Comportamento Maternidade Consciente Sustentabilidade

Tudo sobre fraldas ecológicas

123RF - Direitos autorais: Sergii Molodykov
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você se lembra da animação para o cinema Wall-E (2008), que retrata o planeta Terra coberto de lixo e os habitantes morando numa nave gigantesca? Há muitas décadas as questões ambientais são assuntos essenciais a serem repensados e tratados, para a manutenção da vida atual e vindoura.

Organizações Não Governamentais, Instituições e Governos defendem políticas e estratégias globais para proteger o meio ambiente e gerar sustentabilidade. A conscientização é um recurso para que ações individuais sejam adotadas e se transformem numa conduta mundial convergente para esses grandes objetivos.

Refletindo sobre ações locais, uma questão que vem ganhando força na atualidade é a quantidade e a perenidade do lixo gerado com materiais descartáveis, incluindo as fraldas. Para estas, já temos a retomada da sua ideia original, as fraldas confeccionadas com tecido, conhecidas por fraldas de pano.

Mais modernas do que as usadas por algumas mães e avós que conhecemos, as fraldas de pano estão mais desenvolvidas tecnologicamente — são as chamadas fraldas ecológicas. Veja as informações a seguir!

O que são as fraldas ecológicas

Fraldas ecológicas são as fraldas de pano desenvolvidas para dar conforto aos bebês, segurança às mães contra vazamentos de urina e de fezes e na prevenção de assaduras e dermatites de contato. São mais modernas e mais práticas, com muito menor impacto ambiental do que as fraldas descartáveis.

Elas são confeccionadas com tecidos de alta tecnologia e com ajustes na própria peça para acompanhar as fases de crescimento da criança. Reutilizáveis, são compostas de duas partes que permitem ao mesmo tempo impermeabilidade e “respiração” ao bumbum do bebê.

Imagem de fraldas ecológica de várias cores como: branca, amarela, laranja, verde e azul.
Foto por PublicDomainPictures no Pixabay

As fraldas ecológicas podem ser utilizadas durante o dia, à noite, na praia e na piscina, são muito versáteis e mais econômicas, pois desde o nascimento até o desfralde, por volta de dois anos e meio, a criança vai utilizar em média somente 30 fraldas (seis trocas diárias) e poderão ser aproveitadas por outras crianças.

O aspecto mais positivo das fraldas ecológicas é atender ao conceito de sustentabilidade, pois ainda que a produção dos insumos tenha impacto na natureza, o descarte delas é muito menor em relação às fraldas descartáveis atuais, que já constituem 2% do lixo produzido no país.

Segundo uma das fabricantes de fraldas ecológicas, a “Nós e o Davi”, são necessárias para seis trocas diárias, em média 5.500 fraldas descartáveis para um bebê, durante os primeiros anos de vida. Calcule isso no país e no mundo!

Do que são feitas as fraldas ecológicas?

As fraldas ecológicas são impermeáveis, feitas com duas camadas de tecido, que podem ser do tipo Dry Fit, de Soft ou de algodão orgânico. Dentro das fraldas ecológicas, numa espécie de bolso é inserido um absorvente, para reter a umidade, também de tecido. Caso ela seja do modelo que não possui o bolso, o tecido absorvente é costurado à parte interna da peça.

Entenda os tecidos:

Dry Fit é um tecido de microfibra (fibra muito fina, mistura de elastano com poliamida e/ou poliéster), marca registrada da Nike. É muito utilizado na confecção de roupas para esportistas, porque o líquido se espalha na superfície, entra em contato com o ar e evapora rapidamente. Nas fraldas ecológicas, ele contribui para que elas se mantenham secas.

A mesma tecnologia é utilizada pela Adidas, com o tecido ClimaCool, e pela Reebok, com o Play Dry.

Imagem de uma pilha de fraldas ecológicas de diversas cores e estampas sobre um armárdio de madeira prontas para serem usadas.
Foto por Pamela Kiefer no Pixabay

O Soft é um tecido sintético de poliéster, com textura macia e aveludada, que não retém umidade e garante que a pele do bebê irá respirar. É muito útil e utilizado nas fraldas ecológicas.

O Algodão Orgânico é produzido sem o uso de agrotóxicos e pesticidas, colaborando nas questões de preservação do solo, do ar, da água e dos seres vivos. Na composição do tecido é utilizado o poliéster (num percentual muito baixo), para manter a durabilidade e a resistência necessárias às fraldas ecológicas.

