Convivendo

O espírito da mentira

Homem com o nariz de pinóquio.
Ion Chiosea / 123RF

Em 1° de abril, comemora-se o Dia da Mentira.

No Brasil, comemoramos essa data como um dia de pegadinhas e mentiras de brincadeira. Até as crianças viveram no passado a famosa musiquinha que diz: “Enganei o bobo na casca do ovo. Quem caiu, caiu, primeiro de abril”.

Então surgem diversas pegadinhas até entre adultos. É uma data muito esperada para as brincadeiras. As crianças, e até mesmo os adultos, já amanhecem fazendo pegadinhas. É uma verdadeira festa e muita gargalhada.

Para muitos, quem mente não tem caráter, e falta-lhe vergonha na cara. Essa falta de caráter, de ética e de postura ilibada é resultante de aspectos como, por exemplo, o contexto social no qual o indivíduo convive. Portanto ele é ensinado, pelos exemplos, que a mentira é normal, logo falta-lhe essa envergadura de ser ético e verdadeiro. A Psicologia sempre debateu o tema do caráter observando o comportamento e os motivos pelos quais o indivíduo age dessa forma. Essa maneira de fingir, de enganar, de mentir está inserida em experiências psíquicas nas quais, por vezes, a falta de caráter ou de transparência com a verdade faz com que o sujeito minta. Porque está enraizado em sua mente que é algo comum e natural, exatamente pelo modo como ele foi criado, pelo contexto social, amigos, familiares, falta de estrutura básica, má alimentação, falta de educação – no sentido de a família “corrigir quando mentir” – e falta de educação escolar, no “não acompanhamento do caráter”.

A culpa, na verdade, em última análise ou instância, seria talvez do próprio sujeito que aceitou, por espírito e por normal, ter esse tipo de conduta ao longo da sua vida. Isso pode ser mudado somente por meio da busca pelo conhecimento de quem somos e de uma série de questões a serem analisados pelo sujeito que deseja parar de mentir – como, por exemplo, querer melhorar sua versão como ser humano. Nesse espírito, eu sugiro a leitura da Bíblia, bem como o estudo da filosofia e do SatSang.

Mulher chorando.
Karolina Grabowska / Pexels

Agora, ao analisar o espírito da mentira, teremos um tom obscuro nessa palavra, pois se trata do não real. Muitas mentiras destroem vidas, casamentos, famílias, amizades entre outros. Claro, existe também o lado “benéfico” da mentira – se é que podemos rotular assim –, em que ela impede que ocorram tragédias, guerras e conflitos.

A Bíblia diz, em João 8, verso 44: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”.

Nesse sentido, a mentira de qualquer natureza é abominável ao povo cristão, ou pelo menos deveria ser. O próprio Senhor Jesus foi quem citou essa frase em João 8, verso 44, pois ele estava discutindo com os fariseus e escribas. Logo a mentira é abominável e intolerável. Nesse texto, os fariseus representavam os mestres da lei, os “homens santos, oficiais da igreja”. Logo nenhuma mentira se justifica por si mesma ao olhar de Deus.

Você também pode gostar

O mundo para os cristãos é jaz do maligno; por isso, eles abominam o Dia da Mentira como o dia dos filhos das trevas. É um sentimento natural aqui no Ocidente. No entanto, isso não ocorre em outras religiões. Aliás, no mundo todo existem centenas de religiões diferentes, logo não estamos aqui universalizando o tema como algo macro e único em todas as religiões, tampouco em todas as nações. Cada nação obviamente se emprega na sua própria cultura e forma de ser como costumes. Portanto o dia 1° de abril é uma data comemorativa somente em alguns países.

Por fim, é interessante essa data comemorativa na cultura brasileira e em outros países, porém não é feriado. Para o amigo leitor se aprofundar sobre o tema, poderá pesquisar, em artigos científicos, a respeito do Dia da Mentira. Boas pesquisas, e até a próxima com seu amigo, Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha.

Uma é a história, outra é a glória da estória; porém, até entre verdades e verdades há diferença de esplendor no espírito, ao problematizar seu turno, sua estrutura.

Sobre o autor

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

Tenho trabalhos acadêmicos e literários publicados em diversos tipos de plataformas e portais, basta pesquisar utilizando meu nome em diversas mídias sociais.

Contato:
Email: [email protected]