Autoconhecimento Comportamento Filosofia

Por que você deveria ler Antifrágil de Nassim Nicholas Taleb?

Mulher meditando em posição sentada de ioga no topo de uma montanha acima das nuvens ao pôr do sol.
Michal Bednarek / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Para você, qual é o oposto de fragilidade? É ter força e não se abalar nas adversidades? É ter resiliência e não se deixar afetar por elas? Não há uma resposta exata, por isso há espaço para o surgimento de teorias que propõem outras respostas, como a teoria da antifragilidade, de Nassim Taleb.

Você sabe o que é ser antifrágil, conhece o autor e imagina quais os benefícios dessa técnica que podem melhorar a sua vida? Encontre respostas para todas essas perguntas neste artigo, descubra uma nova maneira de amadurecer e lidar melhor com as adversidades e entenda por que você deveria ler o livro “Antifrágil: Coisas que se beneficiam com o caos”!

Antes de mais nada, quem é Nassim Taleb?

Nascido na cidade de Amioun, no Líbano, em 1960, Nassim Nicholas Taleb é um escritor best-seller, matemático e palestrante. Megainvestidor do mercado financeiro norte-americano, ele tem uma fortuna estimada em 30 milhões de dólares. Além do reconhecimento monetário, ele é conhecido por ter desenvolvido algumas teorias que fazem sucesso na filosofia moderna, especialmente a antifragilidade e a teoria do cisne negro. Por fim, ele é professor do Instituto Politécnico da Universidade de Nova Iorque e presidente da empresa de investimentos Empirica.

Estudioso e culto, o escritor é fluente em árabe, inglês e francês, porém também mantém conversações em espanhol e italiano, além de ler textos clássicos em aramaico, latim e grego. Antes de publicar seus livros e virar palestrante em tempo quase que integral, Taleb exerceu cargos de direção e gerência em bancos e instituições financeiras como CSFB, UBS, BNPParibas e Bankers Trust.

Não há muitas informações sobre a origem de sua fortuna e ele mantém discrição sobre o assunto, mas a tese mais aceita é a de que ele fez bastante dinheiro durante a Segunda-feira Negra, apelido do crash de 1987 da bolsa de valores dos Estados Unidos. Supõe-se que ele tenha deixado sua conta bancária ainda maior durante outras crises desse mesmo tipo.

A antifragilidade

A teoria da antifragilidade apareceu no livro “Antifrágil: Coisas que se beneficiam com o caos”, de Nassim Taleb, publicado no Brasil pela Editora Objetiva em 2012.

Para entender essa proposição de Taleb, é preciso entender, antes de mais nada, o que é fragilidade. A definição do dicionário Oxford Languages para a palavra “frágil” é uma coisa “que se despedaça ou quebra facilmente”. Antifrágil, portanto, é aquilo que não se quebra facilmente, entretanto aí entra um detalhe! Recentemente, a psicologia vem usando a palavra “resiliência” para se referir à qualidade de passar por um problema, mas não se deixar abalar por ele. Para Taleb, é preciso ir além, pois ser antifrágil não é apenas não se deixar abalar por causa de uma situação adversa, mas também crescer com ela.

Homem no topo de uma montanha
Pexels / Pixabay

Segundo a teoria do escritor, para desenvolver e aprimorar a antifragilidade, é necessário aceitar que a vida vai colocar no seu caminho incertezas, adversidades e acontecimentos inesperados, que são essenciais para o seu desenvolvimento, não indesejados, como muitas pessoas pensam. De acordo com o autor, quando abraçamos o caos e a imprevisibilidade, passamos a tomar melhores decisões porque entendemos que não é possível tentar prever o que vai acontecer a partir dessas escolhas, então basta tomar a melhor decisão e confiar nela.

Por isso é que, para ser antifrágil, não podemos fugir de mudanças e de situações que causam estresse e desconforto, porque é somente a partir delas e do que fazemos para superar esses acontecimentos que amadurecemos e aprimoramos a nossa capacidade de evoluir e de abandonar as adversidades.

Quais são os benefícios de aprender a ser antifrágil?

