Autoconhecimento Filosofia

POESIAS DO POETA NILO DEYSON MONTEIRO PESSANHA

POEMA “TODOS ESTÃO SENDO”

Voltando para o centro
Do universo onde me
Encontro em versões mil
Para ter sentido essa vida,
A verdade retraída na noção
Mais bonita de que sem
Mim, o mundo não terá menos
Sentido quanto mais teria
Na minha razão

Se não me entendem,
Perdem a noção de que
Quem certezas absolutas
Se fecha, se perde de
Minha invenção;
De que todos estão certos
No universo da sua própria
Criação; mas são
Fracos na convicção…

Se tudo não passa de um
Teatro ou enredo que evita
O pavor, desculpe minha
Franqueza, mas você diante
Do nada, não passa de
Um ser querendo viver
Estando fora do centro
Deste universo e
Daquilo para o qual
Ninguém te chamou…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “SEM PRESENTE NA AUSÊNCIA”

Tantos balanços esperam
Balançar mundo afora,
Ao lado da solidão que
Apavora vê, quem nesta
Hora senta, balança, se
Lança ao vazio do ar

Na espera de não ninguém,
Ficar sozinha, ir além com
A imaginação então; vai lá,
um balançar alcançar nas
Alturas do impulso
Enquanto o outro no
Parado puro de alguém
Não se move a quem…

Balanços pelo mundo
Escutam as imaginações,
Tudo que se pensa se
Reflete no além; onde
O horizonte se perde da
Atenção e o balanço viaja
Na emoção de quem
Nele se lança ao futuro da loucura…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “INFINITO NO TEMPO ENERGIA”

Homem de costas, na frente de um trem em movimento.
Amos Bar-Zeev / Unsplash

Evolução do meu ser
Para um estado de ataraxia,
Rompimento das coisas que eu
pensava que sabia;
Mas eram estórias,
pura fantasia, deixei…

Coisas que eu sei
Me calo todos os dias
Só falo quando
Estou em boa companhia,
Tudo que um espírito
Me passar por harmonia

Sou energia do universo,
Me presto, me empresto a
Serviço do Grande Arquiteto
Do Universo em favor de ser
Assim, servir alguma coisa
Maior do que a mim.

Por fim,
Não perco meu tempo,
Sou bem seletivo, sigo
Onde sopra o vento;
Leve como a sabedoria, existe
No silêncio, vê, observa;
Diz: “Namastê” eterno
Me movo no tempo…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “SOU MULHER MAIOR QUE O FUTURO”

Quem elegeu a busca,
não pode recusar a travessia;
Sigo meu destino destemida
Em harmonia, sem interstício;
Não raro, paro, vejo que me
Olham de cima abaixo

Sigo, não falo,
Apenas calo deixando som
Dos meus pés descalços
No teto dos trilhos, sem barulho
Em curtos passos
Chego na velocidade
Do destino esperado

Enfim, a partir daqui
Sem saber de mim sumi,
Vivi andando por aí à frente
Da travessia que um dia
Pensei que podia parar aqui;
pelo que sentia, mas não,
Era só fantasia;
Sou maior que o destino
À frente que futuro daria…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “UM DIA TÃO”

Pelo que virá enfim,
Não digo que a vida é bela
Tampouco me nego a ela
Digo sim em palavras sem música,
Espero na inocência como de
Infância, estou só,
Sou mulher, sou criança

Dança, dança na música muda
Em minha imaginação,
Não é solidão, tampouco
A vaidade da solicitude,
Sou mulher de atitude;
O que vier dirá os meios
Pelos quais paro, analiso
Sem rodeios e por fim…

Assim me disfarço da força que
Faço, para não mostrar meu
Cansaço nem minha saudade,
Dos tempos bons, em que
Meus dias coloridos brincava,
Vivia sorrindo e sem perigo;
Cenários diversos iluminavam
meus ciclos…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “O ESCURO ENCANTA”

Sou a luz na escuridão
de um preconceito,
da falta de respeito,
Do desamor pela diversidade;
Sou luz que acende a verdade
Enxerga e vê nas trevas

Sou voraz, não me apego
ao abrigo da tua alma,
Sem temer ao teu breu,
Me enxerga, sou eu;
Sou o corpo incêndio
só o fogo me acalma,

Não me queimo
Me divirto e no escuro
Ouço gritos de pavor
De meninos, que se
Afloram na imaginação,
Mas afinal o escuro é
Só invenção,
Tudo é claro na escuridão…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “100 SENTIDOS FAZEM SENTIDO “

Mãos femininas na areia da praia.
Jakob Owens / Unsplash

Não me censure
Sou a natureza,
flor do Jardim
Sou árvores e montes, confins
Estradas passam por mim
Bem assim; provoco e
Toco na reflexão de olhares
Milhares, pensar, vagar

