Relacionamentos

Seu melhor amigo é o seu amor!

Casal enrolado em um cobertor no foco com mulher sorrindo e homem com cabeça apoiada no cabelo dela
Izabella Procópio
Escrito por Izabella Procópio



Sabe aquela expressão bem batida: “Meu melhor amigo é o meu amor!”? Tem total fundo de verdade!

Pois é por meio de uma boa amizade que tudo começa. Não falo aqui das amizades coloridas, ok? Já que esse tipo de amizade é curtição em comum acordo! O nome é bonitinho só para indicar uma proximidade que não existe.

Mas que boa amizade é essa? Simples!
Conhecendo o outro e conhecendo-se… compreendendo o outro e compreendendo-se! Trocar confidências… profundidades da alma… enlaça uma relação de forma muito forte… criando amor e não paixão.

Mãos dadas no foco com paisagem de campo e pôr-do-sol de fundo

Para a biologia do amor acontecer é necessário, durante os vários papos a dois, não falarem ou instigarem assuntos para encamparem o lado sexual. Pois se isso acontecer, o caminho da conquista será outro… será apenas o carnal, e o envolvimento irá ser rápido e fulminante. Afinal… nem dará tempo de chegar a ocitocina (hormônio neurotransmissor do amor). Mas quando a ocitocina se instala não é difícil de notar, pois a tranquilidade é perceptível em relação aos sentimentos da paixão. Aqui o casal já trocou segredos e seus jeitos. Um aceita o outro como de fato é. É a ocitocina entrando em ação e ajudando a criar intimidade, confiança e um relacionamento mais saudável. Ou seja, o cultivo da ocitocina é essencial para originar laços fortes e melhorar as interações sociais.

E quanto mais compatibilidade um casal perceber que possui no entorno da conquista, mais atração ocorrerá, mais dopamina e serotonina (hormônios neurotransmissores do bem-estar) serão lançadas dia a dia e a chance de darem certo juntos será imensa. Pois a vontade de estar perto um do outro, de compartilharem as mesmas coisas que gostam, de dividirem pensamentos em comum é totalmente prazerosa. E os conflitos provenientes das pequenas diferenças também serão bem menores.

Casal de costas sentados em montanha com por-do-sol ao fundo

Se todos entendessem isso… experimentassem… sem sentir medo da inteireza do outro… não focariam no sexo logo de cara. O sexo, como costumo falar, é apenas a cereja do bolo! E o fazer do bolo? Cadê? Dá trabalho, não é? Dá! E quem disse que conhecer alguém inteiro é fácil? No mínimo… é abandonar a fantasia do “amor romantizado” e dar de frente… não com príncipes e princesas… não com sapos e sapas… mas com pessoas… seres humanos cheios de limitações e imperfeições.


Você pode se interessar por outro artigo da autora. Veja: Por que são poucas as pessoas que sentem prazer pela conquista?

Sobre o autor

Izabella Procópio

Izabella Procópio

-Bacharelado em Enfermagem pela UFAL
- Professional Self Coaching com titulações internacionais, Certificações pelos cursos de Coaching Ericksoniano, Master Coach e de Pós-Graduação em Psicologia Positiva, pelo Instituto Brasileiro de Coaching - IBC;
- Hipnoterapeuta Ericksoniana pelo ACT Institute, com o Dr. Paul Adler;
- Jornalista especialista em comunicação corporativa, pela empresa MEGA+;
- Palestrante e criadora do projeto "As 8 chaves para abrir o coração";
- Escritora desde sempre.

Contatos:
Email: [email protected]
Facebook: pensantecoracao
Instagram: @coracao.pensante