Autoconhecimento Comportamento

Somos mandalas orquestradas

Mulher em prática meditativa em ambiente externo e solar, além de montanhoso.
franz12 / 123RF
Escrito por Patricia Carvalho

Coerência e afinação para dias integrados

Nossa conversa desta edição traz a chamada para reflexões sobre a autoria que temos buscado em nossas vidas. Não se trata de protagonizar, e sim conceber nossa escrita vivencial neste ciclo, nesta passagem.

Mergulhados numa era em que o cardápio de paradigmas parece ser infindável, esquecemo-nos ou distraímo-nos dos chamados internos que PRECISAM de nós como canal de realização desses intentos.

Tantas vezes adoecidos, confundimos cumprimentos de agenda com propósito(s).

Dentro das ordens internas e íntimas, sabemos que nem sempre a razão que nos conduz às tomadas de decisões consegue estar em harmonia com o estado emocional que nos toma. E, nesses momentos, pensamos: “o que será a bússola ou o compasso para que eu me alinhe à jornada a ser experienciada?”.

Primeiro olhar a despertar: minha postura está coerente com minha palavra, meu sentir, meu agir?

Mulher observa mar. Seu cabelo está preso em um rabo de cavalo e ao vento.
jule / Pexels

Segundo olhar: estou integralmente presente em meus momentos? Ou fico reclamando do tempo, da bagunça, para terceirizar o descuido com meu autoacolhimento e crescimento? Ou me sento à mesa para comer com um dispositivo portátil que mais nos controla do que é controlado? Como anda a qualidade dos meus momentos sinestésicos? Eu tenho entregado meu tempo à vida ou faço tudo às pressas?

Terceiro olhar: sou eu ou é meu eu que toma as rédeas da minha vida?

Pelos resultados e pelas coletas a partir dessas questões, saberemos um pouquinho do que temos feito ou ainda não fizemos por NÓS!

O eu maior se chama consciência, e não ego!

Estamos demasiadamente literalizando nossas histórias, experiências, e isso nos afasta do simbólico, ritualístico, metafórico, filósofo e criativo. Pensando no conceito de religare com o Sagrado, espiritualmente também estamos desconectados.

Você também pode gostar

Ficamos imersos em padrões e chamados que são ditados por um coletivo inconsciente e nos esquecemos de apresentar nossas paletas que podem contribuir tão substancialmente para a construção de um cosmos mais acolhedor: o verso do Uno.

Relembre seus desejos mais simples e intrínsecos, aqueles que a partir de AGORA já podem despertar e trazer a ressonância que faz o coração dançar entre sístoles e diástoles, e converse com eles.

Vá um passo de cada vez. Do adagio ao gran finale.

Namastê!

Sobre o autor

Patricia Carvalho

Meu nome é Patricia Carvalho (Patty Carvalho) sou formada em psicologia e atuei em clínica durante alguns anos, atualmente não estou exercendo a profissão, porém o ser humano e seu poder de crescimento pessoal, emocional e espiritual ainda me fascinam; crescer e evoluir são coisas que me move.

Uma libriana, mãe de menino, que não vive sem massas (e doces) e que adora filmes e livros.

Ler é uma paixão, já escrever é um "hobbyterapia" que descobri recentemente e espero poder continuar praticando em meu benefício e de quem mais eu possa auxiliar com minhas palavras.

Blog: O Pouso da Borboleta
Facebook: facebook.com/opousodaborboletaazul2
Instagram: @o_pouso_da_borboleta
E-mail: [email protected]