Convivendo

Transformando umidade em água potável

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Não custa lembrar que água é vida. Aproximadamente 70% da superfície terrestre é coberta por água. Mas, água potável mesmo é apenas 3%. O Brasil, dono de uma rica bacia hidrográfica, junto com Chile, Austrália, Canadá e Rússia são países com água abundante. Quênia, Somália, Bangladesh e Arábia Saudita são países que sofrem com escassez de água.

Aquecimento global e falta d’água

O aquecimento global, ocasionada por emissões do efeito estufa pode triplicar a falta d’água no mundo. Blanca Jiménez Cisneros, diretora da Divisão de Ciência da Água da Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas (UNESCO) e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), explica que 1% de aumento da temperatura corresponde a uma queda de 20% no fornecimento de água limpa para 7% da população mundial, quase 500 milhões de pessoas. A diminuição de água sobe para 90% nas regiões áridas e semiáridas tropicais, como em algumas áreas do México, África e nordeste brasileiro.

Crise hídrica

A necessidade é a mãe das invenções. Com a crise hídrica que atingiu São Paulo surgiram algumas novidades. O engenheiro Pedro Paulino desenvolveu uma máquina que transforma o ar em água. O equipamento funciona à base de energia elétrica. O criador explica que ela não funciona quando a umidade do ar é inferior a 10%.

A “mágica” é relativamente simples. As turbinas do equipamento sugavam o ar e as moléculas são condensadas. Os filtros e raios ultravioletas purificam a água. O procedimento termina com a aplicação de sais minerais. A água já pronta para consumo vai para um reservatório.

Warka Water

Muitas pessoas trabalham para reverter a escassez de água. O arquiteto italiano Arturo Vittori criou a Warka Water, cujo objetivo da obra é ajudar a resolver a falta de água potável em comunidades na Etiópia. A torre possui 9 metros, pesa cerca de 90 quilos e foi construída em uma base com bambu e o interior forrado com uma malha plástica.

A transformação de umidade em água potável não é fruto da alta tecnologia. As fibras de nylon e polipropileno da Warka Water captam pequenas gotas de orvalho que ficam armazenadas em um recipiente na parte de baixo da torre. Uma coroa de espelhos pequenos afasta as aves para não contaminarem a água. A Warka Water coleta até 100 litros de água diariamente.

Gostaram dessa novidade? Conhecem outras iniciativas para aumentar a produção de água potável? Compartilhe suas descobertas com a gente.


  • Texto escrito por Sumaia de Santana Salgado da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]