Meus confins fogem
Ao horizonte onde me acham
A cada instante
Ao lado sou gigante,
Montanhas, colinas
Sou o florescer na neblina

Imagina uma árvore
Vista da janela da sua viagem,
De frutos, desejos, miragem,
Que suas mãos
Não alcançam,
Mas seus olhos
Me gostam, me gastam
Desejam mas não tocam;

Assim é o interior na alma de uma
Mulher, como a natureza plena
Bela, vive, sem pena
Exibe seu corpo
Suas pernas e
Coitados dos marmanjos
Que viajam nos pastos e
Digo aos machos:
“Não sou uma qualquer”

Árvore, montes e vales
Ali vou viver,
Ali seus olhos me veem
Profunda e complexa
De caminhos diversos
Sou poesia, sou verso
Onde me presto a ser
Inspiração na reflexão
De quem por mim
Versa…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “ME DÊ SEUS SENTIDOS”

Esteja com os anjos,
Porque se estiver comigo
Sonhará com os anjos,
Sou eu seu perigo,
Distância medonha
Eu seu destino,
Me carrega nos
Ombros gigante menino

Esteja com os monges,
Porque se estiver comigo
Meditará lá nos montes,
Conhecerá o perigo,
E no auge do transe
Serei bem atrevido,
No som de um mantra
Gemerá em meu ouvido…

Esteja na igreja,
Porque se estiver comigo
Não terá mais certezas
Somente no que acredito,
Conhecerá a verdade
Abandonando os seus mitos,
Não tenho certezas
Apenas leio eu muitos livros;
Me dê seus sentidos…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “LUTO DO PARAÍSO”

Era uma vez,
Um jardim colorido
Onde a alma da atmosfera
presente unia com leveza,
Ar e natureza,
Tudo tão lindo

O tempo foi passando,
Uma tal modernidade chegando,
Chegando, pronto…
Sufocando, o ar que se
Foi acabando
Nos pulmões dos jardins

Coitada de mim,
Florestas, rios, jardins…
Natureza presa por uma tal pobreza,
Não submissa,
Mas sim manejada
pelo animal “homem”
que, por ganância
Não mede circunstâncias

Parece não ter fim
Tanta maldade assim
A serviço do quê?
Desmatam, sufocam e sabem
Que sem mim vão morrer;

Ninguém mais aguenta;
represa arrebenta
Tempestades que matam
Morros desabam
Cidades alagam e
Natureza se cala em
Luto pelo espaço perdido…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “INCÓGNITA NO ABISMO”

Do abismo da ilusão
Onde vivem os poetas,
Na loucura da paixão de
Um cadáver adiado ao
Lado do tempo, uivam os ventos

A lua cheia em estado de demência
Emiti na atmosfera energias
Românticas de dramas
E tramas, onde o poeta
Se engana em se perder
Estando achado…

Enquanto embaixo, dos lados,
Uma rocha firme imprime
Pegadas lentas nas terras
Que ainda o vento no
Tempo não varreu…

De tudo ao poeta vivo
Que valeu, ficou aquilo
Que não morreu na
Intenção dos passos
De uma ação tão pouca
Portanto tão muito
Ainda há de vir…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “NOITE FÉRTIL”

Lua entre uma fina camada de nuvens.
Ganapathy Kumar / Unsplash

Salve fauno lunar
Estrelas do mar
Ondas no porão;
em um lugar sei lá,
Longe da minha razão

Lucidez embriagada
No show da madrugada
Enquanto canta o vento,
Fico eu em meu silêncio
Em admirar …

Noite atraente que
Mexe com a gente
Que vive carente
De gente excelente
Sapientes em
Nos agradar…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “PENSA ILUSTR-AÇÃO”

Sou a poesia que te agasalha
Sua mais oculta fantasia, sua tara;
Mente pensou, que tal, como estou?

Sirva-te da sua imaginação
Quanta emoção!
Sou mulher, sua fraqueza,
Tesão, incerteza
A que te faz perdido sentir

Pedido que faz,
Sentido que fiz
Estou fora do país,
Longe, em outro estado
Ao lado da sua loucura por mim

É bem assim,
Que se forma na mente um
Estado demente de paixão voluntária
Carente que se arde
Por me sentir quente só de ver..

