Autoconhecimento

O que é ikigai e como descobrir seu propósito na vida?

Você acredita que todo ser humano tem um propósito, algo que justifica nossa existência e nossa estadia neste mundo? Pois se você acredita nisso, saiba que pode transformar essa ideia meio mística e divina em algo bem concreto, e isso com a ajuda de um conceito japonês chamado ikigai!

O que é Ikigai?

O termo japonês “ikigai” significa nada mais nada menos do que “razão de ser”. Há ainda quem defenda que ele é a junção de “iki” (“vida”) e “gai” (“valer a pena”). E isso já demonstra o que essa palavra significa: o motivo pelo qual nos levantamos da cama todos os dias, perseguimos os nossos sonhos e vivemos nossa vida.

É claro que ninguém está na vida por um único motivo: temos família, sonhos, amores, hobbies, amigos, desejos… Mas, segundo essa teoria do ikigai, todos temos, lá em nosso íntimo, algo bastante marcante e que determina quem somos e a trajetória que nossa vida vai ter, que é o nosso propósito.

Antes de partirmos para explorar como descobrir o seu ikigai (o seu propósito), vamos entender um pouco mais sobre a origem desse termo e desse conceito.

Como surgiu o ikigai?

Os primeiros registros do conceito de ikigai datam do período Heian (794 a 1185), mas historiadores japoneses estimam que ele já era bastante popular, mesmo antes de ter sido registrado pela primeira vez. Não se sabe ao certo como surgiu ou quem criou, apenas que já fazia parte da sociedade havia muito tempo.

Por ser um conceito milenar na cultura japonesa, o ikigai já está bastante arraigado na mentalidade do povo desse país oriental, por isso é que os japoneses levam sua vida profissional e seu propósito tão a sério, a ponto de sofrerem com problemas como depressão quando as coisas não saem como eles imaginam.

Como descobrir o seu ikigai?

Normalmente, o ikigai é ilustrado pela junção de quatro círculos. Cada círculo representa uma pergunta que você deve se fazer. Esses círculos, quando dispostos em formato de sinal de + formam intersecções: cada círculo encontra outros dois círculos. No fim, ikigai é o centro da junção de todos esses círculos, unindo todos os conceitos e perguntas que você deve se fazer.

Antes de mais nada, vamos entender quais são as quatro perguntas que você precisa se fazer:

As perguntas

Mulher escrevendo em um papel.
Green Chameleon / Unsplash

1 – Interesse — o que você ama?

Esse é o ponto de partida. Neste tópico, você deve pensar nas atividades que mais gosta de fazer, independentemente de elas serem remuneradas ou não. Na verdade, um bom caminho é pensar: “Se não houvesse a necessidade de trabalhar e ganhar dinheiro, com o que eu ocuparia o meu tempo?”.

2 – Habilidade — no que você é bom?

Muitas vezes, amamos muito alguma coisa, mas infelizmente não somos muito bons nela. Em outras, somos muito bons em algo de que realmente não gostamos… Se, no primeiro tópico, você pensou nas suas paixões e nos seus interesses, neste tópico você considera suas capacidades e habilidades.

3 – Necessidade — do que o mundo precisa?

O que você acha que falta no mundo? E por “mundo”, você pode diminuir essa escala: o que falta no seu estado, na sua cidade, no seu bairro, nas suas redes sociais, na internet como um todo? Enfim, comece a pensar naquilo que você gostaria de ver mais no mundo, algo que seja plausível.

4 – Remuneração — pelo que você pode ser pago?

E agora é o momento em que você analisa seus interesses e paixões, suas capacidades e habilidades, aquilo de que o mundo precisa e tenta concluir: “Entre todas essas coisas, por quais eu posso ser remunerado e viver uma vida confortável com base nisso? De que forma meus interesses, habilidades e visão de mundo podem se juntar?”.

Os conceitos

Agora que você já conhece as perguntas, pode avançar para os conceitos. São 4 conceitos, todos eles somando duas das perguntas feitas acima, que serão resumidas neste tópico com a palavra que inicia cada uma das perguntas:

Papel escrito Ikigai.
marekuliasz / Shutterstock

1 – Paixão = habilidade + interesse

Quando você pensa em uma coisa que você ama fazer e sabe que tem um bom desempenho nessa atividade, aí está a sua paixão. Pois, ao mesmo tempo em que ela te motiva, ela te recompensa com um bom desempenho.

