveu por volta de 90 d.C., escreveu sobre ela.

As principais fontes sobre mitologia nórdica, as Edas, foram escritas pelo islandês Snorri Sturluson, que era um líder local, além de poeta. A “Eda em prosa” reúne os contos tradicionais da religião, enquanto a “Eda em verso” contém 29 poemas longos com narrativas sobre os deuses e os heróis nórdicos.

Edda em prosa.
Falt i det fri (Public domain)

A mitologia nórdica era bastante diferente de região para região. Portanto, enquanto alguns deuses eram venerados em um local, podiam ser praticamente ignorados por outros. De maneira geral, a mitologia nórdica não era apenas uma religião, mas parte essencial da cultura dos povos escandinavos.

A mitologia nórdica é considerada uma religião pré-cristã, porque conforme o cristianismo avançou sobre os países escandinavos, por volta do século X em diante, esse conjunto de crenças foi sendo cada vez mais proibido pelos cristãos, terminando com poucos fiéis, considerada uma religião pagã ou apenas um conjunto de lendas.

Deuses da mitologia nórdica

A mitologia nórdica é uma religião politeísta, ou seja, em que há adoração a mais de um deus, que coexistem. As figuras divinas da mitologia nórdica são menos retratadas como seres divinos e celestiais, como o Deus cristão, e mais como criaturas falhas, com defeitos e qualidades, como nós seres humanos.

Os deuses nórdicos são divididos entre dois clãs, os Aesir (Áss são os deuses masculinos e Asynjor, os femininos), que vivem no mundo de Asgard, e os Vanir, que vivem no mundo Vanaheim. Conflitos entre os deuses de ambos os clãs são bastante frequentes. Confira mais informações sobre os clãs e, a seguir, sobre os deuses:

O clã Vanir

Os Vanir, de forma geral, são retratados como deuses mais benevolentes e ligados à agricultura, à natureza e a sentimentos de harmonia e paz. Eles vivem em Vanaheim, que normalmente era descrito como um paraíso verde, fértil e cheio de animais e de frutos.

O clã Aesir

Os Aesir (Æsir) são deuses normalmente descritos como com características mais próximas aos humanos. Habitantes de Asgard, eles são extremamente passionais e conhecidos por irem à guerra por motivos bastante superficiais, além de estarem sempre batalhando entre si, com diversos deuses tendo sido assassinados pelos próprios deuses.

Deuses do clã Vanir

Frey: deus da virilidade, da beleza masculina, da prosperidade, da agricultura e dos casamentos, bem como da alegria e da paz. É irmão gêmeo de Freya.

Freya: considerada a deusa do amor, da fertilidade, da beleza, da riqueza, da magia, da guerra e da morte. É a deusa-mãe dos Vanir, que é levada para Asgard pelos Aesir após os Vanir serem derrotados numa guerra.

Representação da deusa Freya. Uma mulher em um carro sendo puxado por 2 gatos.
morphart / 123RF

Njord: deus dos mares e dos ventos, pai de Freya e Frey, era adorado por aqueles que viajavam pelo mar, que pediam sua proteção, já que normalmente ele era retratado como um barqueiro.

Gullveig: deusa-bruxa, Gullveig é a deusa da vaidade, da ambição e do acúmulo de riqueza. É retratada como cruel e gananciosa. Foi destruída pelos Aesir na guerra entre esse clã e os Vanir. Apesar de ser morta por Odin 3 vezes, ela sempre ressuscita.

Aegir: deus dos oceanos, era muito amigo dos jotun, também chamados de gigantes, que viviam em Jotunheim. Apesar de ser deus das águas, era considerado cruel e recebia oferendas não para ajudar os marinhos, mas para não os matar.

Clã dos Aesir

Odin: chamado de pai de todos, é o deus principal do clã e considerado o deus da sabedoria, da morte e da guerra. Era retratado ora como muito sábio, ora como cruel e sem misericórdia. É o pai de Tyr, Thor, Balder, entre outros.

Frigga: deusa-mãe dos Aesir, esposa de Odin, é a deusa da fertilidade, da união e do amor desse clã, além de ser protetora da família, das mães e das donas de casa, sendo símbolo de acolhimento e de doçura.

Thor: deus do trovão e da força, é bastante famoso pelo seu martelo, Mjolnir, que sempre carrega consigo e que ninguém é capaz de levantar. É um deus retratado como quase invencível e que sempre desequilibra as guerras das quais participa.

Loki: irmão de Thor, é uma figura controversa. Considerado o deus da mentira e da trapaça, pode assumir a forma que quiser, o que usa para enganar muitas pessoas. Pouco confiável, prejudicou o caminho de muitos deuses e tramou a morte de Balder.