Um pouco de História

As fraldas já foram de musgo, de grama, de pele de coelho, de algodão, de linho e de flanela, em outras épocas.

Na década de 1950, a americana Marion Donovan, criou o “Boater”, fralda descartável de pano, na qual “paninhos” de algodão eram inseridos e ajustados à uma abertura interna da peça, com base de capa impermeável produzida com sobras de plástico de cortinas de banheiro. Mais tarde, ela substituiu os “paninhos” por folhas (15 a 25 delas) de papel tissue*, envolvidas numa película plástica para dar proteção.

A norte- americana Procter & Gamble (P&G) já produzia os primeiros absorventes femininos, que acabaram inspirando as fraldas descartáveis atuais. O primeiro desenho foi desenvolvido pelo engenheiro químico Vic Mills, que a chamou de Pampers (Mimadores) e chegou ao mercado em 1959.

O sucesso do modelo começou a partir de 1961 e embora não exigissem o uso de alfinetes, ele dependia do uso de fita crepe. Passou ao longo das décadas por inovações, até chegar ao que conhecemos atualmente, com a facilidade das fitas adesivas e do tipo velcro na própria peça.

Imagem de fraldas ecológicas de várias cores dispostas em formato de círculo.
Foto por PublicDomainPictures no Pixabay

No Brasil, as fraldas descartáveis chegaram em 1975, fabricadas pela Johnson & Johnson e são tão comuns que tornaram o país o terceiro do mundo que mais consome esse tipo de produto. Elas têm preços variados, dependendo do tipo, do tamanho e do fabricante e não são muito acessíveis.

Há uma tendência mundial de envelhecimento da população, não sendo diferente para o Brasil, o que sinaliza a possível necessidade de fraldas descartáveis por idosos, aumentando a produção, o consumo e o descarte e, portanto, os impactos ambientais.

*O papel tissue é produzido a partir de fibras virgens ou recicladas de celulose (extraídas de árvores). São resistentes, absorventes e suaves. Dada a espessura muito fina, é necessário unir várias camadas para obter o produto final, aplicado principalmente ao uso higiênico, como é o caso de toalhas de papel, lenços de papel, absorventes higiênicos e outros. O consumo é crescente devido à elevação nos padrões de vida e de higiene da população mundial.

Como são as fraldas ecológicas?

As fraldas ecológicas migraram do modelo das fraldas de pano tradicionais para o que se parece mais com uma fralda descartável, inclusive mantendo o formato. Dois modelos coexistem no mercado. São eles:

Fraldas Ecológicas “Pocket”

Elas possuem o formato de uma fralda descartável, porém com um bolso interno, onde são inseridas faixas absorventes que irão reter os líquidos. Os absorventes são avulsos, também confeccionados em tecido e substituídos nas trocas ao longo do dia e da noite. Eles devem ser preferencialmente de algodão e algumas mães os substituem pelas fraldas comuns de pano. A parte externa é impermeável, não necessitando de calça plástica. O ajuste é feito por velcro ou por botões plásticos de pressão.

Fraldas Ecológicas “All in One” (AIO)

Esse modelo integra a capa e o absorvente numa peça única e a cada troca, todo o conjunto é substituído. Essas fraldas ecológicas são completas e as mais parecidas com as fraldas descartáveis convencionais. São as mais caras e demoram mais para secar. A facilidade está no tempo reduzido nas trocas, mas exige maior quantidade de peças. Uma camada interna de absorvente é costurada a uma camada externa impermeável. O modelo possui fecho ajustável por velcro ou por botão plástico de pressão.

As fraldas ecológicas têm elástico na parte traseira da cintura e nas pernas. Podem ser compradas no tamanho Único, pois vão se adaptando, a partir dos ajustes de velcro ou botões ao tamanho da criança. Alguns fabricantes produzem as fraldas de acordo com o pedido das mães, que podem escolher o tipo de tecido, além de cores e estampas.

Uma fralda ecológica, dependendo do modelo e do material empregado varia de preço entre R$45,00 e R$90,00 (julho de 2020).

Imagem de uma pilha de fraldas ecológicas prontas para serem utilizadas.
123RF – Direitos autorais: Peter Vrabel

Os absorventes, podem ser comprados de forma avulsa e custam entre R$10,00 e R$20,00 cada um (julho de 2020). São utilizados no modelo AIO.

