Convivendo Psicanálise

Neusa Santos, a Psicanalista que apresentou o negro a ele mesmo

A psicanalista e escritora Lea Freire.
Reprodução / Lea Freire / Acervo Pessoal / UOL / Canva / Eu Sem Fronteiras

Neusa Santos Souza era psicanalista lacaniana, psiquiatra e escritora. Nasceu na Bahia em 1948. Neusa se formou na Universidade Federal da Bahia, mesma faculdade de Juliano Moreira, psiquiatra negro que lutou no combate ao racismo científico.

Desde o início da graduação em Medicina, Neusa já demonstrava seu interesse pela Psiquiatria. Durante a graduação, ela foi assistente em um sanatório ainda na Bahia. Em meados dos anos 70, mudou-se para o Rio de Janeiro, com o objetivo de estudar Psicanálise e ingressou no curso de mestrado do Instituto de Psiquiatria da UFRJ.

Sua tese de mestrado virou o que mais tarde seria um dos grandes livros marcados por sua luta antirracista e para mostrar os efeitos do racismo na saúde mental da população negra: “Tornar-se Negro” é um norteador não só para profissionais das áreas da Psicologia e Psicanálise, mas também para pessoas negras na compreensão, autoconhecimento e ressignificação de ser negro.

A capa do livro "Tornar-se Negro", pertencente à autora Neusa Santos Souza.
Divulgação / Editora Zahar

Neusa teve passagens pelo Núcleo de Estudos Psicanalíticos (NEP) na Bahia, em grupos de estudos no Instituto Brasileiro de Psicanálise, assumindo um papel muito importante na formação de analistas.

Além disso, a psicanalista foi um dos nomes a lutar pela reforma psiquiátrica no Brasil, participando dos experimentos iniciais. Neusa atuou no Centro Psiquiátrico Pedro II, mesmo local onde Nise da Silveira iniciou a revolução no tratamento de transtornos mentais.

“Tornar-se Negro” passou a ser um livro em 1983, e, além dele, a psicanalista escreveu mais outros dois: “A Psicose – um Estudo Lacaniano” e “O Objeto da Angústia”. Este último nasce de uma perspectiva da releitura do “Conceito do Ideal do Eu”, de Freud, sob a ótica do racismo sofrido pela população negra.

A escritora e psicanalista Neusa Santos Souza.
Reprodução / Inconsciente Real

Neusa tirou sua vida em 2008. Ninguém sabe o que pode tê-la levado por esse caminho – ela deixou uma carta aos amigos mais próximos se desculpando. Mas o que sabemos é que Neusa foi uma grande psiquiatra e psicanalista negra. Seus estudos sobre os impactos do racismo na saúde mental foram, e ainda são, de grande valia para a população negra, e seus feitos para a reforma psiquiátrica deram impulso para uma atuação mais humanizada no Brasil.

Você também pode gostar

“Saber-se negra é viver a experiência de ter sido massacrada em sua identidade, confundida em suas expectativas, submetida a exigências, compelida a expectativas alienadas.” – Neusa Santos.

Sobre o autor

Beatriz de Andrade Silva

Psicóloga clínica, orientada pela psicanálise freudiana, especialista em diversidade nas organizações (PUC-SP), pós-graduada em direitos humanos, responsabilidade social e cidadania global (PUC-RS), pós-graduanda em psicologia e desenvolvimento infantil e pesquisadora das relações étnico-raciais. Atuou por oito anos no mercado financeiro, na área de recursos humanos, com foco em atração, seleção, treinamento e desenvolvimento. Na área social, é voluntária em um coletivo que busca colocar a diversidade e a inclusão em pauta e ação e, por fim, é mentora voluntária de jovens de 16 a 23 anos, auxiliando no propósito de carreira.

Contatos
Email: psicologa.beatrizandrade@outlook.com
Facebook: Beatriz Silva
Instagram: @eupsicologabeatriz
Linkedin: Beatriz de Andrade Silva