Balder: deus da justiça e da sabedoria, Balder viajava os nove reinos mediando conflitos e encerrando guerras e batalhas por causa de suas habilidades de diplomacia. Teve sua morte tramada por Loki.

Desenho do Balder, o Deus da justiça e sabedoria
Jonas Engberg / Wikimedia Commons

Heimdall: é o deus responsável por guardar a Bifrost, uma ponte em forma de arco-íris que faz a conexão entre Asgard e os Nove Reinos. Durante o Ragnarök, o fim do mundo da mitologia nórdica, ele anunciará o fim com sua trombeta.

Tyr: deus do combate e da guerra, é uma figura interessante porque não promovia guerras sangrentas. Pelo contrário: seu senso de justiça o levava a se envolver em conflitos para encerrá-los de maneira justa e honesta.

Heróis, monstros e animais mitológicos

Além dos deuses, que são os protagonistas da mitologia nórdica, há outras figuras importantes. Os heróis, por exemplo, são meros mortais, seres humanos que, com a ajuda ou contra a vontade dos deuses, alcançaram grandes feitos.

Além deles, temos criaturas e seres de diferentes espécies, como os elfos claros e escuros e os anões, assim como animais sagrados e muito poderosos, com funções bastante importantes nesse universo. Confira detalhes sobre essas figuras abaixo:

Heróis

  • Ragnar: famoso guerreiro que teria sido descendente de Odin. Ele foi um dos responsáveis pelo início da unificação dos pequenos reinos nórdicos, que terminaram se tornando os países escandinavos atuais. Teve muitos filhos, considerados os guerreiros mais poderosos da época. Além disso, conduziu os vikings à Inglaterra.
  • Beowulf: um guerreiro e rei da Suécia, a lenda de Beowulf conta que ele foi o responsável por derrotar um temido dragão e o grande monstro Grendel, uma criatura enorme e brutal que assassinava por prazer.
  • Érico, o vermelho: considerado mais que uma lenda, pois há evidência de que realmente existiu, foi banido da Noruega e da Islândia por ter cometido assassinato e viajou à deriva até encontrar um terreno que hoje é a Groenlândia.
  • Sigurd: também chamado de Sigfried, é o personagem central do poema Saga dos Volsungos. Descendente direto de Odin, matou um dragão, encontrou um tesouro escondido e se envolveu em um romance proibido com uma valquíria, Brunhilda.
  • Volsungo: pai de Sigurd, era neto de Odin e mantinha uma relação relativamente próxima com o deus, que acompanhava o crescimento de seus filhos e doou à família a espada Gram, que passou a ser usada por Sigmund, filho de Volsungo.

Monstros e criaturas

  • Jörmungandr: filho de Loki é uma serpente gigantesca e tão grande que ela dá a volta pelo globo e morde sua própria cauda. Ela vive nos oceanos de Midgard, que é a Terra. Durante o Ragnarök, ela trava uma batalha até a morte com Thor.
  • Fenrir: um lobo monstruoso, também é filho de Loki. Durante o Ragnarök, esse lobo mostra o seu verdadeiro poder e mata o mais poderoso dos deuses, Odin. Fenrir odiava os deuses por ter sido preso por eles por anos, já que se tornou grande demais.
  • Elfos claros: são criaturas que habitam o reino Alfheim, amam a natureza e são protetores dela, por isso seu mundo é cheio de árvores e rios, além de ser hostil a qualquer pessoa que mate qualquer coisa viva.
  • Elfos escuros: são criaturas que habitam o mundo de Svartalfheim. Apesar do nome, não são más. Eles apenas são mais introspectivos e preferem viver onde há escuridão, porque podem ser transformados em pedra caso fiquem expostos à luz por muito tempo.
  • Jotun: é uma raça de gigantes que habitam o mundo Jotunheim. São muito fortes, indomáveis e, apesar disso, pacíficos, desde que sejam deixados em paz. São inimigos dos Aesir, que matam os gigantes por puro medo de eles serem fortes demais.
  • Troll: são gigantes horrendos e deformados que vivem nas florestas de Midgard, a Terra. Eles se escondem em cavernas e no subterrâneo porque viram pedras se virem a luz do sol. São maldosos, mas muito estúpidos.
  • Anões: os anões habitam tanto Midgard quanto Svartalfheim, o reino dos elfos escuros. Eles são baixos, barbudos, costumam viver no subterrâneo e gostam de trabalhar com ferro, sendo mestres na construção de martelos e armaduras.
  • Valquírias: são nove divindades menores que os deuses, obedientes a Odin e Freya. Elas são responsáveis por selecionar os guerreiros mais heroicos para que eles habitam Valhalla, uma espécie de paraíso para valentes e corajosos.

Animais sagrados

Audumbla: é uma vaca, que, por incrível que pareça, deu origem à linhagem da qual nasceu Odin e outros deuses.

