Saúde Integral

4 passos para acabar com o soluço em poucos minutos

Aquele som característico de “hic”, seguido de um desconforto no peito, muitas vezes até de constrangimento, dependendo do ambiente em que se está. Todo mundo sabe como é soluçar, mas será que você sabe como parar o soluço?

Na maioria das vezes, o soluço desaparece sozinho, dentro de alguns minutos. Mas, além de incomodar, ele pode indicar problemas mais sérios quando ocorre frequentemente ou de maneira persistente.

A seguir, saiba mais sobre o soluço, quais as suas causas, quando precisamos nos preocupar e conheça alguns métodos para acabar com o soluço.

O que é o soluço?

O soluço é a contração involuntária e espasmódica do diafragma, músculo situado entre o peito e o abdome, e que possui papel importante na respiração. Essa contração causa uma súbita inspiração, seguida do fechamento brusco da glote.

Esse espasmo pode ser desencadeado por uma irritação do nervo vago, nervo que liga o crânio até o estômago e é um dos principais componentes do sistema nervoso parassimpático, que controla as ações involuntárias do nosso corpo.

Uma mulher segurando um soluço.
nicoletaionescu de Getty Images / Canva

Entretanto, por que soluçamos não tem uma resposta assim tão simples. Não há um consenso na literatura médica sobre as razões pelas quais soluçamos. O que se sabe apenas é que o soluço tem um papel importante no desenvolvimento respiratório e cerebral dos bebês, mesmo ainda antes do nascimento.

Soluçar costuma ser inofensivo na maioria das vezes, principalmente se cessa espontaneamente, dentro de alguns minutos. Porém, se as crises de soluço durarem horas, dias ou até semanas, podem estar relacionadas a algum problema de saúde mais sério.
Isto porque o soluço constante pode ser um indicativo de várias doenças de ordem respiratória, neurológica, digestiva, psicológica ou metabólica, entre outras. Por isso, em casos de soluço persistente, deve-se agendar uma consulta com um médico para investigar a causa do problema e, consequentemente, curar o soluço.

Como o soluço pode ser dividido

O soluço pode ser dividido em três categorias, de acordo com a sua duração: episódicos, persistentes e intratáveis.

Os episódicos são geralmente causados pela hiperdistensão gástrica, que é aquela sensação de estômago cheio após comer exageradamente, ou ainda pelo consumo de bebidas gasosas, pelo ato de mascar chiclete, de fumar ou pela insuflação do estômago durante endoscopia, já que todos esses são gestos que aumentam a entrada de ar no organismo.

Já os persistentes e os intratáveis são mais graves. Eles podem causar efeitos adversos, como perda de peso, desnutrição, insônia, fadiga e estresse. Geralmente, esses dois tipos de soluço afetam pessoas idosas ou que possuem alguma doença associada.

Principais causas do soluço

Mas, afinal, o que causa o soluço? Bem, o soluço pode acontecer por vários motivos, ainda que não se saiba ao certo como cada um deles pode causar espasmos no diafragma e no tórax. Entre as principais causas, estão:

  • Dilatação estomacal em consequência da ingestão em excesso de comida ou bebidas gasosas;
  • Consumo de bebidas alcoólicas, já que o álcool pode irritar o estômago e o esôfago;
  • Doenças gastrointestinais, principalmente as que causam refluxo, pois a acidez da bile irrita a mucosa do tubo alimentar;
  • Insuficiência renal, em decorrência do excesso de ureia no sangue;
  • Infecções, como gastroenterites ou pneumonias;
  • Inflamações respiratórias ou abdominais, como bronquite, esofagite, pericardite, hepatite ou doença inflamatória intestinal;
  • Cirurgia recente na região do tórax ou abdômen;
  • Doenças que afetam o cérebro, como esclerose múltipla, meningite ou câncer no cérebro.

Na maioria dos casos, o soluço não traz consequências graves. Entretanto, se ele persistir por mais de 48 horas, é um indício de que algo não vai bem com o seu organismo, principalmente se estiver acompanhado de outros sintomas, tais como febre e dores abdominais. Nesses casos, o indicado é agendar uma avaliação médica para investigar melhor a possibilidade de estar com alguma doença.

Causas do soluço no bebê

O soluço no bebê, inclusive nos recém-nascidos, é bastante comum e acontece geralmente em razão de o diafragma e os músculos respiratórios ainda estarem em desenvolvimento. Para evitar o soluço nesses casos, é recomendado colocar o bebê para arrotar após a amamentação.

Um bebê soluçando.
Mirjana Ristic de Getty Images / Canva

Assim como o soluço nos adultos, caso o soluço do bebê dure mais do que 1 dia, ou esteja atrapalhando a amamentação, o ideal é procurar um pediatra para avaliar as possíveis causas, que podem ser de origem inflamatória ou infecciosa.

Somente um especialista será capaz de diagnosticar o problema e orientar um tratamento adequado.

É perigoso soluçar muito?

