Autoconhecimento

Como não amar?

Patricia Tolezano
Escrito por Patricia Tolezano

“Como não amar?”, perguntou o pássaro lá do alto à flor.

“Se me amas, me leve com você!”, respondeu a flor, na incerteza deste sentimento.

“Mas, se te levar, tu morres! Não pode viver sem suas raízes!”, respondeu o resoluto pássaro mais preocupado em preservar a vida.

“Mas, para quê viver uma vida longa e enraizada se o que mais queria eram cinco segundos de voo com você?”, respondeu a flor colocando ambos em uma encruzilhada.

Uma das coisas mais caras é o amor… Ele traz em si a caridade, a coragem, a força, a esperança, a alegria de despertar e de se deitar. Ele aflora a pureza da alma. Mas pode também nos levar a uma encruzilhada. Porque é tanto poder neste encontro que nos confundimos. Alguns acreditam ter perdido o que chamamos de lucidez. Mas como perder a luz que nosso corpo emite se estamos em estado de graça?

Graça esta que precisa ser um raio de sol a todos que nos cercam. Mas não é a cerca do cerceamento, é a do estar perto, junto, na mesma vibração. E vibrar amor, carinho e afeto é emanar felicidade, alegria e contentamento. Se traz sofrimento, talvez seja melhor dominar o ego e analisar se este olhar não passa de um encantamento. Porque é fácil se deslumbrar com o que é bom de ver, ouvir, falar e sentir, mas se a magia não for pura e simples, ela vira um feitiço complicado que aprisiona e encurrala como uma imagem num espelho, tão bela quanto, mas presa a nossa existência. E, o amor, ao contrário, é livre, leve e solto!

Amar é o verdadeiro empoderamento – palavra da moda – e nunca sai de moda, mas tem vários modos de se expressar e revelar. Por ele, somos capazes de tudo. E tudo é um mundo insondável de aspectos e ações inimagináveis, para além da nossa compreensão e aceitação. O tudo pode até ser nada. Com ele, uma flor pode voar e um pássaro enraizar. Podem até trocar de alma, fundir, se misturar. Com ele, podemos nos experimentar sermos um e sermos tudo. Mas, para isto, não devemos ter medo de onde este tudo vai nos levar ou deixar. Porque nada pode levar o amor que está em nós.

A flor que embeleza nossos jardins e o pássaro que reconhece e dissemina toda esta riqueza está em cada um de nós. Se enraizante ou flutuante, é a força da intenção e a pureza do propósito que vai nos dizer em qual momento estamos e precisamos e quem somos. E, no final das contas, nossas encruzilhadas nos dão a chance de entender que o como não amar se aplica a tudo e todos. Então, dê um viva e viva o amor! Como e por onde ele for.

Sobre o autor

Patricia Tolezano

Patricia Tolezano

Sou jornalista de formação, marketeira de opinião, analista esportiva de supetão e escritora de coração.

Se tivesse que me definir em uma única palavra, esta seria adaptação. Mas gosto mesmo é de escrever. Sou uma pessoa e escritora em construção. A partir de agora, vocês conhecerão um pouco do mundo à minha volta.

Viva sem culpa, ame sem medo. E, na dúvida, tente sempre! Para mim, isto é ser feliz.

Contatos:

Site: patriciatolezano.com.br
Facebook: /Patricia Tolezano
Twitter: @PatTolezano
Instagram: @patriciatolezano