Skoll: lobo que persegue os cavalos Arvak e Alsvid, que carregam, respectivamente, o Sol e a Lua, por isso há a transição entre dia e noite.

Ratatosk: um esquilo que corre ao longo dos galhos da Yggdrasil, a árvore da vida, espalhando fofocas e contos dos nove reinos.

Uma pintura do Ratatosk, um esquilo da Mitologia Nórdica
Falt i det fri / snl

Garm: um grande cão que guarda o reino da deusa Hela, Helheim, que é uma espécie de inferno da mitologia nórdica.

Sleipnir: é o lendário corcel de oito patas, montaria de Odin e considerado o animal mais rápido dos nove reinos.

Nidhogg: um misto de dragão e serpente enorme e monstruoso que rói as raízes da Yggdrasil, a árvore da vida, abrindo espaço para o fim dos tempos. Ele se alimenta dos corpos dos mortos indignos, que não foram para Valhalla.

Principais mitos nórdicos

Assim como outras religiões, a mitologia nórdica tem seus próprios mitos a respeito do mundo, do paraíso, do submundo, do fim dos tempos e por aí vai. Para que você se familiarize com esses mitos, separamos alguns deles.

Yggdrasil

A Yggdrasil é uma árvore enorme e colossal, normalmente associada a um freixo. Ela está no centro do universo e conecta os nove reinos da mitologia nórdica (mais detalhes no próximo tópico). Suas raízes se estendem ao mais profundo dos reinos, Niflheim.

Os frutos dessa árvore dão as respostas às grandes perguntas existenciais, por isso ela é guardada pelas valquírias, que não permitem a entrada de seres mortais, nem de deuses.

Próximo às raízes dessas árvores mora um deus chamado Mímir, que é o deus mais sábio de todos e, por isso, procura não se envolver nas questões dos Aesir e dos Vanir. Para alguns escolhidos, ele abre o acesso à sua eterna fonte de sabedoria.

Os nove reinos

No universo da mitologia nórdica, existem nove reinos distintos entre si, cada um com suas características e com um ou mais povos diferentes. Há duas maneiras de viajar por esses mundos: usando os galhos da árvore Yggdrasil ou por meio da Bifrost, uma ponte que conecta Asgard a todos os reinos.

Os reinos são seguintes: Midgard (Mannheim), o reino dos homens mortais, ou seja, a Terra; Asgard (Godheim) é o reino dos deuses Aesir; Vanaheim é o reino dos deuses Vanir; Helheim é o mundo dos mortos para onde vão os indignos de Valhalla; Svartalfheim é o reino dos anões e dos elfos escuros.

Além desses, ainda existem Alfheim, o reino dos elfos claros; Jotunheim, o reino dos gigantes; Niflheim, o reino do gelo eterno, onde vivem os gigantes de gelo; e Muspelheim, o reino do fogo eterno, onde vivem os gigantes de fogo.

Ragnarök

Representação em desenho do Ragnarok.
Johannes Gehrts / Flickr

O Ragnarök é o mito do fim dos tempos nórdico, o apocalipse dessa mitologia. Uma tradução literal desse termo significa algo como “destino dos deuses”. É um evento em que se desenrola uma série de acontecimentos e de embates entre deuses que, de tão poderoso e catastrófico, acaba com os nove mundos e tudo o que existe.

Ao contrário de outras religiões, que preveem uma espécie de paraíso após o apocalipse e o dia do juízo final, o Ragnarök é realmente o fim da linha para o universo da mitologia nórdica.

E é assim porque as lutas travadas entre os deuses são tão violentas e destrutivas que não deixam pedra sobre pedra, dizimando tudo o que existe em todos os nove reinos.

Fimbulwinter

O fimbulwinter é uma sequência de três invernos sem nenhum intervalo de verão que antecede o Ragnarök. Segundo a lenda, a neve cai sem parar, vinda de todas as direções, e guerras sem fim assolam Midgard os outros reinos do universo.

Durante o fimbulwinter, vai imperar o caos e a angústia. Amigos e casais brigarão e haverá morte, sofrimento e dor, criando o ambiente ideal para que os embates que caracterizam o Ragnarök aconteçam.

O termo é tão popular que, em países como Dinamarca, Noruega e Suécia, até hoje é “fimbulwinter” é uma palavra usada para descrever um inverno mais rigoroso.

A guerra dos deuses

Também conhecida como Guerra Aesir-Vanir, foi uma guerra que aconteceu entre os dois clãs de deuses. As fontes mais confiáveis sobre essa mitologia, a Edda em prosa e a Edda em versos, não falam sobre a origem dessa guerra sangrenta.

Elas contam apenas que, para encerrar a guerra, os deuses Vanir cederam aos deuses Aesir a divindade Freya, que se mudou de Vanaheim para Asgard e nunca se habitou ao fato de que abandonou seu planeta cheio de natureza e harmonia para habitar a guerra de egos e poderes dos deuses Aesir.

