Saúde Integral

Como a corrida e a meditação mudam um cérebro em depressão

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

diversas causas que podem ocasionar um quadro depressivo. O indivíduo que se encontra em depressão não tem mais vontade de viver nem motivação para seguir realizando suas tarefas, seja por baixa estima, perda de alguém próximo, dificuldades no dia a dia ou grandes decepções.

A depressão e outras doenças do cérebro mexem com o nosso sistema nervoso e criam como que um bloqueio físico para que certas ideias e posicionamentos sejam quebrados. Ou seja, quem está doente não enxerga ou não admite que está assim e então o processo de recuperação se torna ainda mais difícil.

Numa visão mais espiritual, o quadro depressivo é visto como um desequilíbrio de energias pelas mesmas diferentes razões e que deve ser revertido por diversos caminhos.

A retomada

A fim de curar a depressão, o primeiro passo está na aceitação. A pessoa que está doente precisa criar forças para realizar novas atividades que tirem o foco de seus pensamentos do desânimo e da tristeza que parecem tomá-la por inteiro.

Alguns são os mecanismos que podem auxiliar na cura: a autoafirmação seja por meio de palavras ou atitudes, o apoio de familiares e amigos e principalmente a retomada de uma rotina repleta de tarefas prazerosas e também funcionais.

Começando pelo corpo

Young couple running together outdoors. Happy young man and woman jogging on country road during sunrise. Two people enjoying morning run.

Dentre essas mudanças, a inserção de atividades físicas é essencial. Além de proporcionar saúde ao organismo, proporciona também bem-estar e motivação.

A corrida está entre as melhores atividades físicas para quem se encontra no quadro de depressão. Em quadros mais avançados o exercício físico pode ser mais complicado de ser aplicado, mas em diversos casos a motivação necessária para realizá-los e ainda a atividade cerebral durante e atividade contribui muito no tratamento.

Estudos norte-americanos feitos em ratos propõe que a atividade física, como a corrida, pode desencadear a formação de novos neurônios no cérebro, trazendo renovação das células e melhor desenvolvimento psíquico.

União com a mente

Os mesmo estudos ainda propõem que a associação da corrida como atividade física e da meditação como “atividade mental” seria um caminho bem-sucedido para minimizar os sintomas depressivos.

A tese é baseada no fato de que o possível nascimentos destes novos neurônios no cérebro, estimulados pela corrida, possa ser trabalhado por meio da meditação. Com isso, os neurônios vão sobreviver dentro do nosso corpo e serão canalizados para a criação da vontade por novas experiências e consequente abandono do quadro de depressão.

Tentativas

Esta é uma proposta de como trabalhar corpo e mente em conjunto para que seja possível sair de uma espécie de aprisionamento que sofre o depressivo.

O estímulo a novas atividades e o controle mental de como realizá-las são necessários para que a melhora se manifeste.

Entretanto, vale ressaltar a necessidade de consultar um médico que possa orientar cada paciente em seu quadro depressivo. Os níveis, causas e efeito da depressão são muito variados e podem exigir tratamentos específicos, por isso é necessário identificá-la de maneira clara e correta para que o melhor tratamento seja efetuado.


Texto escrito por Julia Zayas da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]