Energia em Equilíbrio Yoga

O que significa namastê?

Mulher com as mãos unidas próximas ao peito.
Branislav Ostojic / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A não ser que tenha vivido isolado de todos os seres humanos nos últimos anos, você certamente ouviu a expressão “namastê” por aí, certo? Seja numa conversa, num vídeo aleatório, num meme ou nas redes sociais, essa palavrinha já deve ter aparecido para simbolizar algo espiritual ou good vibes.

Mesmo em ambientes nos quais a espiritualidade não seja e o foco e entre pessoas que não têm crença, essa palavra aparece, e se tornou tão popular que foi parar até no prestigiado dicionário de Oxford, da Inglaterra. Mas, afinal, o que significa essa expressão e por que ela se tornou tão popular? Tire suas dúvidas de uma vez por todas!

O que significa e de onde vem a palavra namastê?

“Namastê” é uma palavra que se originou do idioma sânscrito, falado no sul da Ásia, especialmente na Índia e no Nepal. Mas o que significa namastê em português?, você deve estar se perguntando. Essa palavra significa, literalmente, “eu me curvo perante ti” ou “eu saúdo você”.

Essa saudação é usada por membros de várias crenças e religiões asiáticas: por hindus, sikhs, jainistas, taoístas, xintoístas e budistas, dentre outras menos populares. Nas culturas do Nepal e da Índia, mesmo entre não crentes, é usada no início de uma conversa, como saudação. Às vezes, somente um gesto com as mãos é feito, sem dizer a palavra. Vamos explorar esse gesto num tópico abaixo.

Mulher sorrindo com as mãos unidas próximas do peito.
Karolina Grabowska / Pexels

A palavra “namastê” tem outras duas variações, dependendo da localização geográfica dos falantes: “namaskar” e “namaskaara”, mas o significado de todas essas expressões é o mesmo. Entre os religiosos, o significado se expande, e alguns afirmam que a expressão significa: “O Deus que habita o meu coração saúda o Deus que habita o seu coração”.

Por fim, a expressão “namastê” também é utilizada entre os praticantes de yoga, que a dizem ao instrutor, como forma de demonstrar agradecimento e respeito ao mestre da prática.

Como fazer a saudação namastê?

Quando dita, a palavra “namastê” sempre vem acompanhada de uma saudação, mas nem sempre a saudação exige a palavra, então é possível saudar as pessoas com o mesmo significado apenas com o gesto, sem dizer “namastê”.

A saudação é muito simples de fazer: basta juntar as mãos, como numa oração, na altura do tórax e fazer uma ligeira curvatura, que simboliza profundo respeito. A posição das mãos se alinha ao chakra cardíaco, que é o mais vital do ser humano.

Quando estamos saudando mestres e pessoas a quem somos mais gratos, podemos colocar as mãos na testa, o que simboliza profundo respeito. Além disso, quando saudamos deuses, divindades e outras figuras divinas, as mãos são colocadas completamente acima da cabeça.

Anjali Mudra: qual sua relação com namastê?

A saudação descrita no tópico anterior tem um nome: Añjali Mudrā (em sânscrito: अञ्जलि मुद्रा). Essa postura é parte essencial da cultura e das artes indianas e do sul do Ásia, aparecendo não só como saudação respeito, mas também em posturas de danças clássicas indianas, como a Bharatanatyam e na prática do yoga, fazendo parte de muitos pranas.

A Añjali Mudrā é considerada uma forma de comunicação não verbal, ou seja, “diz” sem emitir uma palavra (por isso dissemos que falar “namastê” é opcional quando se trata dessa saudação). Além da Índia, esse gesto é bastante conhecido e usado em países como Sri Lanka, Nepal, Butão, Birmânia, Tailândia, Laos, Camboja e Indonésia.

Como gesto, é amplamente utilizado como sinal de respeito ou saudação silenciosa na Índia. Também é usado entre budistas, taoístas e xintoístas do leste asiático e adeptos de tradições asiáticas semelhantes. O gesto é usado como parte da oração ou para adoração em muitas religiões indianas e outras religiões orientais.

Qual é a resposta para namastê?

Quando recebe essa saudação, muita gente fica sem saber como responder, já que esse gesto e essa palavra não fazem parte da nossa cultura, historicamente. Não há maneira correta de responder a essa saudação, então você pode reagir como quiser, desde que mantenha o respeito que a saudação implica.

Idosa com as mãos unidas próximas da boca.
Shiraz Henry / Pexels

Na maior parte das vezes, os próprios asiáticos respondem à saudação fazendo o gesto com as mãos, a Añjali Mudrā. No Brasil, muitas pessoas respondem com o gesto e incluem a palavra “gratidão”, por exemplo. Enfim, você é quem define como deseja responder, mas lembre-se de que gratidão e respeito são essenciais na resposta.

Quando usar essa palavra?

Além de ser usada como saudação no início de uma conversa ou quando você encontra alguém, namastê pode ser dito no momento em que vamos nos despedir das pessoas, porque é como se estivéssemos agradecendo pela troca que aconteceu, mostrando também que respeitamos a pessoa a quem estamos nos despedindo.

Até mesmo em declarações de amor e em mensagens para pessoas queridas pode-se utilizar essa palavra, já que o seu significado, “eu me curvo a você”, demonstra o quanto respeitamos e amamos a pessoa com quem estamos falando e como estamos à disposição dela para o que for necessário.

Qual aprendizado espiritual podemos obter de namastê?

Gratidão e respeito acima de tudo. Quando entendemos que as relações humanas não são apenas meros encontros e desencontros, mas trocas de energia pulsantes e constantes, passamos a respeitar mais aqueles que nos fazem bem e a agradecer a disponibilidade que eles demonstram para participar de nossas vidas.

Você também pode gostar

Quando nos curvamos para alguém e demonstramos que estamos à disposição dessa pessoa, estamos nos colocando a serviço do mundo e das melhores energias que podemos receber e emanar. Quem respeita e demonstra gratidão vive de portas abertas para receber o que de melhor o Universo tem a nos oferecer.

Namastê, apesar de ter virado piada e meme em tempos de redes sociais, é uma saudação muito respeitosa na cultura asiática, simbolizando, ao mesmo tempo, gratidão, respeito e disposição, sendo a saudação ideal para uma troca e uma relação que promete doar e receber boas energias.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br