As lendas contam a história de Freya, uma Vanir, e de Frigga, uma Aesir, mas historiadores suspeitam que ambas eram a mesma divindade e que seu nome variava de acordo com a região, por isso ela, que era esposa de Odin, recebeu esses dois nomes distintos.

Relação entre a mitologia e a atualidade

A mitologia nórdica, atualmente, virou parte da cultura global, tendo influenciado filmes, livros, jogos de videogame e outros tantos distintos tipos de conteúdo. Sua popularidade permanece grande e há até um movimento de resgate de suas tradições em países nórdicos.

Algumas de suas heranças incluem, por exemplo, os nomes dos dias da semana no idioma inglês: Sunday (domingo) vem de Sunna, deusa do Sol; Monday (segunda) vem de Máni, irmão de Sunna, que representa a Lua; Tuesday (terça) vem do deus Tyr; Wednesday (quarta) vem de Woden, ou seja, Odin; Thursday (quinta) vem de Thor; Friday (sexta) vem de Frida, a Vanir. Somente Saturday (sábado) é que vem de Saturno, da mitologia romana.

Mitologia nórdica em filmes, séries e livros

A mitologia nórdica é tão popular e importante para a História que segue inspirando novos conteúdos até hoje, inclusive filmes, séries e livros, que, mesmo séculos depois, seguem fascinando ao terem como base as crenças escandinavas.

Preparamos uma lista com 3 filmes/séries e 3 livros para você, que deseja conhecer as lendas e crenças nórdicas com mais profundidade:

Filmes e séries

  • “Vikings” (2013-2020) — Um grande épico com quase 90 episódios e 6 temporadas. Misturando ficção e história, a série acompanha a linhagem do lendário guerreiro Ragnar Lothbrook, desde sua ascensão de pequeno fazendeiro a rei até seu legado, o qual é passado para seus filhos.
  • “Ragnarök” (2020) — Série norueguesa em que jovens do mundo moderno começam a receber os mesmos poderes dos principais deuses da mitologia nórdica. O protagonista da série é um jovem que é a “reencarnação” de Thor. É uma série que tem o público jovem e adolescente como alvo.
  • “The Last Kingdom” (desde 2015) — Essa série foca a longa batalha entre os vikings e os ingleses, um grande confronto entre a cultura cristã e a cultura viking/nórdica, com graves consequências para ambos os lados. O protagonista é Uhtred, um inglês que foi criado pelos vikings, o que dá espaço para muitas contradições.
  • Universo Cinematográfico Marvel — Além de super-heróis como Homem de Ferro, Homem-Aranha e Capitão América, o universo de heróis da Marvel tem entre seus personagens Thor (Chris Hemsworth), Loki (Tom Hiddleston) e Odin (Anthony Hopkins). O primeiro arco desse universo, que se encerra no primeiro filme d’Os Vingadores (2012), tem Loki como principal vilão.
  • “Valhalla — A Lenda de Thor” (2019) — Nesse filme, dois irmãos são levados por Thor e Loki para Asgard, onde precisam ajudar os deuses a lidar com inimigos bárbaros e com ninguém menos do que tenebroso lobo Fenrir, aquele que mata o próprio Odin durante o Ragnarök.

Livros

“Dicionário de Mitologia Nórdica: símbolos, mitos e ritos”, de Johnni Langer — Editora Hedra (2015) — Esse livro apresenta ritos, mitos e símbolos da mitologia nórdica. O material foi preparado com muito cuidado e é escrito e organizado por professores de universidade de todo o Brasil, do Canadá e até mesmo da Islândia, servindo como base para todos os que desejam começar a pesquisar e a entender essa mitologia.

Você também pode gostar

“Mitologia Nórdica”, de Neil Gaiman — Editora Intrínseca (2017) — O famoso autor Neil Gaiman reúne nesse volume o essencial para entender e começar a estudar a mitologia nórdica, contando os principais mitos e as principais lendas, mas com a voz única e as grandes habilidades narrativas desse reconhecido escritor.

“Saga dos Volsungos”, organizado por de Theo de Borba Moosburger — Editora Hedra (2009) — Leia a versão original e traduzida diretamente do islandês da história de Volsungo e de Sigurdur, tudo isso numa edição comentada e que contextualiza cada parte da história, garantindo uma leitura fluida e leve, apesar do conteúdo denso.

A mitologia nórdica, como qualquer religião, é bastante fascinante e apresenta seus próprios deuses, mitos e crenças, sendo um universo rico e bastante interessante para qualquer pessoa que se proponha a estudá-la, porque, mais do que uma religião, é parte essencial da cultura vikings e escandinava.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br