Autoconhecimento

Sororidade não empática

Mulher consolando sua amiga triste.
Dulcineia Santos
Escrito por Dulcineia Santos
Existem vários tipos de sororidade: uma mais ou menos radical, uma mais fundamentada e outra menos. Hoje quero falar de uma sororidade que é muito teórica, mas que falha na hora da empatia com relação à situação de uma outra mulher. Vou chamá-la de “sororidade não empática”.

Para ilustrar, vamos dizer que Maria é sua amiga e sempre te contou sobre seu chefe, que tem um tipo de comportamento abusivo. Você sempre foi uma boa ouvinte, sempre achou um absurdo as peripécias do fulano, até que um dia é convidada para um happy hour da empresa em que Maria trabalha e conhece o tal chefe. A sororidade não empática então acontece em uma destas formas:

“Quisera eu que meu chefe fosse assim!”

Duas garotas com raiva falando seriamente sentadas em um café

É quando invalidamos a experiência da Maria com base na nossa própria.

O fato de o seu chefe ser pior do que o de Maria ou de você ganhar menos naquela posição não invalida a dor dela. Talvez você sofra tanto quanto ela, mas fale menos sobre isso. Talvez você tenha encontrado mecanismos para se defender do seu chefe.

Não importa como você lida com a sua dor, o fato é que o sujeito, para Maria, continua sendo um problema.

“Até que ele era legal.”

É quando invalidamos a experiência da Maria com base na nossa própria experiência com o chefe dela.
 O sujeito te pagou alguns drinques, perguntou sobre sua vida, te deu atenção e agora você acha que ele não é tão mau assim. Ainda que ele continue dizendo para Maria o quanto ela se veste mal na frente dos outros funcionários ou que um dia tenha batido na cabeça dela com uma pilha de papéis.

“Mas você também não é flor que se cheire!”

Amigas sentadas em sofá de sala de estar bravas uma com a outra

Quando invalidamos a experiência da Maria com base na nossa própria experiência com ela.

A Maria, como todo mundo, tem defeitos. Isso continua não dando direito ao chefe dela de ser agressivo. E a dor dela com relação àquela situação continua sendo a mesma, independentemente de você agora achar que ela merece o que recebe.

“Poderia ser pior.”

Quando invalidamos a experiência de alguém com base em comparações com a situação de outras pessoas.

Não dá pra comparar sofrimento.
Se o chefe da Júlia além de humilhá-la na frente dos outros e dar com os papéis na cabeça dela ainda a paga mal, você pode se sentir mal pela Júlia, mas você não pode dizer para Maria que a coisa não é tão ruim assim.

A dor da Maria é a soma de todos os traumas que ela teve e de suas necessidades atuais. Você nunca vai realmente saber como ela se sente dentro daquela situação, ainda que para você pudesse ser pior.

Resumindo: Empatia. Reconhecer a dor do outro como legítima. Parar de competir por sofrimento. Sororidade. Respeito.


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Uma reflexão sobre a escuta e a capacidade de ouvir

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é terapeuta multidimensional, life coach e praticante certificada da ferramenta MBTI® de tipos psicológicos e Barras de Access®. Acredita que a vida é cheia de lições, e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou Antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados pra viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:
Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group - Londres

MBTI - Myers-Briggs Type Indicator - Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation - Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum - Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra - Suíça

Access Bars®
Nyon - Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @dulci.alcock

Áudios: soundcloud.com/dulcineiasantos

Blog: medium.com/@dulcineiasantos

E-mail: [email protected]