Convivendo

Ensinamentos valiosos dos filmes da Pixar

Televisão mostrando a animação da Pixar e na mesa em frente uma xícara e um controle da TV
Lacey Barton / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

No dia 22 de novembro de 2020 fará 25 anos que a Pixar lançou o seu primeiro longa-metragem de animação, Toy Story, e arrebatou os corações de adultos e crianças no mundo todo.

Desde então, os lançamentos de animações conquistam a bilheteria e a crítica do cinema, trazendo encantamento e emoção ao telespectador, que ainda tem o bônus da reflexão posterior sobre as lições de vida que permeiam os enredos.

Com design e técnicas impecáveis, os “desenhos” são cheios de magia e trazem, principalmente à infância, o deleite para viver essa experiência maravilhosa que é ser criança, já com valores capazes de modificar o pensamento e a sociedade presente e futura.

Quando crianças, emocionamo-nos com as histórias de brinquedos, de peixinhos, de robôs. Já adultos, relembramos os bons momentos, podemos refletir sobre os ensinamentos e as apresentamos aos filhos, sobrinhos e outras pessoas que podem junto conosco compartilhar desse mundo espetacular.

Um pouco sobre a Pixar

Letreiro da Pixa Studios ao lado de prédios
Max Cortez/ Unsplash

A companhia era uma divisão da Lucasfilm, a Graphics Group, que criou softwares de computação gráfica e colaborou com a Industrial Light & Magic na criação de efeitos visuais de filmes como Star Trek II e O Jovem Sherlock Holmes.

Em 1986, Steve Jobs comprou a divisão e estabeleceu uma companhia independente, que foi rebatizada como Pixar, junção dos termos “pixel” e “radar”, sendo voltada para a produção de hardware, como o Pixar Image Computer, muito comprado pela Walt Disney Pictures.

Para mostrar a capacidade do computador e alavancar as vendas, um dos empregados, John Lasseter, produziu curtas-metragens de animação. Posteriormente foram produzidos comerciais.

Depois de muito investimento sem retorno de Steve Jobs, ele fez uma parceria com a Disney para produzir três longas de animação, começando com Toy Story.

Posteriormente a Disney adquiriu a Pixar, tornando Steve Jobs o maior acionista individual da companhia.

Lições para a vida toda

Se a arte imita a vida ou a vida imita a arte, não iremos discutir. Convidamos você a chegar às suas próprias conclusões, mas abordaremos os ensinamentos valiosos dos filmes da Pixar. Aprecie e reflita conosco.

O poder da amizade

Woody, Buzz Lightyear e  Jessie um ao lado do outro com expressões de assustados
Divulgação/ Toy Story

No primeiro filme da tetralogia Toy Story – Um mundo de aventuras (1995), no aniversário de Andy, os amigos vão à casa dele para a comemoração, com presentes que normalmente são brinquedos. Enquanto isso, os brinquedos do quarto dele ganham vida e, em uma força-tarefa, tentam identificar quais farão parte do grupo a partir de então. O líder dos brinquedos, o cowboy Woody, deixa de ser o preferido do menino e se vê ameaçado por Buzz Lightyear, demonstrando, tal qual os seres humanos, ciúme, carência e solidão. O ponto alto da animação é a amizade que todos desenvolvem entre si, pela qual enfrentam as dificuldades para resgatar Buzz, que acaba indo para a casa do vizinho Sid Phillips, sem amigos e com instintos destrutivos de brinquedos. Para reforçar a amizade, são trazidos à tona a traição, a saudade e a necessidade que todos têm de ser estimados, amados e lembrados. O poder da amizade vai fortalecer essa turma, que trará a experiência ainda do trabalho em equipe e a constatação para Buzz de quem ele realmente é.

Na segunda animação de Toy Story – Em busca de Woody (1999), a amizade é ampliada e comporta seres vindos de outro planeta, os aliens, que mesmo sendo diferentes e estranhos à Terra, são bem aceitos pelos outros brinquedos, reforçando o respeito às diferenças.

