Comportamento Comunicação Não-Violenta

Desprezo: como lidar com esse sentimento?

A falta de apreço ou o sentimento de ser desdenhado por alguém é algo que todos nós experimentamos em nossas vidas. O desprezo é algo que nos causa desconforto e, em alta intensidade, pode mesmo ocasionar problemas mais sérios, como forte frustração, ansiedade e depressão. Como encarar, então, esse sentimento da maneira mais sã e saudável possível? Leia o artigo e descubra.

Como lidar com o desprezo?

1 – Reconheça suas próprias qualidades

Mulher desprezando o seu esposo. Ela está por trás dele fazendo caretas. Ele está triste.
giuliofornasar / 123rf

Você tem de olhar para si mesmo e para as suas qualidades. Se te parecer uma tarefa difícil, busque a ajuda de algum amigo e peça para que ele te diga quais são seus pontos fortes.

Saiba que seus atributos positivos são aqueles que te lembram de que você não é indigno a ponto de ser desprezado, mas que é alguém que tem qualidades únicas e singulares.

Você deve permitir espaço ao seu autoconhecimento como uma pessoa única e especial, e não ao desprezo alheio e ao autodesprezo.

2 – Todos temos problemas e defeitos

Nenhum ser humano no mundo é perfeito, e ter problemas e defeitos não é algo que deva fazer você se sentir reduzido e desprezado. Ao contrário, você deve abraçá-los e compreendê-los.

Não é algo que você pode fazer só consigo mesmo, mas com as outras pessoas também, pois a postura de ouvir e tentar ser o conforto do outro também ajuda bastante. Lembre-se: todos temos defeitos e ninguém deve ser desprezado por isso.

3 – O que há por trás do desprezo?

O sentimento de ter sido desprezado pode ser vivido em uma série de ambientes e situações: na família, no mercado de trabalho, entre amigos e, é claro, no amor. Em suma, vivemos em uma sociedade em que o amor e as relações românticas têm um papel central em nossas vidas e são consideradas bem-sucedidas as pessoas que têm um relacionamento estável.

O problema disso é que muitas pessoas acabam se mantendo em relacionamentos que não são saudáveis somente pelo status que estar numa relação traz. Em meio a essas “obrigações sociais”, muitas pessoas ficam estacionadas em sentimentos em que o que deveria ser leve e bom, o amor, torna-se difícil e complicado, como o desprezo.

Em resumo, nosso parceiro amoroso deveria nos fazer bem: aumentar nossa autoestima, nossa confiança, comemorar nossas vitórias e conquistas conosco, fazer companhia e respeitar nosso espaço individual. Se o que acontece é o oposto disso, não há amor: há abuso, controle, crueldade e até desprezo. Afinal, ninguém que te ama vai te maltratar intencionalmente, não é?

Por isso, muitas pessoas, quando tomam coragem de abandonar relacionamentos assim, acabam sofrendo mais do que quando estavam na relação, pois percebem que eram desprezadas pela pessoa amada — e é pior ainda quando, mesmo tendo sofrido tanto, são dispensadas pela pessoa amada e veem a relação acabar.

Quando isso acontece, não há o que possa ser feito que não seja passar por uma grande reflexão e por um processo de autoconhecimento para se livrar da ideia de que amor é sinônimo de desprezo. Será preciso ressignificar o amor, entender que o que aquela pessoa sentia por você não é amor.

E esse processo pode ser muito facilitado por psicoterapia. É essencial procurar ajuda profissional para colocar as ideias no lugar e deixar para trás traumas, desconfortos e dores, ressignificando crenças erradas, como a de que o amor precisa ser difícil e doloroso.

Casal queer sentado no sofá, ambas de costas uma para a outra.
wavebreakmedia / Shutterstock

4 – Por que o desprezo dói?

Mesmo quem é introvertido e passa muito tempo consigo mesmo e menos tempo cercado por pessoas leva a opinião do outro em consideração. Vivemos em sociedade, então é impossível que as opiniões e os pensamentos dos outros não afetem e influenciem o que pensamos de nós mesmos.

Então, por mais que falemos sobre autoconhecimento e sobre formarmos a nossa própria autoestima, aquilo que ouvimos das pessoas, especialmente de quem gostamos, influencia diretamente o que pensamos sobre nós mesmos. Ser desprezado por alguém, especialmente por alguém por quem nutrimos sentimentos, causa uma dor muito forte.

E essa dor vem do fato de que é natural do ser humano querer ser agradável e admirado. Ninguém dá um presente para outra pessoa esperando ouvir: “Hum, não gostei”, por exemplo. Presenteamos as pessoas porque queremos que elas fiquem felizes com o nosso presente e, acima de tudo, com a nossa atitude de presentear.