2 – Missão = interesse + necessidade

Se você conseguir juntar algo pelo qual é interessado a uma necessidade que existe no mundo, aí está a sua missão, a tarefa que você precisa cumprir. Pois ela vai unir aquilo que te move, que você ama, com aquilo de que o mundo precisa.

3 – Vocação = necessidade + remuneração

Dizemos que tem vocação para uma função uma pessoa que cumpre bem um objetivo e ainda é paga por isso. Por isso é que, quando você junta uma necessidade que supre no mundo e é remunerado por isso, aí está a sua vocação.

4 – Profissão = remuneração + habilidade

Por que chamamos um carpinteiro de carpinteiro? Porque ele é muito habilidoso com madeira e, por isso, ganha dinheiro manuseando esse recurso. Por isso é que nossa profissão une aquilo em que somos bons, para que sejamos remunerados por isso.

Por fim, o ikigai é a soma de tudo isso: a paixão aliada à missão, junto à vocação e encaixada numa profissão. Quando conseguimos encaixar todas essas coisas e fazer com que elas funcionem como aliadas e companheiras, aí descobrimos o nosso propósito e podemos buscar realizá-lo da melhor maneira possível.

E como chegar ao ikigai? É simples: descobrindo seus interesses, suas habilidades, as necessidades do mundo e como ser remunerado por tudo isso, você desvenda sua paixão, sua missão, sua vocação e sua profissão. E a junção de tudo isso é o seu ikigai, o seu propósito.

E é assim porque é unir aquilo que você ama (paixão), aquilo no qual você é bom (vocação), aquilo que o mundo precisa que você realize (missão) e, por fim, aquilo que remunera você de maneira justa.

Mulher sentada em uma calçada. Ela está olhando para o lado.
Priscilla Du Preez / Unsplash

Todos precisamos ter um ikigai?

Não. Você é livre para pensar se esse conceito faz sentido para você – e, então, se fizer, aplicá-lo em sua vida. Se você não acredita em propósito, está tudo bem também, pois o ikigai não é uma verdade absoluta nem pretende ser. Por isso, você tem todo o direito de discordar da aplicação e do funcionamento dele.

Um exemplo prático

Vamos a um exemplo prático! Elaboramos respostas ficcionais para as perguntas e os conceitos do ikigai, para ajudar a ilustrar como ele funciona. Veja:

As perguntas

  • 1 – Interesse — “Ouvir pessoas e suas histórias”.
  • 2 – Habilidade — “Aconselhar e guiar pessoas, acolher, cuidar”.
  • 3 – Necessidade — “O mundo precisa de mais empatia, de ouvidos atentos”.
  • 4 – Remuneração — “As pessoas estão dispostas a pagar por ouvidos atentos”.

Agora que sabemos que essa pessoa ama ouvir outras pessoas, sabe bem aconselhá-las, considerada que o mundo precisa dessa presença atenta e que as pessoas estão dispostas a remunerar alguém por isso, vamos aos conceitos.

Os conceitos

1 – Paixão = “Estar na presença de pessoas, comunicando-se com elas, ouvindo o que têm a dizer e falando quando acha pertinente”.

2 – Missão = “Ajudar pessoas, ouvi-las e acolhê-las, melhorando o mundo por meio da melhoria de indivíduos”.

3 – Vocação = “As pessoas estão dispostas a remunerar alguém que disponha ouvidos atentos e dê conselhos precisos, portanto essa habilidade e essa paixão podem se tornar profissão”.

4 – Profissão = “Psicólogos ouvem pessoas a respeito de suas vidas, fazem comentários, ajudam no processo de autoconhecimento, aconselham quando pertinente e, enfim, ganham dinheiro por isso”.

Vemos, a partir do exemplo descrito acima, que a profissão de psicólogo combina muito com essa pessoa, porque ela tem vocação para essa função, por ter a missão de ajudar o mundo por meio de ajudar pessoas, já que é apaixonada por ouvir histórias e problemas das pessoas, além de aconselhá-las.

Você também pode gostar

Mais do que apontar uma profissão, o ikigai aqui pode ser resumido como: essa pessoa tem como propósito ajudar o mundo a evoluir a partir da evolução individual daqueles com quem se conecta, porque ouve com atenção, acolhe, aconchega e também aconselha e fala, quando acha isso cabível.

Enfim, agora que você o que é ikigai e descobriu como desvendar o seu, novos horizontes podem se abrir em sua vida, deixando mais claro quem você é e qual é o seu papel neste mundo. E aí? O ikigai faz sentido para você?

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br