Convivendo

Entrevista com Alana Trauczynski, autora do livro “Recalculando a rota”

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

O livro “Recalculando a rota” pode ser considerado um guia para deixar no lado da cama e ler antes de dormir (se você não devorar a leitura em dias). De qualquer modo, é um livro que vai lhe ajudar a ver se sua rota pode ou deve ser modificada.

ALANA T.-185Alana Trauczynski, a autora, é natural de Santa Catarina e hoje vive em diversos lugares do mundo, como ela mesma colocou. Em 2012, lançou o “Recalculando a rota”, fruto de viagens a trabalho, conhecimento e muito mais. Conversamos com Alana e ela nos falou um pouco sobre sua trajetória.

Eu sem Fronteiras: Me conte um pouco de você. Onde mora, o que faz?

Recalculando a rota: Sou escritora, palestrante, autora de um livro que se chama “Recalculando a rota” e também empreendedora digital e coach. Tenho um programa on-line de autoconhecimento para pessoas que considerem que a rota de suas vidas precise ser recalculada. Você pode ver tudo o que faço no site. Eu sou meio nômade, vou morando onde dá na telha… geralmente fico uns 3 meses em cada lugar.

ESF:  Como funciona o programa Recalculando a rota?

Recalculando a rota: O Programa Recalculando a rota é inteiro on-line, numa plataforma própria. São 12 videoaulas de 30 minutos liberadas uma a uma, semanalmente. Cada aula tem um caderno de exercícios de coaching e uma meditação a ser praticada todos os dias. Fazemos também 5 aulas ao vivo e um encontro anual, que virou um evento muito cobiçado chamado Firefly Wonderland. Eu lanço o programa somente uma vez por ano, então as pessoas precisam se inscrever nesta época. Tirando isso, muito do meu conteúdo é gratuito, através do meu site, da página do Recalculando a rota no Facebook e os vídeos no YouTube. Assim, você acessa muito do meu conteúdo e, se for pra você, pode se inscrever para a próxima turma do programa.

ESF:  A que abordagens e estudos você se direciona para fazer este trabalho?

Recalculando a rota: Estudei com os maiores coachs do mundo, grandes autores e mestres de sabedoria. O programa é baseado praticamente na psicologia positiva, em princípios da física quântica e na neurociência.

ESF:  Qualquer pessoa do país pode fazer ou depende muito dos eventos onde você estará?

Recalculando a rota: Qualquer pessoa NO MUNDO pode fazer, mas o evento ao vivo anual é no Brasil.

ESF:  Se falava há muito tempo dessa divisão de vida pessoal e trabalho e agora muitos acreditam ser uma coisa só. Como você enxerga isso?

Recalculando a rota: Eu não vejo como uma coisa só. Quem eu sou é muito maior do que o que faço. Mas na vida das webcelebridades, isso está mesmo se misturando muito porque a vida toda é postada e divulgada, servindo como exemplo e referência. Eu tenho sentido um pouco de receio quanto a isso, porque não quero ser exemplo. Meu único mérito é compartilhar meu conhecimento.

ESF: Algumas pessoas querem mudar de área, não estão felizes em seu trabalho, mas colocam a questão financeira em primeiro lugar. Por que fazer essa travessia é tão difícil? 

Recalculando a rota: Como toda travessia, a gente precisa primeiro dar um passo no escuro. Este passo é o mais difícil. A gente precisa apostar sem garantias e o ser humano gosta da segurança. Vejo também que muitas pessoas têm dificuldade de assumir responsabilidade pelas suas próprias vidas e ficam vivendo uma vida que não querem e se vitimizando por muito tempo.

ESF:  O que você mais observa nas pessoas a partir do curso que fizeram com você?

Recalculando a rota: A maior transformação do curso é que as pessoas passam a ser observadoras de si mesmas, não vivem mais a vida como se fosse um videogame, reagindo ao que aparece na tela. Elas se tornam responsáveis por si mesmas e cocriadoras de sua própria realidade.

ESF: Em meio à crise, como as pessoas podem se reinventar?

Recalculando a rota: Toda reinvenção parte de um pensamento diferente, que não é linear, não é o normal, esperado, socialmente aceito. Aqueles que conseguem ser criativos e adaptáveis sobrevivem à crise facilmente e inclusive ganham mais dinheiro durante esse período. Mas é preciso coragem…

ESF: Deixe uma mensagem:

Recalculando a rota: O coração é um órgão muito mais inteligente do que o cérebro na hora de tomar decisões. O cérebro vai sempre optar pelo que seria “correto”, plausível, teoricamente “inteligente” e socialmente aceito. O coração dá respostas loucas, que muitas vezes assustam, demandam mobilizações difíceis e são aparentemente sem sentido. Mas estas respostas te levam ao verdadeiro propósito, ao verdadeiro caminho… As respostas da mente só te retardam.


  • Entrevista realizada por Angélica Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]