Portanto, é possível dizer que a nossa autoestima e o nosso amor-próprio estão diretamente relacionados com o que as pessoas pensam de nós, afinal, como se considerar uma pessoa boa se todos nos dizem que não somos? Ainda que o exterior não forme a nossa autoestima, ele tem a função de validá-la.

Isso é bom? É claro que nem sempre. Seria ótimo se conseguíssemos formar uma opinião sobre nós mesmos e não deixar essa opinião ser abalada por pensamentos alheios, mas, infelizmente, não é assim que funcionamos. E é aí que entra a dor causada pelo desprezo.

Quando vamos ao encontro de alguém esperando algo e o que essa pessoa nos entrega é diferente do que estamos esperando ou achamos que merecemos, dói. Dói porque nos decepciona e nos faz pensar: “Achei que eu era merecedor disso, mas percebi que não sou”. Isso abala nossa autoestima e nosso amor-próprio.

5 – Não devolva desprezo com desprezo

Ser paciente é uma virtude até contra o desprezo. Você não deve agir impulsivamente, mas, pelo contrário, deve ser paciente e esperar. Nunca se sabe o que o outro está pensando, e às vezes podemos estar tirando conclusões erradas sobre as pessoas.

Devolvendo desprezo a um suposto desprezo, você só está alimentando um ciclo sem fim. O ideal, portanto, é que você aja de forma diferente, pois só assim compreenderá o que de fato acontece.

Homem de pé segurando um capacete e apontando o dedo para três pessoas sentadas, sendo duas mulheres e um homem. Os três estão de cabeça baixa com as mãos sobre ela. Eles estão sendo desprezados pelo homem que está de pé.

6 – Trate bem os outros e não os despreze

Às vezes um suposto desprezo do outro é desencadeado pela maneira que você lida com ele. Sabendo disso, você deve sempre estar atento à forma com a qual você trata as pessoas, sem julgá-las e desprezá-las desnecessariamente.

Assim como você, essas outras pessoas também têm suas singularidades e pontos fortes que podem fornecer ensinamentos valiosos para a sua vida, portanto não despreze nem desvalorize ninguém.

7 – Desabafe sobre o que sente

Se o desprezo te causa muita amargura, você não precisa se fechar. Busque alguém para conversar, mas nunca se tranque em si mesmo, pois os sentimentos podem te frustrar e te prender num ciclo interminável de frustrações e angústias.

Além disso, é bom que você ouça a opinião e as palavras de alguém que te estime de fato. A visão de um terceiro é importante para que possamos refletir, comparando ela com a nossa, a fim de obter a melhor atitude a se tomar contra o desprezo.

8 – Busque o diálogo com quem te despreza

O diálogo é sempre o melhor caminho. Quando se sentir confortável, tente conversar com aquela pessoa que te despreza: aja com segurança, carregue um sorriso no rosto e tente esclarecer seus sentimentos em relação a essa situação.

Se esse alguém insistir em te mostrar desprezo e ojeriza, continue tratando-o com amor e sensatez. Claro, pra tudo há um limite, e você não deve se humilhar para obter qualquer perdão ou consideração dessa outra pessoa.

9 – O amor próprio vence o desprezo alheio

Ainda que alguém te ofereça desprezo e tente te afetar negativamente com palavras maldosas, você é alguém único e especial.

Não permita que interpretações erradas sobre a sua pessoa te definam e te afetem, pois só você sabe quem você é e ninguém pode invadir o seu verdadeiro interior e o que você realmente é.

Cultive o amor próprio, entenda suas qualidades e as estime em vez de deixar que palavras negativas e desafetos dominem o seu íntimo.

Você já ouviu falar sobre inteligência emocional? Em suma, inteligência emocional é a capacidade de “administrar” emoções negativas. Investir nessa habilidade nos ajuda a lidar com o desprezo. Uma hora ou outra, cada um de nós sofrerá com um desprezo na vida. Se não é possível evitar isso, que ao menos aprendamos a trabalhar esse sentimento e a superá-lo, como superamos qualquer outra tristeza em nossas vidas.

Homem de costas e de braços abertos fazendo uma oração de gratidão olhando para o sol se pondo.
Maxim Evdokimov / Unsplash

Você também pode gostar

Apesar das sugestões e das dicas, você nunca deve subestimar seus problemas emocionais. Não importa se é sobre se sentir desprezado, amargurado, ansioso ou triste: se você se sente desconfortável, emocionalmente frustrado e sente que as coisas não estão indo bem, encoraje-se e procure ajuda profissional. É importante respeitar e nunca desprezar o outro, mas você também deve se respeitar e nunca se desprezar por aquilo que você é.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br