Convivendo

Os excêntricos Tenenbaums: Quando a pressão é demais

Elenco do filme Os Excêntricos Tenenbaums um ao lado do outro
Divulgação/Os Excêntricos Tenenbaums
Vanderlei Tenório
Escrito por Vanderlei Tenório

O terceiro filme da filmografia célere do cineasta texano Wes Anderson marca por ser a consolidação palpável de seu estilo textual, estético e conceitual disposto em toda sua série de filmes. “Os Excêntricos Tenenbaums” evidencia de forma direta o conceito de excentricidade, delicadeza, subjetividade e experimentação comum em grande parte dos filmes produzidos pelo estadunidense. Wes aplicou excepcionalmente todo esse conjunto teórico em uma família nada comum, ele conseguiu converter todo um contexto simples em algo relativamente emblemático, belo e sensível aos olhos. Sim, há uma magia nas entrelinhas do argumento de composição do texto, os personagens são versados de forma poética (são únicos e originais), o cenário e a ambientação carregam o charme do ato de ser excêntrico.

Escrito pelo próprio Wes Anderson em parceria com o ator Owen Wilson, que também integra o elenco principal do filme (indicado ao Oscar, na categoria de Melhor Roteiro Original, em 2002). “Os Excêntricos Tenenbaums” tem como enredo central a história de uma família complexada e estranha, essa família tem em seu núcleo familiar três filhos totalmente diferentes, complexados, inteligentes, prodígios e singulares, que tristemente são adultos frágeis, instáveis, egocêntricos, soturnos, antissociais e solitários. Ademais, não conseguiram suprir as expectativas especuladas pelos pais Royal e Etheline. Os pais, respectivamente, estão em um processo louco de divórcio litigioso, e em meio a tudo isso Etheline está iniciando um novo relacionamento. Royal totalmente sem noção resolve regressar para sua antiga casa com a ‘’missão’’ de tentar reunir seus filhos prodígios.

Wes e Owen tiveram cuidado ao desenvolver os personagens, o roteiro foi construído impecavelmente. Aqui, entretanto, a unidade do todo é mantida de modo muito sugestivo e interessante pela ideia de que a excentricidade das personas é aplicada visceralmente em uma família incomum dos Estados Unidos. Os personagens expressam a intencionalidade de Wes. Algo regular em seu estilo único de composição, em tendências gerais, os personagens exercem um efeito psicológico quando olhamos o âmbito familiar em que estão inseridos. Eles são transparentes desde o primeiro capítulo do longa, mas nunca de maneira completa, o que intensifica o charme peculiar da elaboração. Contudo, ao telespectador fica nítido quem são e o que motiva cada personagem, durante o filme podemos visualizar e entender o quão significativo e sentido pode ser o abandono de um pai, e como isso afeta diretamente o modo de relacionamento da família, em especial o trio de filhos. Uma vez que o longa insere, assim, personagens deprimidos, inseguros e soturnos que recorrem ativamente à privação de seus sentimentos e de sua própria realidade cotidiana.

Vamos aos filhos, Chas (Ben Stiller) é o tipo de pessoa que não consegue lidar com perdas, Margot (Gwyneth Paltrow) é misteriosa e opta sempre por esconder seus segredos de toda a família, não consegue ser honesta e direta com ninguém, e Richie (Luke Wilson), que abriu mão de uma carreira em ascensão e do convívio em sociedade por não saber lidar com os sentimentos que silenciosamente alimenta por sua irmã de criação Margot. Em resumo, são pessoas subjetivas, mortiças, infelizes, depressivas, sensíveis e inconformadas com o sentido de suas vidas.

Duas crianças e dois homens sorrindo se segurando um caminhão de lixo
Divulgação/Os Excêntricos Tenenbaums

