Convivendo

Outra face da maternidade

Márcia Leite
Escrito por Márcia Leite
Desta vez, busquei uma forma diferente de retratar uma maternidade da qual não se fala: aquela em que as filhas, que não tem filhos, assumem os cuidados dos que as colocaram no mundo. Às vezes, enfrentam as mesmas dificuldades da criação das crianças, com a diferença que os adultos já conhecem o mundo e a vida, e têm outras perspectivas de como se comportar.

Para mostrar este outro lado, colhi o depoimento de uma pessoa muito próxima, que cuida de meus pais e tia, dando atenção direta, por viver junto deles, atendendo mais rapidamente as suas necessidades. Para tanto, abriu mão de várias prioridades, inclusive da geração dos próprios filhos.

Não tive como intervir no texto, por isso o divulgo na íntegra, para que ele não perca a essência.

Não fui mãe por opção de muitos… muitos fatores. Não encontrei a tempo o pai que queria para os meus filhos. Eu o conheci já tarde e, na época, não tivemos um relacionamento com a base sólida que eu almejava para constituir família. Também nunca sonhei com a maternidade de forma “avulsa”, ou seja, primeiro eu precisaria ter o marido certo, que seria o pai ideal, e um lar para começar a considerá-la com afinco. Mas, sim, sonhei algumas vezes com isso. O instinto feminino do cuidado não permite que nos privemos desse desejo. Graças a Deus. Sem ele, considero que o mundo se tornaria de vez uma grande guerra.

Então, cuidar é o que nos move. A mulher geralmente se identifica com essa função, e ainda por cima abre os braços para tudo o que pode estar sob seus cuidados, acumulando funções e ampliando o conceito de cuidar. Por isso, saiu da esfera da atenção aos filhos, ao marido e ao lar para envolver também a estética (em detalhes), os estudos, a carreira, as metas da empresa, a militância, a vida social. Preferimos que nada nos escape.

No meu caso, que não tive filhos, estudar, trabalhar e viajar surgiram de cara como sonhos de juventude, que alimentariam um ao outro. Mesmo assim, cuidar não foi assunto tirado da pauta. A terceira idade chegou para meus pais e, com ela, a esperança para o instinto maternal atuar veio na esteira. Ocupar-me das necessidades deles é um caminho natural e bem-vindo, mesmo que de forma discreta num primeiro momento.

Qualquer coisa que se faça em retribuição a que os pais fizeram para nós sempre será pouco. Presença, um pouco de tranquilidade financeira e substituição gradual nas tarefas, que outrora eles desempenharam, estão compondo um pouco do que eu teria sido como mãe. Um pouco… porque acredito que só quem criou seus filhos nutrindo a perspectiva de que eles serão seus dependentes desde o primeiro contato até ad infinitum (e abraçou, feliz, esta causa) sabe realmente o que é ser mãe.”


Você também pode gostar de outros artigos da autora. Acesse: Cozinhando em família

Sobre o autor

Márcia Leite

Márcia Leite

Graduada em Farmácia e atualmente estudante da área de Humanas, mostro interesse em diversos temas. Incomodada com questões sociais e que mexem com a convivência e a saúde das pessoas.