Comportamento Convivendo

O melhor lado

Mulher apoiada em mesa de madeira olhando para o alto
123RF | Antonio Guillem
Vander Luiz Rocha
Escrito por Vander Luiz Rocha

Curiosamente tendemos ao negativo, não me perguntem por quê. Talvez seja inerente à nossa natureza de aprendiz espiritual, ou por influência do meio em que vivemos.

Digamos que uma mulher mata o marido e joga o corpo no rio; o outro lado, o bom, é que naquele momento muitas vidas foram salvas por médicos, bombeiros e socorristas. O pior lado será notícia por meses, sobre o lado bom nada é divulgado. O lado ruim é barulhento, o lado bom é silencioso.

Garota vista através de galhos iluminada pelo sol
Aline Viana Prado / Pexels

Deixando essas considerações, buscando exemplos, veremos que em tudo há os dois lados: o vendaval açoita, mas renova o ar; a enchente move imundícies, traz mau cheiro, entretanto leva o adubo aos vegetais. Há pessoas que se revelam incapazes em determinadas tarefas e são valiosas em outras.

Não vamos alongar com mais exemplos. Tudo tem dois lados: o bom e o não bom, ou se preferir, o melhor e o pior lado. Gosto desse último.

Na atualidade somos bombardeados por conceitos de todas as espécies, seja econômico, religioso, político, social e outros. Vivemos em ambiente cada vez mais hostil e desafiador, no qual tudo se mostra às avessas, volátil, complexo, incerto. Acostumamos com isso, ao processo nos adequamos, concluindo que é assim o certo; tal qual fazem nossos companheiros de jornada terrena.

Aprisionados ao redemoinho das inconstâncias resultante dessa adaptação, não nos apercebemos de que aí há a inversão de valores, onde o bem parece ser o mal, o mal se mascara de bem e erguermos nosso escudo, esculpido por esses parâmetros, para nos defender daquilo que se mostra contrário aos preceitos assim doutrinados.

Nessa adequação nos afastamos do melhor, adotando o pior. Como recebemos os efeitos de nossas escolhas, não teremos bom retorno e certamente encontraremos culpados sem nos atentar que não fomos vigilantes.

Sofremos sem saber por que sofremos.

É fácil romper com esse modelo? Não, não é. Participamos da não razão e não nos aceitamos diferentes do que somos, aliás, como já explanado, o escudo nos impede a correção, não conseguimos nos ver de outra maneira.

Você também pode gostar

O primeiro passo é mudar o olhar para o que nos cerca, sair do casulo, nos desapegar dos grilhões conceituais que limitam o nosso arbítrio, para adquirir a liberdade mental que nos capacita à sensatez. Essa é a magia que nos confere o poder de enxergaremos a verdadeira face do bem, optar pelo melhor lado das situações, dos acontecimentos, das pessoas, das coisas, lado esse no qual nos deteremos por alcançar vida feliz, pois o retorno será sempre o bom, e dele recolheremos o tesouro da ascensão espiritual, riqueza que nunca nos será tirada.

Seja você feliz pelo melhor lado.

Sobre o autor

Vander Luiz Rocha

Vander Luiz Rocha

Vander Luiz Rocha, nascido na cidade de Conselheiro Lafaiete, estado de Minas Gerais, Brasil, em 1939.

Criado dentro dos princípios da tradicional família mineira, teve no catolicismo a sua primeira religião.

Na adolescência, dos 7 aos 14 anos, fez, como interno, o Seminário Menor da Ordem dos Redentoristas, na época em Congonhas do Campo, MG. Naqueles momentos o cenário de vida foi o barroco e o fundo musical o canto gregoriano.

Deixando o seminário, tornou-se não religioso e se dedicou aos estudos e ao trabalho em Belo Horizonte. Inicialmente se formou em contabilidade, e posteriormente graduou-se em administração, com o título de bacharel. A sua vida privada foi alimentada por essas profissões.

Em 1973 mudou com a família, esposa e três filhas para São Paulo, indo residir no ABC Paulista, em São Caetano do Sul, trabalhando em empresas da região, tendo se interessado pelo espiritismo, adotando-o em 1976 como escola de vida.

Após preparar-se em cursos feitos sob supervisão da Federação Espírita de São Paulo, SP, tornou-se servidor, no segmento palestrante, e expositor de cursos em casas de socorro espiritual, e com os socorridos muito aprendeu.

Nos dias atuais continua a se dedicar à filosofia espiritualista, adaptando as palestras para textos escritos.

Possui várias obras editadas e ganhou prêmios literários.

Contatos:
Email: [email protected]
Site: nossosliteratos.blogspot.com
Facebook: vanderluiz.rocha
Instagram: @vanderluizrocha
Instagram: @vanderluizrocha
Youtube:
Vander Luiz Rocha