Convivendo Psicologia

O que é ressignificação?

Em algum momento da sua vida, você já deve ter tentado enxergar acontecimentos passados e presentes de uma forma mais agradável, proveitosa, tirando lições para seguir em frente com a mente, as emoções e o coração em paz. É praticamente disso que se trata a ressignificação.

Pode parecer mais um termo da moda, que não tem tanta importância, dada a enxurrada de conceitos de autoajuda que vemos por aí. Mas ressignificar vai muito além do modismo, é essencial para que possamos curar nossas feridas internas e evoluir.
Neste artigo, vamos desvendar tudo sobre esse processo tão importante em nossas vidas, especialmente nos dias atuais, em que nossas emoções estão sendo cada vez mais trazidas à luz.

O significa ressignificar?

O termo “ressignificar” é a junção do prefixo “re” (que indica repetição, reforço) e do verbo “significar”. Sendo assim, podemos concluir que “ressignificar” quer dizer “dar outro ou um novo significado” a algo ou alguém.

Peças de quebra-cabeça dispersas.
towfiqu barbhuiya / Canva

No sentido que costumamos usar, ressignificar é nada mais que dar outro significado para as experiências que já vivemos, para que possamos encarar o passado sob uma nova perspectiva. Isso porque não há como voltar no tempo e corrigir os nossos erros, curar nossos traumas. Mas dá para olhar para eles com mais empatia e indulgência.
E é basicamente sob esse ponto de vista que a Psicologia trabalha a ressignificação.

Ressignificação na Psicologia

A ressignificação é bastante utilizada nos processos terapêuticos, na busca de transformar a nossa percepção sobre nossos sentimentos. Ajuda a entendermos as nossas próprias emoções, aceitar que aquelas consideradas “ruins” fazem parte da vida e precisam ser elaboradas. Por exemplo, a raiva: não se trata de evitar senti-la, mas sim, de saber lidar com ela.

Podemos ressignificar até mesmo um evento passado, que tenha sido ruim e traumático, em algo construtivo, em aprendizado. Ressignificar nos ajuda a elaborar as dores emocionais geradas por esse evento. É como se pudéssemos recatalogar o que vivemos no passado para organizar as nossas emoções presentes e futuras.

As principais abordagens da Psicologia trabalham a ressignificação como forma de lidar com emoções e experiências desagradáveis, cada uma à sua maneira. Vejamos como funciona cada linha teórica, nesse sentido.

Psicanálise

Certamente essa é a abordagem psicológica mais conhecida do público geral. O objetivo da psicanálise é que a pessoa tenha consciência de seus pensamentos e comportamentos.

Falar sobre os próprios problemas, que estão arraigados na nossa mente, é uma forma de se libertar deles. Isso porque, quando os trazemos ao consciente, conseguimos resolvê-los.

Uma mulher alcoólatra se olhando no espelho.
Motortion de Getty Images / Canva

A ressignificação nos traz os “traumas” do passado, de forma que possamos encará-los sob outra perspectiva. Como característica da psicanálise, há pouca interferência do profissional, permitindo que o próprio paciente, por meio da fala, consiga identificar o que está acontecendo com ele e o que pode fazer para se transformar e sair do problema.

Psicologia Humanista

A abordagem humanista defende que o comportamento humano não é um mero conjunto de estímulos e respostas. O indivíduo consegue determinar seu próprio comportamento, não se limitando a ser um refém dos seus impulsos inconscientes.
Para essa linha da Psicologia, todos estamos em busca da autorrealização e somos capazes de encontrar um significado para transpor as dificuldades.

O profissional, nesse caso, cria um ambiente favorável para que o paciente se desenvolva e identifique seus potenciais, tendo em mente que pode melhorá-los.

Terapia cognitivo-comportamental

A Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) é um método terapêutico muito popular que possibilita que o indivíduo compreenda como a realidade pode impactar suas emoções, e como estas podem influenciar seus comportamentos. Dessa forma, é possível aprender a lidar com os sentimentos e mudar os pensamentos disfuncionais.

Na TCC, o paciente é auxiliado a recuperar a visão de mundo que ele tinha antes de entrar no modo “autodestruição”. A ressignificação vem por meio da capacidade de reconhecer como os pensamentos disfuncionais acontecem, utilizando-se de técnicas que ajudam a evitar que eles se formem, substituindo-os por outros mais adequados.

Gestalt-terapia

A Gestalt-terapia é uma abordagem terapêutica que defende a sintonia entre sentir, pensar e agir. Ela ajuda o paciente a saber usar suas emoções e sentimentos, promovendo novas formas de olhar para a vida – isso envolve explorar novas possibilidades e fazer novas escolhas.

Um boneco de madeira (representando o "todo" da teoria Gestalt).
Massonstock de Getty Images / Canva

Por meio da Gestalt-terapia, o indivíduo entra em contato com os fenômenos e as pessoas de maneira ativa e afetiva, o que lhe permite ressignificar criativamente a própria experiência de vida.