Algumas mães optam por usar, sobre os absorventes, uma folha biodegradável, à base de milho ou de bambu para proteger o bumbum do bebê e a própria fralda. É bem opcional. Em média, o pacote com 100 ou um rolo custa entre R$48,00 e R$100,00.

É possível encontrar as fraldas ecológicas e os absorventes (também chamados de refis) em kits mais baratos.

Como se usa a fralda ecológica?

Com o objetivo de ajustar bem as fraldas ecológicas ao bebê e permitir que elas tenham alta durabilidade e eficácia, veja como usar:

Lave as fraldas ecológicas antes do uso, somente com água. Isso a tornará mais absorvente. A máxima absorção deverá ocorrer após a quarta lavagem.

Para o modelo “Pocket”, abra a fralda ecológica, deixando a parte impermeável para baixo e insira o absorvente no bolso, ajustando de forma que ocupe todo o espaço e fique bem liso. Se quiser mais um absorvente, coloque-o sobre o bolso. Nesse ponto você ainda pode incluir por cima, um papel biodegradável, à base de milho ou de bambu. Ele dará proteção à fralda e com um cocô mais durinho, é só retirá-lo juntando as pontas e descartá-lo. Ele não agride o meio ambiente, mas o uso é totalmente opcional.

Imagem de duas pilhas de fraldas ecológicas. Uma pilha é de fraldas brancas e a outra é de fraldas coloridas.
123RF – Direitos autorais: Katarzyna Wojtasik

Coloque o bebê sobre a fralda ecológica aberta, de forma que o lado dos botões ou velcros fique para cima, passando entre as pernas do bebê. Prenda com os botões ou velcros uma das laterais, já ajustando bem, sem apertar. Repita a operação para a outra lateral.

Ajuste os botões ou os velcros das pernas, sem deixar as partes internas da fralda ecológica aparecerem. Não deixe os elásticos apertados, somente justos.

Certifique-se de que a fralda ecológica está ajustada ao bumbum, à cintura e às perninhas do bebê.

Para retirar a fralda ecológica suja ou molhada:

Se for o modelo “All in One” é só abrir os botões ou os velcros e retirar.

Se for o modelo “Pocket”, abra os botões ou os velcros, retire a fralda, preferencialmente puxando da cintura para baixo, de forma que o bumbum e as pernas fiquem livres dela.

Retire o(s) absorvente(s), procedendo com os primeiros cuidados de higienização.

Certifique-se de que a fralda não esteja suja ou molhada. Reinicie o processo de troca.

Como cuidar das fraldas ecológicas?

As fraldas ecológicas podem durar muito. Alguns cuidados devem ser adotados. Saiba como proceder:

Descarte as fezes, preferencialmente no vaso sanitário.

Elimine o excesso de resíduo com lavagem superficial, que pode ser a limpeza com água corrente sobre o tecido.

Coloque de molho, antes da lavagem definitiva. O molho pode ser feito na pré-lavagem da máquina de lavar roupas, assim como a lavagem em si, o que facilita o processo. Caso as fraldas ecológicas sejam reservadas para lavagem posterior, elas deverão ser armazenadas num balde com tampa ou com tela.

Use um detergente suave, sabão de coco ou biodegradável, sem fosfatos e com o mínimo de aditivos ou substâncias químicas ou ainda, use a metade da quantidade de detergente indicada nas lavagens à máquina.

Utilize água quente para tirar manchas ou resíduos de sabão, mas não ferva as peças, pois os tecidos sintéticos poderão ser danificados. É possível deixar no molho ao sol, com sabão de coco, até agir e em seguida lavar normalmente.

Imagem de uma pilha pequena de fraldas ecológicas sobre uma mesa de madeira.
123RF – Direitos autorais: Aleksey Tkachev

Evite o uso de vinagre, ou bicarbonato de sódio, nos molhos ou nas lavagens, pois diminuem a vida das fraldas ecológicas.

Utilize uma tampinha de álcool na máquina para desinfetar as fraldas ecológicas e retirar os resíduos e a oleosidade que se acumulam na peça com o uso.

Elimine o uso de alvejantes, amaciantes ou qualquer outro aditivo químico.

Seque as fraldas ecológicas à sombra e ao ar livre, evitando, se possível, a secagem à máquina.