Embora o soluço seja algo inofensivo e, na maioria das vezes, pare sozinho, não é normal soluçar de maneira recorrente ou insistente, por várias horas seguidas. Então, sim, é perigoso soluçar muito, pois, nestes casos, o soluço é, na verdade, um aviso do seu organismo de que há algo fora da normalidade com ele.

Por isso, é importante ouvirmos o nosso corpo. Se o soluço demorar para passar a ponto de atrapalhar a fala, o sono ou ainda causar um cansaço atípico, ele pode ser preocupante.

Somente a partir de exames complementares, como radiografias e hemograma, será possível saber o que está causando o soluço e, consequentemente, tratar o problema de saúde com uma equipe especializada.

Diagnóstico e tratamento

Como vimos, soluçar de vez em quando é normal. Porém, se os soluços persistirem por mais de 48 horas, a orientação é procurar auxílio médico para a realização de exames específicos. O soluço passa a ser fonte de preocupação quando estiver relacionado a alguma doença. Para isso, quanto mais cedo houver um diagnóstico, melhor.

Não existe um tratamento específico para prevenir o soluço, mas é possível eliminar a sua causa. Se o soluço aparece em decorrência de algum problema de saúde, quando o problema específico é tratado, consequentemente o soluço para.

Agora, se estiver relacionado a hábitos, é preciso fazer algumas mudanças no estilo de vida para evitar episódios recorrentes de soluço. Ou seja, comer mais devagar e em menores porções, evitar bebidas gasosas, chicletes, alimentos apimentados e cigarro.
Mas mesmo no caso de soluços episódicos e habituais, que não sinalizam quaisquer problemas de saúde, eles podem ser bastante incômodos e irritantes. Sendo assim, há alguns meios de fazer o soluço parar assim que a crise começar. Abaixo, preparamos uma lista do que é bom para soluço.

4 passos para acabar com o soluço em poucos minutos

Uma mulher desconfortavelmente bebendo água
9nong / Shutterstock

Depois de saber o que é e quais são as suas causas, o que fazer em caso de soluço? Bem, cada pessoa conhece uma técnica quando o assunto é fazer o soluço parar. Embora os resultados variem de pessoa para pessoa, algumas soluções até fazem sentido cientificamente:

Testando métodos caseiros

  • Beber um copo de água é a primeira coisa que se recomenda diante de uma crise de soluço. O método pode até funcionar, desde que a temperatura da água esteja gelada. O que acontece é que a ingestão de água gelada estimula o nervo vago, que controla as ações involuntárias do corpo, através da mudança repentina de temperatura;
  • Beber um pouco de água com a cabeça para baixo, ou pelo menos com o tronco inclinado para frente também pode ajudar, pois a posição ajuda a relaxar o diafragma.

Exercícios para soluço

  • Exercícios podem funcionar, pois estimulam o diafragma, o sistema nervoso e os demais órgãos afetados pelo soluço. Prender a respiração pelo maior tempo que conseguir ou respirar dentro de um saco de papel, aumentam os níveis de gás carbônico no sangue, fazendo o cérebro atuar de modo a contrair o diafragma;
  • Outro método, menos invasivo, é o de respirar profundamente e devagar, alongando o diafragma e demais músculos da respiração;
  • O diafragma pode ser manipulado mecanicamente também, a partir da flexão do tronco em direção das coxas. Fazer movimentos com os músculos abdominais pode ser útil nessa hora!

Como passar o soluço tomando um susto

  • Levar um susto é outra solução popularmente difundida. Apesar de parecer brincadeira, ela tem um fundo científico. O susto deixa o corpo em estado de alerta, liberando na corrente sanguínea um composto químico chamado catecolamina, que regula o funcionamento do nervo responsável pelo processo de contração do diafragma.

Remédio para o soluço

Pílulas e capsulas de remédio.
towfiqu barbhuiya / Canva

Se nenhum dos passos anteriores funcionar e o soluço for diagnosticado como persistente ou intratável, algumas medicações podem ser utilizadas. Vale lembrar que somente um profissional da área da saúde pode recomendar o melhor medicamento.

  • Os remédios mais utilizados para tratar crises graves são aqueles que atuam diretamente no sistema nervoso e controlam os estímulos que causam os soluços. São utilizados também remédios que agem no sistema digestório, quando a causa do soluço está associada a distúrbios gastrointestinais;
  • Em casos extremos, o médico poderá prescrever anticonvulsivantes e relaxantes fortes, como fenitoína, gabapentina ou baclofeno, por exemplo, que atuam diretamente no controle dos impulsos nervosos.

Apesar de muitas vezes aparecer em horários inconvenientes, o soluço é uma reação natural do nosso corpo, tornando-se um motivo de preocupação apenas se for recorrente. Sozinho, ele não indica nenhum problema de saúde, mas é preciso atenção caso o soluço aconteça frequentemente ou associado a outros sintomas.

Você também pode gostar

Não há solução definitiva para se livrar do soluço. No entanto, levar uma vida descontraída e longe do estresse já elimina muitos dos gatilhos causadores do soluço, ajudando a reduzir sua ocorrência.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br