Blog do Editor Convivendo

Avó – O Amor Incondicional do Ser!

amor incondicional
Muito se fala em Amor Incondicional. Que coisa linda, todo mundo quer sentir, toda mãe acha que sente pelo filho. Eu já pensei assim quando vivia nas minhas idealizações, afinal… quem nunca?! Rsrs.

Mas não é assim, não. Mãe quer que o filho seja do jeito que a gente gostaria, que faça o que a gente acha certo e melhor para eles. Obviamente a intenção é das melhores na maioria das vezes, mas se eles não são ou não fazem o que planejamos, a gente não gosta,a gente se chateia mesmo…ama sim, mas gostaria que… e isso não é amor incondicional.

Amor incondicional não é o de troca. Amor de troca é aquele em que a gente dá para receber, e é o que a gente aprendeu e que ficamos muito felizes quando conseguimos dar, ou trocar, porque tem gente que não está no estágio nem disso, tem os que só querem receber mesmo, e está tudo certo, porque cada um está onde tem que estar e não nos cabe julgar ninguém, apenas lembrar que não somos árvores, não temos raízes e podemos sair a qualquer momento de onde não estamos bem.

Mas eu reconheci um Amor Incondicional agora, com minha netinha querida, a Marina, que tem apenas 9 meses de idade e, portanto, ainda é puro instinto, ou, como chamamos na psicanálise, é puro Id.

Nessa idade o Ego dela ainda não está em formação, portanto não está sujeita a regras sociais, não faz nada para agradar ninguém, não foi doutrinada pelos padrões educacionais e simplesmente age conforme seus desejos e reage conforme seus sentimentos.

É o Ser, o Eu Maior na sua essência purinha! Hoje, com tudo que aprendi, consigo ver isso e acompanho maravilhada esse pouco tempo que ela ficará assim, pois em breve, por volta de um aninho, já começa a querer fazer parte da onipotência dos adultos e estará condicionada a obedecer para ser aceita e amada. Faz parte da formação do Ego.

Na época em que meus filhos eram bebês, eu não sabia dessas coisas, estava totalmente imersa nos padrões convencionais, num sono profundo… dei todo meu amor e cuidado a eles, mas não estava desperta. Agora, vejo muita coisa além do véu…

Eu e a Marina temos uma relação de amor profunda, uma conexão vinda com certeza de outras experiências. O fato é que a gente se ama. Eu a amo desde a gestação. Obviamente por ser filha do meu filho já é um sentimento incrível, mas logo que ela nasceu, já percebi a ligação, que é recíproca.

Ela me ama sem importar-se com nenhum padrão, se eu sou magra ou gorda, se estou arrumada ou não, se tenho rugas ou não, se tenho algo para dar a ela ou não… ela apenas sente o amor que eu emano para ela e pronto. É uma relação sem nenhum interesse, apenas gostamos de estar juntas.

É um contato de Ser para Ser. Amor.

Só isso, e tudo isso, porque nada pode ser mais puro, leve e delicioso!

Nascemos assim, apenas o Ser, pura alegria e amor, e com o tempo vão nos estragando, vamos ficando dominados pelo Ego, acreditando na mente, para depois ralar até voltar a nos conectar com tudo isso… mas que seja antes tarde do que nunca!

Amor incondicional por estranhos neste plano que vivemos é para seres bem elevados, como foi Francisco de Assis, Mestre Jesus, Madre Teresa de Calcutá, dentre outros, que passaram por aqui para nos ensinar algumas coisinhas…

Eu sou grata e aproveito muito desta experiência maravilhosa que estou vivendo, porque, como tudo em nossas vidas, vai passar!

Namastê!


Você também pode gostar de outro artigo desta autora. Acesse: Mães

Sobre o autor

Monica Marchese Damini

Monica Marchese Damini

Psicanalista Clínica e Editora do Eu Sem Fronteiras

Em certa altura da vida, senti o chamado para descobrir o que havia além da rotina, da vida material, do físico. Foram muitos os caminhos trilhados, muito estudo, muitas vivências e descobertas, muitos desafios, vários mestres. Gratidão a cada um deles.

Autoconhecimento, espiritualidade, física quântica, o universo, yoga, budismo, doutrinas, meditação, retiros, silêncio, corpo, mente, alma, o Ser, o Amor Maior.

Ser livre do mundo externo, do sofrimento de Maya, a ilusão.

Torna-se co-criador da própria realidade.

Colocar em prática o Dharma, o dom e recursos recebidos em prol da sociedade, privilegiar o Todo, trabalhar, estudar, compartilhar, amar, evoluir, sem apego ou aversão.

Despertar para o Divino em cada um de nós. Aprender a enxergar o Ego e deixar que ele apenas trabalhe a favor dos propósitos do Todo, aprender a praticar o desapego e a aceitação… tem que buscar, tem que querer, e eu quero!

Assim como eu, muitos estão nessa jornada, e com este propósito de nos juntar, criamos o Eu Sem Fronteiras, projeto amoroso de compartilhamento e ponte entre quem quer dar e quem busca receber todo tipo de informação e conhecimento, livre de dogmas, julgamentos e crenças, para que cada leitor aproveite o que desejar em cada momento de sua vida.

Transformar conhecimento em sabedoria.

Trabalhoso, mas tem muita gente vibrando na mesma sintonia e disposta a compartilhar o que sabe, e nessa nova era onde o coletivo impera sobre o individual, conseguimos uma equipe linda de profissionais em sinergia com nosso projeto para juntar todo o bem e todo o bom aqui neste portal.

Aprender a perdoar, se perdoar, nos libertar de sentimentos negativos, mágoas, culpas e tudo que gera padrão negativo. Há muitas formas e ferramentas, mas precisa trabalho e enfrentamento.

Quanto maior a massa crítica vibrando positivamente no amor universal, mais rápida a transformação deste planeta.

Queremos participar!

Contato:
E-mail: [email protected]
Facebook: Monica Damini
Instagram: @monicadamini