Autoconhecimento

Uma história de escrita e autoconhecimento

Mulher segurando uma caneta e escrevendo em seu caderno ao lado de uma xícara de café
123RF/Ivan Kruk
Dulcineia Santos
Escrito por Dulcineia Santos

Ano passado lancei o livro “A Namorada do Dom”, uma biografia na qual conto um pouco sobre as lições que aprendi com os meus relacionamentos e como, de lição em lição, vim parar na Suíça.

Muitas pessoas me perguntam como é escrever um livro. A história dele começou, claro, com o meu nascimento, mas a escrita iniciou há 10 anos, quando eu estudava Antroposofia.

Uma pessoa que fez apenas um trimestre do curso, que tinha tido uma vida bem interessante por ter sido uma modelo famosa, sugeriu que trocássemos algumas histórias sobre a nossa vida depois que ela foi embora para a Austrália.

Durante o curso, resolvi que um dos meus trabalhos de final de ano seria sobre a Terapia Biográfica, em que analisamos acontecimentos de nossa vida com base nos setênios, ou ciclos de sete anos. Para isso, fiz um pouco como uma linha do tempo, na qual coloquei cada acontecimento e o sentimento relacionado a ele de forma bem simples mesmo, em uma ou duas linhas.

Caderno aberto com uma caneta em cima
Aaron Burden/Unsplash

Essas foram as duas bases que usei para escrevê-lo. Quando contratei um coach para me ajudar a organizar as ideias e colocar o livro num formato interessante, a minha ideia era só escrever sobre os relacionamentos. E ele me disse: “Você vai ter que falar sobre a sua infância para as pessoas entenderem quem é esta pessoa que aceitou todos esses relacionamentos.” Foi ali que começou o trabalho de cura por meio da escrita.

Confesso que não foi um processo fácil. Vinha fazendo tantas terapias para deixar a infância para trás, e então tinha que mexer nela de novo.

No primeiro rascunho, a leitora, meio sem graça, me disse: “Parece que você ficou com tanto medo de parecer uma vítima que não consegui perceber o que você sentiu em eventos importantes da sua vida, como quando você foi abandonada pelos seus pais.”

Aos poucos fui entendendo também que parte do meu distanciamento com a minha história tinha a ver com o fato de eu ter feito a linha do tempo no computador! Quando se escreve à mão, é como se você se abrisse para receber inspiração. Você trabalha as emoções enquanto está escrevendo, bem como a memória. É uma qualidade anímica muito diferente de quando você escreve numa máquina.

Mulher escrevendo em um caderno ao lado de alguns livros, notebook , fotos e xícara de café
Thought Catalog/Unsplash

Claro que seria inviável escrever todo o livro à mão, mas a linha do tempo, os principais pontos do livro e os sentimentos foram escritos, uma vez que é importante que o autor se ligue àquela história de uma forma não mental. Quais são as qualidades daquela personagem? O que ela o faz sentir?

Foi interessante ver que, lógico, eu sou o ponto comum entre todos aqueles relacionamentos insatisfatórios. Qual é o meu papel, por exemplo, em cada história, em cada término? O término é uma história de derrota, de superação, de amor-próprio?

Uma coisa muito interessante que aconteceu ao final foi perceber que ainda que o próximo relacionamento não fosse ideal, havia sempre uma melhora. Isso me deu uma confiança incrível na vida.

Outra parte do processo de cura é deixar ir algo que você ainda não entende como perfeito. Você sempre vai achar que tem mais alguma coisa para mudar no livro, mas em um certo ponto é necessário deixar o trabalho nascer. Como diz Julia Cameron no livro “O Caminho do Artista”, a perfeição só existe no mundo das ideias, e as ideias precisam nascer. Se não for por você, elas vão nascer através de outra pessoa.

Publicar o livro de forma independente foi um ato de poder. Dizer para as pessoas que o livro tem um preço e que eu cobro por ele, é um aprendizado e tanto. Mas o trabalho de cura pela escrita não acaba nunca, e eu já não vejo a hora de escrever o próximo.

Você também pode gostar

Meu presente para você

Se você não é um escritor, mas ainda assim gostaria de se beneficiar da escrita, sugiro que, além da linha do tempo, experimente também a escrita livre indicada por Cameron: de manhã, escreva tudo o que vier à sua mente, sem parar, por três páginas.

Deixo aqui a indicação de mais algumas obras de escritores negras para você se aventurar:

  • Tornar-se Negro — Neusa Santos Souza
  • Pequeno Manual Antirracista — Djamila Ribeiro
  • Quando me Descobri Negra — Bianca Santana
  • Sejamos Todos Feministas — Chimamanda Ngozi Adichie

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é terapeuta multidimensional, life coach e praticante certificada das ferramentas MBTI® de tipos psicológicos e Barras de Access®. É também autora do livro: “A Namorada do Dom”, em que conta sobre as lições que aprendeu nos relacionamentos e sua jornada até a Suíça.

Acredita que a vida é cheia de lições, e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados para viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:
Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group - Londres

MBTI® - Myers-Briggs Type Indicator - Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation - Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum - Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra - Suíça

Access Bars®
Nyon - Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @dulcineia.curadeamor

Blog: medium.com/@dulcineiasantos

E-mail: [email protected]