Autoconhecimento

Você sabe por que a pomba branca é o símbolo da paz?

Luis Lemos
Escrito por Luis Lemos
Os votos de “feliz ano novo” sempre vêm acompanhados do desejo de paz, mas o que é paz mesmo? E o que você fez ou faz para que a paz de fato aconteça entre nós? Você é uma pessoa de paz? Sabe por qual razão a pomba branca é o símbolo da paz?

Primeiramente, vale dizer que nunca é inútil repetir o que os outros já escreveram, a saber, que o melhor caminho para a paz é a própria paz. Em segundo lar, a paz é a condição fundamental sob a qual os homens unem-se em sociedade. Enfim, não pode haver paz no mundo enquanto houver uma pessoa sendo injustiçada.

Somente através do reconhecimento do outro como sujeito e protagonista de sua própria história, que a paz se tornará uma conquista duradoura. No coração do homem bom, isto é, religioso e temente a Deus, encontra-se o caminho para a paz. A natureza, os pássaros e os animais, também são bons indicativos de paz.

A alegoria da pomba branca como mensageira da paz é bíblica. Um desses episódios é narrado no capítulo 8 do livro de Gênesis, primeiro livro do Velho Testamento. No versículo 11, está escrito: “Ao entardecer, quando a pomba voltou, trouxe em seu bico uma folha nova de oliveira. Noé então ficou sabendo que as águas tinham diminuído sobre a terra”.

De acordo com a narrativa bíblica, essa passagem simboliza a paz entre Deus e os homens. Além disso, o ramo de oliveira significava também garantia de alimento, de remédio e da bênção divina. É a certeza que as preces de Noé foram ouvidas e que Deus sempre vem ao encontro dos necessitados.

Há também citações à pomba nos Evangelhos. Em Mateus, capítulo 3, versículo 16, encontra-se escrito: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre Ele”.

Apesar de não haver menção da cor dessas pombas na tradição bíblica, os costumes da época explicam que “o animal ofertado em sacrifício não poderia ser pintado ou doente, deveria ser branco”. E como a pomba era muito usada por judeus pobres em sacrifícios, ela ficou como “símbolo da paz”.

Seja como for, acreditamos que os fundamentos que apontam para a paz no mundo são os valores da ética, da justiça e do amor. Não existe homem algum, na Terra e além-mar, que não queira e busque a paz. No entanto, somente os homens nobres e evoluídos conseguem encontrar a paz. O homem vil faz da guerra uma condição de sua existência. Não vive sem eliminar o seu oponente, pois a destruição do outro é sua energia vital.

A paz precisa ser construída, primeiramente, dentro de nós. Depois, na nossa família. Em seguida, na nossa rua. No nosso bairro, na cidade, no estado, país, no continente, no mundo… Enfim, seja de paz, construa a paz, viva na paz!

Sobre o autor

Luis Lemos

Luis Lemos

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (UCB); Bacharelado em Filosofia pelo Centro do Comportamento Humano (CENESCH).

Professor de Ciências Naturais na Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED/AM). Professor de Filosofia da Educação, Ética e Filosofia Jurídica na Faculdade Martha Falcão/Devry Brasil.

Tem experiência na área de Filosofia da Ciência, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente com os temas: Educação, Ensino de Ciências, Epistemologia, Ética e Ética Profissional.

Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2010); O segundo olhar – A filosofia em temas amazônicos (2012); O terceiro olhar – A filosofia em lendas amazônicas (2014); O homem religioso - A jornada do ser humano em busca de Deus (2016).