Autoconhecimento Yoga

Como alcançar a felicidade

felicidade
Juliana Romera
Escrito por Juliana Romera
Todos estão na busca da felicidade, certo? Porém a maioria de nós está buscando no lugar errado ou da forma errada.

Se queremos ser felizes para sempre, como podemos colocar como fonte de nossa felicidade coisas finitas e impermanentes?

Esse erro vem da nossa ignorância de achar que as coisas, as pessoas ou as conquistas preenchem essa falta, essa insatisfação e, se você está se questionando se isso é verdade ou não, acompanhe o meu raciocínio…

Sou um estudante universitário, e durante o curso não vejo a hora de me formar para arranjar aquele emprego dos sonhos, afinal, é isso que me fará feliz, é isso que eu escolhi. Me formo, e percebo que esse emprego sonhado não é tão fácil assim, e acabo arrumando um que me traz uma estabilidade, pois felicidade mesmo só aquele emprego me dará. Durante essa busca, sinto que a minha felicidade mesmo será completa quando eu arrumar um relacionamento afetivo, arrumo, e por um tempo sinto que achei a felicidade, era exatamente isso que me faltava. Mas logo eu penso que feliz mesmo eu vou ser quando comprar a minha casa. Trabalho, me esforço, compro! Me sinto feliz e realizado, tenho um bom emprego, um ótimo relacionamento e a minha casa própria. Mas na sequência, eu penso em como seria incrível ter aquele carro novo e lindo… E aí ter o carro se torna a minha nova busca. E assim vai… Infinitamente… Carro, casa, casa na praia, novo emprego, promoção, casamento, filho, viagem, etc.

felicidade

Eu diria que mais de 90% das pessoas passam a vida nesse jogo de buscar a felicidade, apenas mudando o objeto que acham que lhes trarão felicidade e jamais percebendo que essa busca é ilógica e sem fim.

O Estudo de Vedanta (filosofia do Yoga) mostra ao aluno os erros dessa busca e como amenizar o sofrimento entendendo que a nossa real natureza é, em si só, plena e feliz. Porém a nossa mente e o nosso ego querem se satisfazer, e criam essas armadilhas para estarem sempre no comando e nos impedem de visualizar essa felicidade permanente.

Quando estamos dormindo em sono profundo, a nossa mente está “desligada”, assim como o seu ego, e você está ali, completo e feliz, a única coisa que existe é sua real natureza, e ela é pura paz. Por isso é tão bom dormir, e pessoas com depressão ou outros distúrbios dormem demais, pois é uma maneira de ficar bem, de fugir dos problemas.

Mas não é só o sono profundo que te mostra isso, quando vamos ao cinema, também nos sentimos bem, pois a nossa mente muda de foco, ao invés de focar nos nossos problemas, ela é “emprestada” para o filme. E assim como no sono profundo, nos sentimos bem e em paz. E isso funciona para qualquer outra distração, muda o foco da mente e nos dá alívio.

Não coloque a sua felicidade nas coisas, busque a felicidade que você já é!

Hari Om!

Sobre o autor

Juliana Romera

Juliana Romera

Me formei em Educação Física e conheci o Yoga em 2006, em uma academia que trabalhava, e desde então nunca mais parei. Logo comecei a conhecer também a teoria, a filosofia que envolve o Yoga e hoje é meu maior foco de estudo e prática, o Vedanta.

Em 2012 criei a página Yoga Diária, com a intenção de mostrar que Yoga é muito mais do que Asanas (posturas), postando diariamente frases e reflexões sobre Vedanta e temas relacionados, e falando sobre Yoga todos.

Acredito muito na libertação que este estilo de vida pode proporcionar para as pessoas, por isso tenho muito prazer em estudar, ensinar e falar sobre Yoga.

Hoje dou aulas regulares de Yoga, além de cursos e palestras sobre o tema e também com aulas de personal com foco em reabilitação e terceira idade.

Contatos:
e-mail: [email protected]
blog: www.yogadiaria.com.br
Celular: 11 981707200
Facebook / Instagram / Youtube : @yogadiaria