Existem várias outras abordagens, e certamente cada uma irá contribuir efetivamente para que ressignifiquemos qualquer aspecto de nossa existência. Mas você pode buscar um novo significado para a sua vida de uma maneira geral, independentemente de ter um problema do passado ou um problema emocional específico. É sobre isso que vamos falar a seguir.

Ressignificar a vida

Você pode buscar um novo propósito de vida, dar a si mesmo a oportunidade de transformar algo ruim em uma coisa positiva, como ressignificar a dor, ressignificar traumas e criar um novo sentido para seu lugar no mundo.

É preciso que comecemos a refletir sobre pensamentos e posturas que nos limitam e nos impedem de enxergar as coisas sob novas perspectivas, embarreirando a nossa capacidade de superação. Mas como fazer isso? Como ressignificar crenças limitantes?

É preciso, primeiramente, reconhecer que elas existem e as implicações delas em nossa vida. Temos que mudar o pensamento, partir para a ação, e então desafiá-las e reformulá-las.

Fazendo as pazes com o passado

Para que possamos seguir com uma vida nova, precisamos entender como ressignificar sentimentos, devemos perdoar o nosso eu do passado, olhar para o que nos feriu e tentar entender que, embora sejamos resultados de nossas ações pregressas, não somos mais reféns daquilo que nos subjugava e nos fazia sofrer. Vida nova implica ressignificar o passado, antes de mais nada.

Temos que buscar perdoar também as pessoas que, de alguma forma, nos magoaram. Seja um amigo, um conhecido ou mesmo um amor que saiu de nossas vidas. Sim, precisamos ter espaço até para ressignificar um grande amor perdido.

Um homem segurando uma esfera que muda a sua ótica do mar.
Sindre Strom / Pexels

Somos protagonistas de nossa própria história, então cabe a nós saber administrar a forma como seremos afetados pelos acontecimentos.

Mesmo quando somos “atropelados” por eventos que independam de nossa vontade ou ação, é necessário saber lidar com as emoções. Claro que há casos em que é extremamente difícil manejar isso sozinho, como a perda de uma pessoa querida, por exemplo. Nesse caso, pode ser necessária ajuda profissional para aprendermos a superar e ressignificar o luto. Contudo, até nesse processo, cabe a nós a tomada de decisão para buscar essa ressignificação.

Dicas para praticar a ressignificação

Como dissemos mais acima, é preciso que a decisão de buscar esse novo sentido para a vida precisa partir de nós, mesmo que alguns casos demandem ajuda especializada. Mas, se você quer começar já a ressignificar a sua vida, separamos algumas dicas úteis e fáceis de seguir. Acompanhe!

Analise o problema

Muitas vezes, você pode não saber exatamente a causa do problema, mas é sempre bom registrar tudo que sabe acerca dele, para que consiga analisar o que ele provoca em você, como reage e os gatilhos para o surgimento dele. Assim, poderá variar as perspectivas sobre esse problema.

Treine seus pensamentos

Pensamentos são “alimentados” em nossa mente. Se você fomenta pensamentos disfuncionais, então consegue produzir pensamentos positivos.

Uma mulher sorridente segurando flores à altura dos seus olhos.
Izabel17 de Getty Images / Canva

Toda vez que uma emoção ruim começar a te dominar, treine sua mente, direcionando-a para pensamentos afirmativos.

Não se cobre tanto

Não se pressione a conseguir resultados de uma hora para outra. Isso pode ser o caminho mais curto para a desistência ou mesmo o estímulo a pensamentos limitantes. Vá com calma e seja realista.

Evite reclamar

Reclamar é uma armadilha cruel. Além de nos estagnar, esse hábito atrai ainda mais negatividade (uma reclamação puxa a outra, e assim por diante).

Foque o presente

Já dizem por aí que só temos o hoje como garantido. Não podemos voltar no tempo para corrigir os erros, mas podemos olhar para esses erros de uma forma diferente: o que eles hoje significam para nós? De que forma iremos lidar com eles, hoje, para seguirmos em frente? Não fique preso no tempo, assimile tudo como um grande aprendizado.

Analise o momento de sua vida

Uma mulher pensativa olhando para cima.
Cristian Rojas / Pexels

Avalie tudo que acontece na sua vida no momento, em todos os aspectos. O que está te incomodando? O que você gostaria de mudar? Quais crenças estão te limitando? Pense nos possíveis caminhos para solucionar isso. Olhe por todos os prismas.

Busque autoconhecimento

Por último, mas não menos importante, procure se conhecer todo dia. Se você consegue entrar nesse processo, fica mais fácil identificar suas emoções, para saber as melhores maneiras de reagir.

Há uma série de outras dicas e estratégias para que você seja bem-sucedido no seu processo de ressignificação – busque sempre mais informações.

Começar algo novo é desafiador, e pode até mesmo ser um tanto assustador. Mas você vai ver que vale muito a pena olhar a vida sob novas perspectivas, entender que seu passado não pode – nem deve – te assombrar e que sua história precisa ser respeitada.

Você também pode gostar

Graças a ela, você chegou até aqui. Entretanto, é hora de seguir em frente e fazer as pazes consigo mesmo! É libertador!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br