Convivendo

Cultivo de hortas em espaços urbanos

bearded millennial harvesting beets in an urban communal garden
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Em meio ao caos das grandes cidades, dos prédios, dos carros, acaba não sobrando quase nenhum espaço para a natureza, para o verde e, principalmente, para a produção de alimentos. Pois fique sabendo que não é preciso muito espaço para ter uma produção artesanal de alimentos saudáveis em sua cidade. A cidade de São Paulo, por exemplo, está repleta de iniciativas boas na área da agricultura. Vale usar qualquer lugar. O fundo do quintal, a varanda do seu apartamento, o terraço de casa, e por que não, uma praça pública?

Um grupo pequeno de amigos criou, a pouco mais de três anos, a primeira horta comunitária da cidade de São Paulo. Localizada na Zona Oeste, a Horta das Corujas tem quase 800 metros quadrados. Entre os alimentos plantados, encontramos a beterraba, a salsinha, a couve, e ainda as hortaliças não convencionais, como o almeirão roxo, a azedinha, a capuchinha, a bertalha e o peixinho.

É estritamente proibido utilizar adubos sintéticos e venenos na Horta das Corujas. Os cerca de 15 voluntários que tomam conta da horta utilizam como adubo um composto de esterco de cavalo e folhas.

Por ser um espaço público, não existem muitas regras no projeto. A cerca só existe para barrar a entrada de animais, como os cachorros. A horta funciona nos sete dias da semana e se encontra aberta o dia todo. Quem quiser visitar, plantar e colher, será sempre bem-vindo. A regra principal é não roubar as mudas.

Antes da criação desse espaço, a Horta das Corujas era apenas um morro gramado. Atualmente, além dos legumes, das verduras e das ervas, existe uma nascente que é capaz de abastecer o consumo e cultivo até mesmo nos meses do ano que são mais secos.

A criadora desse projeto inovador, Cláudia Visoni, ainda possui um grupo nas mídias digitais, o ‘Hortelões Urbanos’, que conta com a participação de cerca de 20 mil pessoas do país todo, a fim de trocarem experiências e ideias sobre o plantio doméstico de alimentos.  

A Universidade de São Paulo coordenou uma pesquisa que comprovou que a atividade de agricultura agroecológica urbana promove saúde. Existem diversos relatos de pessoas que possuíam depressão, medo de falar em público, crianças agitadas, fobias, e que começaram a se socializar graças às rodas de conversas presentes no espaço.

Se inspirou com essa ideia? Reúna um grupo de amigos e procure algum espaço público que possa ser usado para o plantio em sua região. É uma ideia simples, mas que pode trazer muitos benefícios para sua comunidade. Depois, compartilhe com a gente essa experiência!


Texto escrito por Flávia Faria da Equipe Eu Sem Fronteiras

Imagens: Reprodução/Somos Verdes (https://somosverdes.com.br/)

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]