Em sentido mais exato, os personagens da galeria de Wes Anderson são desajustados no que se refere aos padrões de vida da sociedade normativa, ultrapassam seu autotransformar e diferenciar, o que fornece dinamismo a todo movimento de composição geral e singular de cada um, vivenciam uma luta constante, a luta contra a própria forma, contra o princípio da forma. Para compreendê-los é necessário codificar as situações paradoxais do cotidiano e interpretar as relações inconstantes, pedíeis, insistíeis e anormais que a trama aprofunda. Os filhos de Royal cresceram como prodígios, idolatrados e superestimados por ele e sua ex-esposa. No entanto, o trauma do abandono criou adultos narcisistas, insatisfeitos e egocêntricos no tocante ao peso que a genialidade lhes impôs. Essa característica ecoa substancialmente em todos os outros personagens coadjuvantes da obra. Finalmente nos deparamos em torno destas considerações, com um fundamento passível de ser comprovado no interior e, em maior escala, no exterior de cada filho do casal. Essa talvez seja, em geral, o que posso aqui indicar como uma crítica intencional ao individualismo moderno, conceito duramente criticado por Wes no filme. O fato é que o trio de protagonistas carrega o peso de um passado notável e um futuro irresoluto, são pragmáticos e compostos de sentimentos intangíveis e fluxos inertes, são seres constituídos de partículas que os preenchem e os deixam vazios ao mesmo tempo. Desse modo, a vida e tudo o que os rodeia se expressa imediatamente em cada um, tal fator determina a condução do destino comum e independente deles.

Toda essa densa contextualização apenas confirma o quão incomum pode ser a realidade paralela em que o enredo de ‘’Os Excêntricos Tenenbaums’’ transcorre. Mesmo o narrador situando que o espaço narrativo é a cidade estadunidense de Nova York, em momento algum isto é pontuado como local de ação do filme. Em tese, no processo de construção artística, a cenografia do filme pode até induzir-nos a pensar que o filme é ambientado na cidade de Nova York, mas se percebermos ao mesmo tempo essa ambientação pode ser projetada em qualquer cidade do mundo. A casa e o figurino dos personagens são organizados para que não tenham década específica, Wes quis organizá-los em múltiplos períodos do recente século e do século anterior e assim desenvolver na trama a condução de personagens perdidos em não lugares.

A fotografia de Robert Yeoman (Indicado ao Oscar de Melhor Fotografia, em 2015, pelo trabalho na obra “O Grande Hotel Budapeste”, outro filme de Wes) instiga o âmago dos personagens. Wes Anderson é fissurado por simetria e com o apoio de Yeoman, que desenvolveu a cenografia de outros projetos dele, busca dialogar com o público sempre deixando evidente, por meio da centralização, quem é o mais importante em cena. Todos os personagens e cenários estão sempre organizados visualmente desta maneira, com exceção de Margot, que assim como lembra o pai não é filha biológica, por isso ela é propositalmente colocada no canto de tela, fora da dimensão visual projetada pela dupla. Essa construção visual amplia o efeito narrativo do longa, sem contar que dá seguimento ao efeito proposto em todos filmes da filmografia de Anderson.

Quando falamos de um longa produzido por Wes Anderson, a fotografia, o design de produção e a direção de arte são pontos fortes que conduzem a trama tanto quanto o próprio roteiro. A paleta de cores selecionada por Carl Sprague para cada personagem também descreve um pouco da personalidade individual de cada um. Além de uma história bem intrigante, o filme conta com uma trilha sonora impecável, com artistas como: Bob Dylan, The Velvet Underground, The Clash, Elliott Smith, John Lennon, Ramones, entre outros.

Três homens e uma mulher em um corredor de apartamento, enquanto do outro tem uma mulher encostada na parede
Divulgação/Os Excêntricos Tenenbaums

Estruturalmente falando, o longa é construído como um livro de crônica familiar, onde cada capítulo ilustra um personagem ao mesmo tempo que a subtrama transcorre durante todo esse período. Entretanto, é importante lembrar que é impossível separar qualquer temática que não foque em Royal Tenenbaum, o pomposo e bonachão pai da família. Cabe destacar que todas as situações construídas nas cenas do filme são decorrentes do abandono desse pai. O papel rendeu a Gene Hackman o Prêmio da Sociedade Nacional de Críticos de Cinema de Melhor Ator, o Globo de Ouro de Melhor Ator em Comédia ou Musical, o Chicago Film Critics Association de Melhor Ator, o Boston Society of Film Critics de Melhor Ator, e foi indicado ao Satellite Awards de Melhor Ator em Filme Musical ou Comédia. Contudo, infelizmente, não conseguiu ser indicado ao Oscar de Melhor Ator. Trazendo para 2020, como será que essa família reagiu à pandemia do COVID-19? (risos).