Passe a ferro morno as peças para completar a higienização e a preparação para o próximo uso. Alguns fabricantes desaconselham passar as peças a ferro.

Quais as melhores fraldas ecológicas?

No mercado há vários fabricantes de fraldas ecológicas, mas na hora de escolher as melhores para o bebê, a avaliação será pela eficiência, pelo conforto dele e em função do próprio orçamento familiar, porque algumas são importadas e custam mais caro. Dê preferência às marcas nacionais!

Seguir alguns critérios, auxiliam na decisão. Encontre abaixo:

Tamanho — é possível comprar as fraldas ecológicas em tamanhos que variam do RN (recém-nascido) até o GG, porém o tamanho único é a forma mais econômica e veste os bebês de 2,7 Kg até 17 Kg, tendo em média oito opções de ajuste.

Material de fabricação — é o tipo de tecido das fraldas ecológicas que irá garantir conforto ao bebê e eficiência. A parte interna deve ser em tecido respirável, macio e antialérgico. Na parte externa, ou na capa, ele deve ser de poliamida, poliuretano ou poliéster, para ser leve, resistente e impermeável.

Fechamento — o fechamento de velcro nas fraldas ecológicas é muito fácil, mas a melhor opção é pelo de botão, porque é mais seguro, prático e resiste mais às lavagens à máquina. O importante é que a fralda fique bem ajustada para evitar vazamentos.

Tipo de absorvente — pode ser que o absorvente não esteja incluído na compra da fralda, mesmo que o modelo necessite, sendo comprado avulso. O mais eficaz de todos quanto à absorção é o de carvão. Outros materiais são a microfibra e o bambu, também eficazes na absorção. Quanto ao contato com a pele do bebê, somente a microfibra deve ser evitada. Sendo de aba mais larga, ele vai proporcionar maior extensão de absorção, fator importante na escolha.

Fraldas ecológicas na vida moderna dos pais

A realidade é que grande parte das famílias que compra as fraldas descartáveis é composta de mães e pais que trabalham fora e deixam o bebê aos cuidados de outras pessoas da confiança ou em creches e berçários, encontrando o despreparo e até o desconhecimento no uso das fraldas ecológicas.

Outra questão é o tempo e o trabalho envolvidos na adoção dessas fraldas, com cuidados que não são de fato, congruentes com a agitação da vida moderna, exigindo um verdadeiro desejo de contribuir para a gestão do impacto ambiental e uma organização familiar bastante aperfeiçoada, principalmente até se adquirir prática ou durante o puerpério.

Imagem de duas pilhas de fraldas ecológicas para serem guardadas na gaveta do guarda roupa do bebê.
123RF – Direitos autorais: Olegdudko

Vantagens do uso das fraldas ecológicas

É importante considerar, que as dificuldades iniciais de adaptação dos familiares às fraldas ecológicas podem ser muito minimizadas pelas vantagens do seu uso.

Economia — o custo inicial na aquisição das fraldas ecológicas é maior, entretanto, em aproximadamente dois anos e meio com seis trocas diárias, elas custarão quatro vezes menos do que suas concorrentes, as fraldas descartáveis.

Saúde — as fraldas ecológicas não possuem substâncias químicas na sua composição. Reduzem drasticamente a incidência de dermatites de contato, assaduras e vermelhidões e ainda dispensam o uso de cremes e pomadas.

Facilidade — elas podem ser lavadas na máquina de lavar roupas e para alguns modelos, basta substituir a parte absorvente, não havendo a necessidade de lavar repetidas vezes a peça toda.

Durabilidade — as fraldas ecológicas são resistentes e duram por muitos anos, passando para o uso de outras crianças.

Sustentabilidade — como o próprio nome já diz, elas são ecológicas, gerando menos impactos ambientais, mesmo com o consumo de água das lavagens e o de energia elétrica devido ao ferro de passar. Elas reduzem a produção de lixo não biodegradável, além dos resíduos e substâncias resultantes da cadeia produtiva.

Beleza — por serem confeccionadas em tecido, as fraldas ecológicas têm estampas e cores variadas, podendo ser coordenadas com o vestuário do bebê.

Desvantagens do uso de fraldas ecológicas

Tempo — as fraldas ecológicas, principalmente quando ainda não se tem prática e dependendo do modelo, demandam mais tempo para efetuar as trocas e exigem disponibilidade dele para a higienização, enquanto as descartáveis são simplesmente inseridas no cesto de lixo.