Na terceira produção, Toy Story III, de 2010, vencedora do Oscar de Melhor Animação, os brinquedos mais uma vez estão unidos e trabalham em equipe, com amizade, para vencer os conflitos e desafios que se apresentam contra o malvado ursinho Lotso, que por fim acaba sendo ajudado pelos demais brinquedos, reforçando ainda que é possível fazer o bem sem olhar a quem e que todos merecem uma nova oportunidade.

Toy Story IV, vencedor do Oscar de Melhor Animação, encerra as aventuras dos brinquedos mais queridos da Pixar, em 2019. Com um desfecho de ouro, a força da amizade se confirma, entre Andy e Woody. No momento da despedida (Andy está indo para a universidade), o agora rapaz declara ao brinquedo cowboy e fiel companheiro que ele é especial porque nunca desistiu dele. Sublime! Para ver repetidas vezes, a vida toda!

A união fortalece e transforma

Personagens da Vida de Insetos olhando para tfrente e sorrindo
Divulgação/ Vida de Insetos

Na animação A bug’s life (Vida de inseto), de 1998, tomando como base a fábula “A formiga e o gafanhoto”, a trama se desenrola com o protagonista Flik, uma formiga macho inventiva que, com o objetivo de ajudar a sua colônia de formigas, obrigada a colher sementes e folhas para a reserva dos gafanhotos no inverno, acaba por destruir tudo o que foi coletado e obriga a colônia a arrecadar o dobro. Ele assume a culpa e sai em busca de uma solução, já demonstrando resiliência. Um dos pontos altos é a união que Flik promove para lutar contra a imposição dos gafanhotos e para proteger a colônia dessa dominação, uma vez que ele percebe que seria surpreendente para os gafanhotos ver as formigas se rebelando. A união das formigas modifica a situação de longos anos de submissão aos gafanhotos, levando-nos a mais uma lição – há resultados diferentes para atitudes diferentes. Questões que envolvem liderança, adoção de diferentes papéis em um grupo, a solução de conflitos, a esperança, a comunicação e como alcançar um objetivo também são temas abordados nesta animação incrível. A transformação da lagarta, personagem integrante do circo, também é emblemática, porque traz o primeiro passo para se transformar, que é acreditar. Outro ponto alto é enxergar diferente, com outro tipo de abrangência e perspectiva: “Eu sei que é uma pedra, mas vamos só fingir por um minuto que é uma semente, tá? Vamos tentar imaginar… Olha essa árvore. Tudo que formou essa árvore enorme já estava dentro dessa sementinha pequenininha. Ela só precisou de um tempinho, um pouquinho de sol e chuva e VOILÀ!” Fantástico!

A felicidade traz melhores resultados

Mike e Sullivan acenando e sorrindo ao lado de outros monstrinhos
Divulgação/Monstros S.A

Assustar as crianças no quarto, enquanto estão dormindo, é a missão dos monstros dessa companhia, que consegue energia pelo medo que elas sentem. Nessa animação da Pixar, Monstros S.A. (2001), a grande lição é que a felicidade gera melhores resultados, faz prosperar, enquanto o medo e a infelicidade provocam o oposto. Carinho, amizade, gentileza e enxergar novas possibilidades fazem os amigos Mike Wazowski e James P. Sullivan, os monstros mais adoráveis do filme, protegerem a menina Boo de Randall Boggs, o vilão mimetizado.