O maior benefício do desenvolvimento da antifragilidade é, primeiramente, aceitar o caos e a mudança como características inerentes à vida. Quando deixamos de encarar as adversidades e o inesperado como obstáculos, isso nos ajuda a amadurecer. A mudança, por mais desconfortável que seja, é o que leva ao aprimoramento. Isso não significa, porém, que aquele que é antifrágil não sente estresse, cansaço, tristeza ou raiva quando lida com uma situação negativa. Significa apenas que ele vai aprender com esses sentimentos e isso vai prepará-lo para enfrentar outros acontecimentos adversos no futuro.

Outro benefício da antifragilidade é o ganho de experiência que ela proporciona. Você se lembra da primeira vez em que teve seu coração partido? Se isso aconteceu uma segunda vez com você, provavelmente foi menos doloroso e você conseguiu sair mais rapidamente do “fundo do poço”, certo? Isso é a antifragilidade em curso, ou seja, é o ganho de experiência. Quanto mais lidamos com adversidades, menos nos assustamos com as próximas. Por isso é que pessoas mais velhas tendem a lidar muito mais facilmente com dificuldades do que pessoas mais novas, para quem o inesperado costuma ser sempre uma novidade assustadora.

Uma árvore em meio ao deserto
Karim MANJRA / Unsplash

Entre as vantagens desse conceito, uma delas tem a ver com as vulnerabilidades que todos temos. Normalmente, situações adversas nos atingem diretamente em nossas vulnerabilidades, sejam elas quais forem: carência, necessidades financeiras, dificuldade de lidar com luto, falta de preparo para lidar com determinada situação… São muitos os casos. O mais comum é que as pessoas tenham medo de lidar com suas vulnerabilidades, visto que é realmente assustador ser obrigado a administrar uma situação que você imagina que não tem capacidade para fazê-lo. Segundo Taleb e sua teoria da antifragilidade, porém, devemos, na verdade, fazer o oposto disso: enxergar os desafios como oportunidades de entender suas vulnerabilidades e encontrar maneiras de aperfeiçoá-las.

Razões pelas quais você deveria ler o livro “Antifrágil”

Apesar de fazer bastante sucesso no ramo profissional, especialmente naqueles ligados ao mercado financeiro ou ao empreendedorismo, a teoria da antifragilidade de Taleb é útil em todas as áreas da vida, seja profissional, pessoal, financeira, romântica, fraternal e por aí vai.

Uma das razões para ler o livro é desmistificar alguns conceitos que, segundo o autor, foram erroneamente estabelecidos, como do estresse pós-traumático, ou seja, aquelas emoções e sentimentos ruins que sentimos após o surgimento ou a superação de uma situação inesperada. Segundo o autor, deveríamos falar mesmo é em crescimento pós-traumático, visto que a aleatoriedade e a adversidade, ainda que nos causem sensações ruins e desesperadoras, permitem um crescimento e um aprimoramento da personalidade e da maturidade.

Mais um ponto positivo da leitura do livro é entender que viver é estar constantemente correndo riscos e exposto a vulnerabilidades, pois, por exemplo, nenhum emprego é 100% estável, nenhum relacionamento é 100% seguro, nenhuma empresa está 100% impassível de falir. A qualquer momento, um acontecimento inesperado pode mudar as estruturas da vida. Recorrendo aos exemplos anteriores, a empresa em que você trabalha pode decidir rejuvenescer sua equipe, seu parceiro romântico pode cometer uma traição ou os produtos que você vende na sua empresa podem ter mudanças bruscas em seu preço. Quando desenvolvemos a nossa antifragilidade, estamos mais psicologicamente preparados para a vinda dessas adversidades e sabemos muito bem que podemos crescer grandemente com elas.

Como vivemos uma vida dinâmica, agitada e que exige de nós agilidade e raciocínio rápido para lidar com problemas em áreas tão diferentes de nossas vidas, desenvolver o conceito de antifragilidade é essencial para ganhar experiência, amadurecer e lidar com adversidades futuras com mais tranquilidade e menos desespero.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]