Royal é um personagem dúbio, egocêntrico e egoísta e o roteiro tentou criar essa dúvida sobre o real motivo de seu retorno para casa. Será mesmo que foi pela expulsão do hotel em que vivia ou será que foi o anúncio do casamento de sua ex-esposa que motivou esse retorno? Seja qual for a reposta, a intenção de Owen Wilson e Wes Anderson não mudaria o egoísmo cego e a insensibilidade vil desse complexo personagem, que não pestaneja em brincar com os sentimentos dos outros. Em síntese, Royal Tenenbaum não é apenas um cafajeste, é um embuste de marca maior, que sente prazer quando tudo flui em seu favor. Mesmo que o texto final do filme tente relevar os atos cometidos por ele, é impossível apagar as rasuras que ele deixou na história desta família diferentona.

Você também pode gostar

Em suma, o longa é classificado em comédia dramática, já que o texto consegue arrancar algumas risadas, ao mesmo tempo que apresenta cunho dramático em várias cenas. Owen e Wes foram perspicazes ao escreverem um texto onde ficam nítidos vários temas polêmicos, e é magistral a forma como eles conseguiram apresentar tudo isso de forma tão natural. Wes e Owen abordaram de forma sublime temas como: morte, incesto, depressão, suicídio, traição, abandono do lar, pais tóxicos, divórcio, carreira, sucesso etc. Tanto esmero rendeu à dupla nomeações ao Oscar de Melhor Roteiro Original, ao BAFTA de Cinema, na categoria Melhor Roteiro Original, ao Writers Guild of America Award de Melhor Roteiro Original, ao Phoenix Film Critics Society Award de Melhor Roteiro Original, ao Online Film Critics Society Award de Melhor Roteiro Original e ao Chicago Film Critics Association Award de Melhor Roteiro Original.

Esse terceiro filme da carreira de Wes evidencia o espaço construído por um jovem cineasta ao mostrar que é muito mais do que histórias cotidianas contadas de um jeito inusitado, ele é capaz de reunir um bom elenco e dar espaço para que todos tenham seu momento de importância sem serem ofuscados por ninguém, mas brilharem em conjunto. Esse é o poder da magia de Anderson. É o poder de seu mundo particular.

Sobre o autor

Vanderlei Tenório

Vanderlei Tenório

Faço parte de um grupo formado por 39 perfis de influenciadores de geografia para o Instagram, em que tenho um projeto chamado Cinema e Geografia, esse projeto é voltado para todos os públicos. Um dos princípios que me levaram a criar esse perfil foi iniciar um canal de difusão do olhar geográfico e da educação de forma factual e didática. Criando uma ponte entre os conceitos científicos em contraponto com a parte lúdica das análises de filmes, quando aprendemos por meio do entretenimento, tudo fica mais fácil também. Por meio de histórias, tudo fica mais natural, e não falo apenas das histórias contadas em filmes, grande parte da nossa vida é regida por narrativas desde que nascemos. Mesmo que a gente pegue uma história pela metade, seja na TV, seja por alguém contando, é fácil ser capturado e acabar se interessando por sua continuidade.

É possível que você encontre pessoas que não tenham o costume de assistir filmes rotineiramente, mas é comum encontrar pessoas dispostas a receber alguma indicação, comentário ou relato da história de algum filme de que você tenha gostado, e esse fator tem sido um diferencial importante no projeto. Os filmes nos libertam de situações ruins e chatas ou de quaisquer outros hábitos cotidianos. Principalmente se você assistir no cinema, que é um ambiente voltado para o mergulho. O ato de assistir torna-se uma terapia necessária nos dias atuais.

Sempre gostei de comentar e escrever sobre cinema (área em que eu atuaria se fosse jornalista). Então, literalmente, resolvi unir o útil ao agradável. Disso nasceu o projeto CINEMA E GEOGRAFIA. Um perfil feito para falar de geografia de forma prática, metodológica, científica e lúdica, tendo como motor de ação os filmes, evidenciando que a geografia se faz presente ativamente no cotidiano.

Minha coluna terá o objetivo de explicitar como o cinema revela um potencial educativo próprio capaz de educar os sentidos e a sensibilidade, mediante um impacto emocional, do qual pode derivar uma reflexão a partir do viés dos conteúdos filosóficos, históricos, psicológicos, sociológicos, políticos, geográficos, antropológicos e científicos, desenvolvendo a inteligência emocional e intelectual, incidindo no nível da intuição e da imaginação. Pretendo esclarecer como a sétima arte funda uma linguagem específica na tentativa de retratar diferentes realidades sob o ponto de vista comportamental e emocional.

Contato
Email: [email protected]