Autoconhecimento Energia em Equilíbrio

Infinito dentro

Pessoa meditando em um campo de flores
Marcio Binow da Silva / Getty Images / Canva
Priscilla Herrerias
Escrito por Priscilla Herrerias

Há alguns anos, no Caminho de Santiago, após muitos quilômetros e uma sessão de liberação miofascial energética, um peregrino estava muito maravilhado com as sensações que surgiam em seu corpo e com todas as descobertas que ele estava fazendo sobre si mesmo naquele período.

Caminhar um percurso tão longo abre uma porta para a escuta do corpo. É preciso prestar atenção em como estamos nos sentindo, onde estão as dores, como estão os pés e os sentimentos, como está a alimentação, se há energia para mais ou é hora de descansar. É fundamental cuidar-se, acolher-se. Caminhar também traz memórias, histórias, sentimentos… Observando e sentindo o corpo, podemos entrar em um estado de meditação profundo.

Sinto que precisamos, como coletivo, cada vez mais escutar e respeitar a sabedoria de nossos corpos; deixar de tratá-los como meros veículos ou poços de preocupações estéticas.

Vejo todos os dias, em meus atendimentos, como o corpo vai traçando estratégias para compensar desequilíbrios e fragilidades, como a forma que ele adquire é reflexo de nossa mente e de nossas emoções, como realmente somos a unidade entre corpo, mente e espírito.

Em nossa sociedade criou-se uma hierarquia entre a mente e o corpo; a ilusão de que a mente “controla”. Até mesmo a maneira como nossa linguagem está estruturada deixa ver essa dicotomia: quando digo “meu corpo”, por exemplo, deixo claro que “eu”, “sujeito/mente”, “possuo”, estou “acima”, “decido”.

Mão humana sendo comparado ao relevo de um mapa mundi
Lightguard / Schankz / Getty Images Signature / Canva

Recentemente assisti ao belo documentário Professor Polvo, e me chamou a atenção o fato de que o polvo, com suas centenas de ventosas espalhadas pelo corpo invertebrado, é, segundo o documentarista, aquilo que mais se assemelha a uma inteligência alienígena em nosso planeta. Pareceu-me maravilhosa essa ideia de toda inteligência espalhada pelo corpo!

Acredito que, embora diferente do polvo, também temos uma inteligência muito especial em nosso corpo. Recentes pesquisas apontam a fáscia como nosso grande órgão de percepção, em comunicação direta com o cérebro; a todo momento a fáscia está gerando informações sobre nossas sensações, dores, posturas, além de nos informar sobre nossa relação com o espaço. A fáscia, esse tecido sem começo nem fim, vasto, fluido, mutável, ainda tão misterioso, nos dá a sensação do próprio infinito dentro de nós.

E aí voltamos a Paolo, o peregrino do começo de nosso artigo.

No dia seguinte à sessão, pela manhã, antes de sair, disse-me que se sentia muito bem, que havia descansado profundamente e que tinha sonhado muito. Um dos sonhos havia sido muito marcante. Nele, chamavam-no “investigador do infinito”.

Sardas no rosto sendo comparadas ao céu estrelado
Chermiti Mohamed / Robertsrob / Getty Images Pro / Pexels / Canva

Naquela manhã fresca, ele fez questão de compartilhar comigo esse sonho, porque era exatamente assim que se sentia: um “investigador do infinito”, do infinito dentro.

Fiquei muito tocada com a imagem, com o seu compartilhar e com o brilho que havia em seus olhos.

Você também pode gostar

O infinito é fora, mas também dentro.

Para dentro também é infinito, território de tantas, tantas paisagens!

Grazie, Paolo, que maravilha de viagem!

E você? Tem investigado seu infinito?

Sobre o autor

Priscilla Herrerias

Priscilla Herrerias

Sou formada em artes cênicas, pesquisadora das artes do corpo e do movimento. Seguindo esse caminho, comecei a me aproximar das terapias corporais. Sou formada em Myofascial Energetic Release (Liberação Miofascial Energética), uma terapia de toque profundo e consciente, pelo criador da técnica, Satyarthi Peloquin. Atualmente atendo em São Paulo, na Vila Mariana.

Contato:
Email: [email protected]
Facebook: deepbodywork
Instagram: @infinitodentro