A superproteção impede o crescimento, a imprudência é muito perigosa

Dori e Marlin olhando para frente e sorrindo
Divulgação/Procurando Nemo

A produção vencedora do Oscar de Melhor Animação Procurando Nemo (2003) é uma das mais carismáticas de todos os tempos. Ela traz tantos ensinamentos, com tanta sutileza, que destacar um é até injustiça. Na jornada de busca ao filho (Nemo), Marlin, um peixe-palhaço, faz descobertas sobre si e sobre a importância de ver a vida de forma mais leve e com coragem para enfrentar os desafios que possam surgir. Enquanto segue em mar aberto, fora do coral em que vivia, ele encontra Dori, a peixinha desmemoriada, que encara a vida e as diferenças sem preconceitos e com muito “jogo de cintura”. Nemo é um peixinho diferente, com uma nadadeira deficiente. Dori também. Os tubarões, amigos dela, também. As tartarugas enxergam a vida de forma positiva, com liberdade. O enredo trata de confrontar a superproteção de Marlin sobre Nemo, que desafia com imprudência as orientações do pai e acaba se distanciando de casa e se colocando em perigo. Essa temática tem como pano de fundo aceitar as diferenças e enxergar a vida sob uma nova perspectiva, com amor, com apoio e com proteção à liberdade do outro de ter suas próprias experiências. Simplesmente emocionante, você não acha?

Somos a soma de nossas capacidades e dos nossos talentos

Mulher elástica se segurando em uma torre e olhando para baixo
Divulgação/ Os Incríveis

A família Pera, da animação da Pixar Os Incríveis, de 2004 (ganhador do Oscar de Melhor Animação), e da animação Os Incríveis II, de 2018, é composta por dois grandes super-heróis, que são afastados de sua rotina de combate ao crime e aos vilões e devem manter a família, com outros membros também com superpoderes, em segurança e obscura em um primeiro momento, parecendo normal aos olhos da sociedade. Já no primeiro filme, entretanto, o Sr. Incrível, na vida comum Beto Pera, vive desanimado e desperdiçado em seus talentos, que se revelam, permitindo que os dos outros membros de sua família também sejam desenvolvidos. Entre não ter segredos com a família, a cumplicidade e a fraternidade, há um grande ensinamento –que nossos talentos e nossas habilidades são parte de cada um e influenciam a nossa personalidade. É fortalecedor e mais feliz ter a coragem de se assumir como se é de fato.

Humildade para vencer

McQueen  na pista de corrida com outro carro ao lado
lvira Koneva/ 123RF

Na trilogia de animação Carros (2006), Carros II (2011) e Carros III (2017), os personagens são trazidos ao enredo para ensinar a grande lição de humildade que é capaz de nos fazer vencer os desafios, aproveitar as oportunidades que estejam relacionadas aos nossos objetivos e encarar o fracasso como parte do aprendizado para desenvolver a resiliência e avançar para outras etapas. Na trama, a adaptação às mudanças, a perseverança, a paciência, ser honesto e sonhar alto permeiam a necessidade de se autoconhecer e voltar às origens e encontrar as raízes para deixar um legado de conquistas que tem menos a ver com vencer corridas e mais a ver com encarar o quanto somos aprendizes em descobrir quem realmente somos. Básico!

Buscar realizar um sonho

Remy segurando um queijo na cabeça com expressão de espanto e ao fundo alguns pratos quebrados
Divulgação/ Ratatouille

Em junho de 2007, o lançamento nos cinemas foi o filme da Pixar Ratatouille, vencedor do Oscar de Melhor Animação. Contrariando todos os estereótipos e os preconceitos, Remy, o ratinho protagonista da trama, empenha-se para realizar o sonho de ser chef de cozinha em Paris. Ele conta com a amizade de Linguini, que também se descobre muito capaz e se fortalece, rompendo o rótulo de só ser aceito por ser filho do falecido dono do restaurante, o renomado chef Auguste Gusteau. A perseverança e a coragem para se dedicar ao objetivo que pretende alcançar é comovente e desafia todos nós a enfrentar as dificuldades, principalmente pelas palavras “qualquer um pode cozinhar”, metáfora para “qualquer um pode realizar o seu sonho”. Extraordinário! Em paralelo, o crítico gastronômico Anton Ego vai avaliar o restaurante onde trabalha Linguini e se depara com o prato título da animação. Imediatamente ele é remetido à infância, criando um vínculo com a “comida afetiva” e trazendo à memória dos telespectadores as situações semelhantes. Depois da animação, uma das receitas mais procuradas na internet foi o ratatouille.

