Autoconhecimento

O fardo da culpa

Thiane Avila
Escrito por Thiane Avila

Talvez nem sempre seja um entregar-se para amanhã desistir. Ouvir para não mais falar ou, então, machucar-se e deixar sentir. A banalidade do próprio contentamento sobre si talvez seja mortal àquilo que se espera ser vindouro. A infelicidade também é resultado, mas o final do processo nem sempre significa o ruim. Pelo contrário.

Perante todas as idas e vindas de ilusões, percebe-se que a vida é transcorrida por capítulos adversos, que variam entre o tudo e o nada. Os extremos são, pois, coexistências nada pacíficas, cujo único intuito é transgredir. Deslegitimar. A verdade falsificada ainda é uma verdade, só que falsa. É delicada a compreensão sobre a mantença de duas forças opostas, ao mesmo tempo em que não se entende que o impossível é só uma questão de identidade. Torna-se individual quando a dinâmica já não reproduz mais de um eixo.

Não há, pois, lei do retorno ou confluência de energias entre quem só sabe se redimir. O erro é a própria constância que permite o ciclo. O fardo da culpa nada mais é do que o universo sobreposto a uma só informação. A um só querer perante os mesmos olhos, sem exceção. Perante às mesmas crenças, sem mudança. A possibilidade de viver livre da culpa é só uma nuance dentro da carga do julgamento. O réu veredito de uma sincronicidade que nem sempre existe.

Aprendi que não posso carregar a responsabilidade pela infelicidade dos outros. Pensar em si é um egoísmo necessário. Lidar sem empatia é uma individualidade distorcida. Não se trata de não se preocupar ou não agir em prol do que gira em torno, mas interpretar o entorno como componente. Não somos peças desligadas do resto, mas sim encaixes necessários ao todo.

Closeup Headshot Very Sad Depressed, Stressed Disappointed Gloom

Aprendendo a conviver com a derrota perante expectativas frustradas e é consenso que a culpa se esvai quando o amor floresce. Não assumir os próprios erros pode ser tão ruim quanto assumir aqueles que não o são. Viver a própria vida já é difícil, quiçá a penalidades de culpas divisíveis ou então que nem sejam do próprio pertencimento.

Atuamo-nos constantemente por dívidas que não são nossas. Ilusões que não foram criadas em nossas mentes. Sou também vítima de histórias inventadas, de envolvimentos romantizados. De enrolações bem resolvidas. A esperança, quando junto da vontade, é também perigosa. Por isso os extremos que não se adequam. As limitações que não conhecem seus limites. Amor e dor são indissociáveis, bem como culpa e arrependimento. Cura e vontade de doer.

Todo o sentimento que embaça a vista pode ser distorcido.

A lágrima derramada no colo é o indício de qualquer coisa que balança. Que tira de um estado normalizado de consciência. O fardo da culpa que uma lágrima traz, embora tenha a capacidade de molhar não só quem chora, ainda assim não faz parte de quem está de fora. Compadeçamo-nos sem, no entanto, confundir compreensão com o assumir de algo que não precisamos carregar. Peso extra apenas se vier com o discernimento sobre a quem ele pertence, caso contrário, é autoboicote.

Sobre o autor

Thiane Avila

Thiane Avila

Com experiência na área da educação, Thiane já ministrou aulas particulares de Língua Inglesa e Portuguesa, bem como atuou em escolas de idiomas. Estudante de relações públicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, também cursa teatro e é colunista de uma Revista em sua cidade natal, Gravataí, além de colaborar com outras plataformas virtuais literárias.

A escrita já rendeu algumas premiações nacionais e participações em coletâneas. Os prêmios recebidos contemplam o 3º lugar no Concurso Literário Icozeiro (julho de 2014), o certificado de Qualidade Literária pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (maio de 2015) e o reconhecimento pelo Conselho Editorial da Câmara Brasileira de Jovens Escritores do Rio de Janeira pela qualidade literária da obra selecionada para publicação nas edições de maio de 2015.

Contato:

Email: [email protected]
Facebook: Thiane Ávila
Site: Jundiaí Online

Participação nas seguintes coletâneas: “Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos” Volume 124 e “Poemas descalços na noite serena” – ambos pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores.