Filosofia

A filosofia é pop

Escultura do filósofo Sócrates pensando sentado.
Luis Lemos
Escrito por Luis Lemos

Atualmente é comum ouvirmos a palavra filosofia. Antes, ela era reservada a alguns poucos intelectuais, em sua maioria pessoas ligadas às ciências humanas e sociais. Hoje, ela está em quase todas as rodas de conversa, da preleção do treinador ao pastor da igreja.

Todos falam de filosofia. No entanto, de que filosofia falam o treinador de futebol e o pastor da igreja? Será que é da filosofia conforme ensinava Pitágoras, Heráclito, Sócrates ou Platão?

Lousa com um balão de pensamento e uma lâmpada dentro.

Claro que não! A filosofia “ensinada” atualmente é uma filosofia do poder, do capitalismo, do “conforto espiritual”. Uma filosofia totalmente contrária aos princípios da filosofia de Aristóteles, por exemplo.

Para Aristóteles, a filosofia é a ciência das causas primeiras, ou seja, daquilo que constitui o ser, a essência de cada coisa. Nesse sentido, Aristóteles afirmava que o espanto é a categoria que identifica o bom filósofo.

Concordado com Aristóteles, o filósofo norueguês Jostein Gaarder, no seu livro “O Mundo de Sofia”, afirma que “a única coisa de que precisamos para nos tornarmos bons filósofos é a capacidade de nos admirarmos com as coisas”.

Livro "O Mundo de Sofia". A capa é vermelha com uma linha sinuosa pela qual perpassa o título.

Seja como for, a filosofia tornou-se pop.

Popularmente falando, é lindo citar filósofos, mesmo sem saber nada desses filósofos. Palestrantes, das mais diferentes áreas do conhecimento, sentem verdadeira atração pelos filósofos.

Claro que a filosofia não é propriedade privada dos filósofos. No entanto, ela vem sendo usada por pessoas sem escrúpulos (sem coragem de dizer a verdade), só para levar vantagem diante do público ou da plateia.

Na origem da palavra filosofia, o amor e a verdade constituem as bases dessa “ciência primeira”, para citar Aristóteles mais uma vez. Sendo assim, a essência da filosofia é o amor pela verdade, e um palestrante, um comunicador não pode faltar com a verdade.

Escultura de Aristóteles entre aspas.

Em outras palavras: a verdade é erótica, isto é, deve atrair todas as pessoas para si, assim como a filosofia o é, segundo Platão. Portanto, o verdadeiro filósofo deve amar a verdade e não fugir da verdade. Somente os desonestos, os covardes e os corruptos não gostam da verdade.

A parceria filosofia e verdade é tão nobre que transcende a materialidade do fato e caminha até para o lado espiritual, pois foi o próprio Jesus Cristo que disse: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

Enfim, desde as suas origens a filosofia sempre teve atração pela verdade, e o homem atual foge da verdade como o diabo foge da cruz. Voltemos, portanto, à filosofia original, à verdadeira filosofia.


Você pode gostar de outros artigos desse autor. Confira também: As confissões de um filósofo.

Sobre o autor

Luis Lemos

Luis Lemos

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (UCB); Bacharelado em Filosofia pelo Centro do Comportamento Humano (CENESCH).

Professor de Ciências Naturais na Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED/AM). Professor de Filosofia da Educação, Ética e Filosofia Jurídica na Faculdade Martha Falcão/Devry Brasil.

Tem experiência na área de Filosofia da Ciência, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente com os temas: Educação, Ensino de Ciências, Epistemologia, Ética e Ética Profissional.

Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2010); O segundo olhar – A filosofia em temas amazônicos (2012); O terceiro olhar – A filosofia em lendas amazônicas (2014); O homem religioso - A jornada do ser humano em busca de Deus (2016).