Consciência ecológica para cuidar do planeta

Wall-E olhando para o céu
Divulgação/ Wall-E

Na produção de 2008 da Pixar vencedora do Oscar de Melhor Animação, Wall-E, a Terra se tornou um grande aterro sanitário, não apresentando condições de vida. Os habitantes vivem no espaço, em uma enorme nave espacial. Não há vida no planeta. A ação do homem devastou o próprio habitat e dizimou a possibilidade de outras vidas também. A esperança está em uma plantinha encontrada pelo robô título da animação. Em meio a muitos sentimentos profundos, principalmente o amor, o grande ensinamento do enredo é entendermos que a nossa responsabilidade é grande e imediata para a preservação do planeta em que vivemos para as gerações atuais e para as futuras.

Nunca é tarde para realizar os sonhos

Casa com vários balões voando pelo céu
Divulgação/Up – Altas aventuras

Em maio de 2009 chegava aos cinemas Up – Altas aventuras, da Pixar, que ganhou o Oscar de Melhor Animação. Na comovente história, um garoto escoteiro inicia uma amizade com o idoso viúvo Carl, que se lembra de sua esposa e dos sonhos que desejavam realizar, especificamente um, que era morar em uma floresta da América do Sul. Ameaçado de perder a casa em que morava para um empreendimento imobiliário, ele amarra balões em sua casa para que ela flutue e ele possa sair de onde está e realize aquele sonho e uma aventura nos céus. Para a sua surpresa, nessa jornada o menino o acompanha. O grande ensinamento dessa magnífica obra é consonante com a máxima de que “Os sonhos não envelhecem” e sempre é tempo de realizá-los.

Seja você mesmo(a)

Merida segurando um arco em flechas e mirando para frente
Divulgação/ Valente

Em Valente, o lançamento da Pixar de 2012, vencedor do Oscar de Melhor Animação, a protagonista Merida tem uma relação conturbada com sua mãe, pois não deseja ser a princesa estereotipada que seu futuro aguarda, preferindo uma vida de experiências muito diferentes. Ela é colocada à prova e deve demonstrar coragem para enfrentar desafios, o seu amor pela mãe e conseguir equilíbrio. A trama traz a imagem de uma mulher guerreira, moderna, que atinge maturidade e consegue ser ela mesma, com todas as temeridades e forças, mas principalmente com uma visão além de seu tempo. Um ensinamento de mudança de mentalidade não só para as meninas, mas para todos.

A importância do autoconhecimento

Mike criança com boné de universidade
Divulgação/Pixar Universidade Monstros

Na animação de 2013 da Pixar Universidade Monstros, Mike e Sully (personagens de Monstros S.A.) vão para a universidade. Mike deseja se tornar um monstro assustador, mas tem o seu objetivo frustrado. Sabendo de seu potencial cômico e que há outros caminhos a seguir, ele resolve mudar os seus objetivos e se desenvolver de forma diferente e mais próxima aos seus talentos. É uma bela lição sobre a importância de se autoconhecer. Outro ensinamento da trama é que para todas as ações existem consequências, que precisam ser enfrentadas com responsabilidade.

A importância da inteligência emocional

Alegria, Nojinho, Tristeza, Raiva, Medo olhando para cima
Divulgação/ Divertida Mente

Divertida mente, produção de 2015 da Pixar, vencedora do Oscar de Melhor Animação, é uma das animações mais significativas do cinema. O enredo traz a menina Riley, que tenta superar as próprias emoções de alegria, tristeza, raiva, desgosto, medo e se vê em dificuldades. Trata de inteligência emocional. O grande ensinamento dessa animação é que não há problema em sentir todo tipo de emoção, pois elas existem, importam e são parte da vida das pessoas, entretanto lidar com elas e saber como controlá-las na expressão social é fundamental, ainda que se conte com pessoas queridas e profissionais para ajudar. O autoconhecimento é o pano de fundo para toda a experiência. A expressão das emoções também é considerada e vai se modificando com a aquisição da maturidade pela protagonista. Sensível e inteligente.