Processo de higienização — um pouco mais longo, exige etapas manuais para a conclusão e armazenamento diferenciado das peças sujas.

Odor — diferentemente das descartáveis que possuem produtos químicos para suavizar o cheiro, as fraldas ecológicas são naturais e o odor tende a ser facilmente percebido.

Peso — como as fraldas ecológicas são menos compactas e todo o material que as compõem é tecido, elas são mais pesadas do que as descartáveis.

Uso fora de casa — elas acompanham os bebês aos passeios, porém, na necessidade de troca, os pais terão que acondicioná-las num protetor plástico ou numa sacola impermeável, pois as fraldas ecológicas terão que voltar para a casa. O mesmo vai ocorrer com as partes absorventes avulsas, se for o modelo.

Imagem de uma fralda ecológica sendo segurada por uma mão masculina.
Foto por Mahesh Patel no Pixabay

Quanto tempo as fraldas ecológicas duram?

Mantendo os cuidados de lavagem e uso das fraldas ecológicas, o tempo de vida útil é bem longo, podendo se estender ao uso de outras crianças, por muitos anos.

Uma estimativa aponta que elas duram pelo menos o período de três desfraldes, o que daria em torno de oito anos, mas depende da frequência de lavagens.

Segundo a fabricante “Nós e o Davi”, uma única fralda ecológica resiste a cerca de 800 lavagens, o que representa uma vida longa e uma economia extraordinária.

As fraldas descartáveis e as fraldas ecológicas

Em função da composição, a fabricação das fraldas descartáveis envolve recursos como árvores para a produção de polpa de celulose, petróleo (fonte não renovável de energia) do qual são obtidos polímeros sintéticos (plásticos) aplicados à absorção e retenção de líquidos, polipropileno e polietileno que compõem fitas, elásticos e adesivos, além de produtos químicos como o cloro, usado como branqueador, que vêm sendo pesquisados quanto aos prejuízos para a saúde dos bebês, bem como os impactos ambientais dos detritos e das substâncias residuais geradas durante a cadeia produtiva até o consumo final.

O tempo que uma fralda descartável leva para se decompor nos aterros sanitários é de 500 anos, em média. As fraldas descartáveis já representam cerca de 30% do lixo não biodegradável mundial, com imenso impacto ambiental. Fraldas híbridas e fraldas descartáveis biodegradáveis vêm sendo aperfeiçoadas, mas há questões relativas ao preço final e ainda aquelas que envolvem a cadeia produtiva que não foram solucionadas.

Embora as fraldas ecológicas também envolvam em seu processo produtivo recursos como plantio de algodão, uso de polímeros (elástico e tecidos à base de poliéster, elastano e poliamida), energia combustível e água, entre outros, que geram impacto ambiental, este tende a ser muito menor, principalmente no que se refere à contenção do consumo e ao descarte mais inteligente.

Você também pode gostar

Sugestões

Não há alternativa sem impacto para a natureza quanto ao uso de qualquer tipo de fralda, porque a produção e a logística envolvem insumos necessários ao produto final até ele chegar ao consumidor, com tantas implicações e variáveis, que escolher a fralda a ser adotada para os filhos, se torna bem complexo, considerando uma opção ecológica e consciente.

De qualquer forma, manter o comportamento atual não é apropriado, principalmente considerando as questões relativas ao aumento do consumo e à produção crescente de lixo não reciclável e não biodegradável.

Por enquanto, um bom começo pode ser adotar uma versão mista, com a criança usando fraldas ecológicas na maior parte do tempo, em casa, e utilizar as fraldas descartáveis fora de casa, por exemplo num passeio, de forma a reduzir o consumo e o descarte dessas últimas. Vale lembrar que as fraldas ecológicas quando tiverem que ser descartadas irão se decompor em aproximadamente seis meses.

Há que se pensar na adaptação do bebê e dos familiares para o uso das fraldas ecológicas, privilegiando o que é benéfico e prático no cotidiano, porém a consciência sobre como estará o planeta para essa e outras gerações é uma questão crucial e de imediata ação colaborativa, porque morar numa grande nave, fora da Terra, é mesmo ficção. Adotar as fraldas ecológicas para os filhos é um ato de amor presente e futuro! Reflita sobre isso e junte-se à essa causa. Adote uma postura de respeito à vida de todos!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]