Budismo

O Templo Sagrado de Shambala

Cabeça de Buda, velas acesas e cristal roxo.
marychka / 123rf
Escrito por Carlos Pompeu

A união do ser humano com energias cósmicas torna-se no centro da luz espiritual, que teria existido, fisicamente; como uma ilha no mar de Gobi, na Ásia Central; onde era ensinado “o caminho do meio”, possivelmente, a origem do Budismo; por Gautama, que era conhecido como BUDA.

“Eliminem tudo que existir em vocês em desejos e pensamentos humanos, purifique seus corpos interiores, antes de chegarem aqui (Shambala); pois é um ambiente sagrado.”

O templo sagrado de Shambala é de um beleza sobrenatural, algo mágico, encantado, como se fosse um elixir da vida, onde reina a paz, a felicidade e também a tranquilidade.

A meta a ser alcançada é a expansão da consciência, é a busca do encontro com o plano divino, com o auxílio da força da luz.

Existem várias lendas sobre Shambala e, atualmente, a maior autoridade sobre o assunto é o Dalai Lama.

O cinema “hollywoodiano” inspirou-se no templo sagrado da tradição espiritual do oriente, como inspiração do filme “Horizonte Perdido”; utilizando o nome “Shangri-lá”.

Tanto a lenda quanto a ficção cinematográfica falam de mistérios, como aquele onde seus habitantes não envelhecem; devido à doutrina esotérica e por secreta e ocultamente haver algo nesse local que alavanca a evolução espiritual da humanidade.

Estátua de Buda.
Tanmay Agrawal / Unsplash

Algumas dicas para você se aprofundar na leitura sobre Shambala:

  • “Shambhala – A Trilha Sagrada do Guerreiro” de Chogiam Trungpa
  • “A Décima Profecia”, de James Redfilston

A cidade mística é envolvida por um “mix” de mistério, misticismo; um tesouro oculto na tradição espiritual do oriente.

Entre vários relatos, alguns incluem fantasias e muita imaginação; mas a que mais fascina, seria a “original”; que diz que Suchandra, o rei de Shambala, fizera um pedido a BUDA, onde solicitava um meio de elevação espiritual e por isso teria recebido o “Kalachakra Tantra”, uma espécie de meditação, e que o regente teria criado então uma mandala, “o ciclo dos tempos”.

Você também pode gostar

No entanto, seu original despareceu, dois anos depois de converter a comunidade em uma sociedade iluminada. Conta que após esse período ele saiu para caminhar e não voltou mais.

Houve um resgate de reminiscências ao longo dos séculos; sendo que em 1966, um manuscrito da Biblioteca Katmandu, capital do Nepal, foi revisto e Lakesh Chandra e Rahu Vira, rescreveram o texto. E passamos a ter acesso ao texto tibetano, que teria surgido anteriormente, em sânscrito.

Além da mandala tridimensional, Suchandra, poeta, escreveu 12 mil versos, que explicavam a complexa meditação.

Sobre o autor

Carlos Pompeu

Carlos Pompeu, 46 anos, bacharel em Direito e formação em Letras, tendo sido redator publicitário e colunista em jornais e revistas, escreve em blogues, sobre entretenimento e cultura, na internet, sendo autor de livros virtuais de ficção, no qual adota o pseudônimo Boris de Pedra. Começou, ainda nos anos 1990, com esse nome artístico,”Boris”, em uma banda de Rock, na qual tocava baixo e cantava, além de compor as músicas e letras.

Já no século XXI, migrou para a Literatura, não tendo ainda nenhuma publicação, mas com a esperança de ter sua obra editada. No entanto, sabe que essa possibilidade encontra-se na formatação de um público leitor, o que vem fazendo, escrevendo na internet.

Atualmente tem suas atenções voltadas para a Terapia Holística, sendo sua especialidade o Reiki, com a graduação Nível III, o que o inspirou a escrever textos com a temática esotérica, que abordam a espiritualidade, pensamentos positivos e a autossugestão mental.

E-mail: ccarlospompeu@gmail.com
Site: tecnocibernetico.wordpress.com/