O autoconhecimento é uma viagem de superação ao desconhecido

Arlo olhando com felicidade para Spot
Divulgação/ O Bom Dinossauro

Na animação da Pixar de novembro de 2015 O bom dinossauro, um menino (Spot) se torna amigo de um apatossauro (Arlo), depois que os dois são levados pela correnteza de um rio em meio a uma tempestade. Lidar com perdas, enfrentar os próprios medos, estabelecer a confiança em si, vivenciar a solidariedade e o companheirismo com um ser muito diferente, exercitar a tolerância e se envolver em uma jornada de autoconhecimento são os ensinamentos da animação. Praticamente demonstra um ritual de passagem para a maturidade e a superação do desconhecido. O amor é a força propulsora para vencer as inseguranças. Uma bela história, onde a natureza ajuda a contar o enredo e tira o filme do lugar-comum. Permite uma reflexão profunda.

Aceitar os outros como eles são

Dori olhando para frente ao lado de algumas algas
Reprodução/ Procurando Dori

Depois do sucesso estrondoso de Procurando Nemo, a Pixar lançou em junho de 2016 a animação Procurando Dory. A peixinha azul protagonista da trama deseja encontrar a sua família, mas se vê impedida devido aos problemas de memória. Apoiada por Nemo, ela vai enfrentar os seus medos, identificar e aceitar as suas limitações, valorizar a família, desenvolver a perseverança, ter as suas qualidades reforçadas e valorizadas. Mas o grande ensinamento da história para nós é aceitar os outros exatamente como eles são, aceitar as diferenças. Um mar de sensibilidade e bom gosto define essa oportunidade para rever valores sociais.

A integridade como valor

Hector e Miguel dançando na rua
Divulgação/É Viva – A vida é uma festa

Uma animação colorida, musical e rica, associada ao Dia dos Mortos do México, foi lançada pela Pixar em novembro de 2017 e venceu merecidamente o Oscar de Melhor Animação do ano seguinte. É Viva – A vida é uma festa. O enredo traz Miguel, um garoto de 12 anos que deseja ser um músico famoso, contrariando a sua família, envolvendo-se com o mundo dos mortos e desvendando um mistério de 100 anos. Valores ligados à família, respeito aos idosos, resgate das origens e principalmente o valor do dinheiro em contraponto a todos os outros mais éticos são trazidos pela trama maravilhosa, dinâmica, com música, cena e enredo encaixados primorosamente. Uma produção que conquista a atenção pela profundidade dos assuntos abordados e pela diversão, tudo muito equilibrado. Não há como não se apaixonar e não se enternecer.

Lidar com a perda de um ente querido

Ian e Laurel sentados em cima do carro
Divulgação/Dois irmãos: Uma jornada fantástica

A animação da Pixar, lançada em março de 2020, Dois irmãos: Uma jornada fantástica traz a história de dois irmãos elfos, Ian e Barley, que recebem da mãe um objeto mágico e com ele pretendem trazer à vida o pai falecido. Em uma aventura de autodescoberta, respeito e confiança, a animação se desenvolve em uma jornada simples e comovente, onde a perda do pai é abordada com profundidade e leveza e se torna a grande lição da trama. Outro tema abordado é a adoção da tecnologia, que distancia a magia e muda o jeito de ser dos seres encantados como elfos e unicórnios, levando os telespectadores a refletirem a respeito.

A história de sucesso da Pixar não se resume aos longas-metragens premiados com Oscar e Globo de Ouro. As produções incluem sete curtas-metragens do Spark Shorts, 19 curtas-metragens baseados em filmes e 20 curtas-metragens originais.

Você também pode gostar

Se pensarmos que é possível ao mesmo tempo ter entretenimento de boa qualidade com a possibilidade de refletir sobre assuntos importantes para nós enquanto pessoas e seres sociais do mundo, cabe uma pergunta: por que não? Se você ainda não teve a oportunidade de ver algum filme dessa lista, procure conhecer. Aprecie, reflita e conquiste outros universos ao lado de quem você ama!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]