Convivendo

A pior mãe do mundo

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

O mundo está cada vez mais cheio de ódio e sofrimento. E as crianças acabam se tornando um horizonte de esperança para toda a humanidade. É imprescindível que pais e mães tenham muita atenção com a forma que educam seus filhos e a forma como eles se relacionam com a sociedade. 

A escritora americana Jaime Primak Sullivan, leva educação dos seus filhos muito a sério, mesmo que ela possa acabar sendo considerada a pior mãe do mundo.

Em abril de 2016, ela e seus filhos foram a uma sorveteria e fizeram seus pedidos, porém ao receberem os sovertes, as crianças tiveram uma atitude que, para Jaime, foi inaceitável.

Leia o depoimento que ela postou em sua página no Facebook:

Então… eu sou a pior mãe que já existiu… Tipo… No mundo todo. Eu levei as crianças ao Dairy Queen (cadeia de restaurantes) depois do jantar. Eles pediram suas sobremesas e nós esperamos 5 minutos até que eles chamassem o nosso número. Uma mocinha (talvez com 17 anos) deu um sorvete para cada um dos meus filhos. Nenhum deles a olhou nos olhos.  Nenhum deles disse obrigado. Nem para ela, nem para mim… Então eu esperei. Eu contei até 10 na minha cabeça enquanto eles devoravam o sorvete e a jovem apenas olhava para mim (provavelmente porque ela pensou que eu estivesse escutando vozes), e eu vi meus filhos saírem pela porta. Eu os segui até o lado de fora, onde calmamente eu peguei o sorvete deles, enquanto eles me olhavam com horror, e os joguei na lixeira que havia por perto. Os três ficaram histéricos. Eu esperei. Quieta. Calma. Quando eles se deram conta de que eu tinha algo a dizer, eles se acalmaram. Eu expliquei que um dia, se eles tivessem sorte, eles iriam ter um emprego como o daquela jovem. E que eu esperava que as pessoas os vissem. Realmente os notassem. Olhassem eles nos olhos e dissessem “obrigado”. Nós já estamos bem grandinhos, aos 8/7/5 anos de idade, para sair por aí sem ter boas maneiras e, honestamente, sem ter o básico de decência humana. Então, hoje, eu sou a pior mãe do mundo.”

Tudo que é postado nas redes social recebe muita atenção, principalmente quando é algo polêmico. A história da família de Jaime rendeu muitos comentários, positivos e negativos.

Sobre o episódio na sorveteria, ela declarou em uma entrevista: “Não é suficiente dizermos “obrigado” e “por favor”: nós precisamos ver as pessoas… Meus filhos precisam ver o valor individual de cada pessoa”.

Seja qual for a sua opinião na história, a verdade é que a educação das crianças é a única forma de encontrarmos paz para a nossa sociedade, por isso é preciso ter uma atenção extra com ela.

O que você faria se estivesse nessa situação?


  • Escrito por Gabrielle Carreira da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]