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “CALE-SE & SINTA”

Cale-se,
Somos superiores;
Mulheres fortes, sensuais
Das cidades ou de interiores,
Amadas, desejadas de muitos
Marmanjos que babam
Ao nos ver passar,
Só falta com os olhos nos devorar

Olham nossos rostos,
Fantasiam nossos corpos
Se prestam a nos agradar
Tudo para poder chegar,
E se nós, para um deles olhar,
Já era, espera que vai grudar,
Até conquistar

Depois,
Dependendo do que em ti há,
Ficará, dirá te amar até te
Pedirá as mãos para casar
Dizendo que o futuro o seu
Lar com ele será
Neném terá para ninar e
ele pai bobo ficar

Se isso não acontecer
Será apenas uma transa
Puro prazer, depois, cada
Um para seu destino e você mulher,
Continue sorrindo que outros
Olhos te desejam devorar …

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “REAL MENINO”

Mil faces da vida em mim
Oscilam ecleticamente na mente
Que por verdade não mente,
Na vertente real, sente-se o bem,
Sente-se mal e sento eu de
Baixo-astral, feliz e triste
Confuso e tal

Sem medo dou mais um passo;
Corajoso destemido, sou
Criança, ainda menino,
Perdido no meu mundo
Vendo outros destinos,
Onde não se pode ver além
Do espelho em reflexos d’água das minhas
Lágrimas…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “ME TIRE DO JARDIM”

Mulher entre várias flores brancas, segurando algumas nas mãos e sentindo seu cheiro.
Alexander Grey / Unsplash

Sou flor de Jardim
Mulher diferente em mim!
Quem pode me compreender,
Me vê; quem sabe, me tocar
Me amar sem em meus espinhos se
Machucar?

Por natureza exalo meu perfume,
Quem por mim passa,
Se for mulher sente ciúmes;
Enquanto os homens
Por mim criam fantasias,
Se excitam querendo me ter
Todos os dias…

Quando chove,
Meu jardim fica bem molhado
A terra com bons nutrientes
Como útero ovulado;
em meu lugar após a chuva,
um ar tão perfumado,
O lobo uiva e eu uffa… Me leva

Eu, centro da terra me sinto como
Jardim desejado, simples, feminina
De lábios rosados; que delicada
Flor deixo-me levar,
Por onde for me cheira,
Me beija que me dou,
te deixo me tocar…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “SOU AQUELA QUE…”

Eu sou a que o mundo perdeu
Perdi-me de mim meu
Mundo se perdeu, sou eu,
Meu mundo rumo ao que desarrumo;
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do sonho, e desta sorte
Me mostre tanta vida, tempão…

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, doce, alegre, triste;
Forte, resiste minha alma de luto
Sempre incompreendida,
Sou aquela perdida…

Sou aquela que passa e ninguém vê…
Sou a que chamam triste sem o ser…
Sou a que chora sem saber porquê…
Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “REIVENTAR-SE ERGUIDO”

Obscuridade acabada pela
Clarificação do real da não
Expectativa, que ativa
Visão deixando saudades da
Inocência sem decepção

Daí dói abrir os olhos para
Esse mundo sem sentido que
Tanto eu estranho, cores fortes me
Causam repúdio, emoções
Me acompanham

Aos poucos enxergo
Meu mundo deserto dos
meus sonhos;
De tudo que eu tinha,
Acreditava eu sozinha,
Ser real a fantasia da
Confiança vazia de um golpe fatal…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “PERAÍ, VIDA”

Espera, tempo!
Para nas horas, relógio,
Faz esse momento eterno,
Para que a vida não acabe
Aqui, para que eu não
Desapareça

Fica vida, não,
Não me esqueça,
Se eu vivo não morro de
Tanto que eu não mereça
Mas, sim, vivo em mim
Nas horas de um afã que
Nunca aconteça

Estou sumindo,
Espere, estou suspirando
Os últimos ais, lágrimas
Caí pelos ponteiros de
Segundos na fração que
Nunca mais voltará a não ter
Acontecido… morri…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “TODOS SAGRADOS”

Mulher fazendo sinal de silêncio.
Kristina Flour / Unsplash

De que vale uma palavra escondida
Quase engolida no recôndito da alma
Embaixo da língua?

De que adianta perpetuar na garganta
Um nó que se agiganta
Num tempo infinito
E se torna um tabu, algo sagrado temido?

De que falam todas as bocas
Por todas as eras, mitos
Verdades todas as eras
No tempo erram!

Todos os sábios, todos os profetas
Homens sensatos
Homens feras,
Fanáticos e pacificadores;
Leais e traidores são todos
Atores!

Os que ouvem nossos ouvidos
Nessa selva de gritos
De sons, de sussurros
De silêncios poucos
De pedidos roucos,
Vidas, mundos perdidos

De que me vale nessa existência
Entre a espera e a urgência
Senão me deixar levar
Entre o perdão e a penitência,
Carregada de perguntas,
Sabedora de amar?

Misérias e riquezas,
Alimentando sorrisos
E tristezas, equilíbrio a tudo
Amplo, dentro de mim
Reviro tantos,
Que eus se levantam em mim…
Sagrados segredos de ir… terni-dade de ais…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “TODA NO ESPELHO”

Minhas mãos
transformadas em pincéis
pintaram quadro fiel
Do meu espelho;
Eu, moça donzela,
com fervor como
A fogueira vermelha

Impactei-me em me ver assim,
Com tanto tesão pela
Vida que existe aqui;
Reflexos de mim pra mim;
Me amo assim, assim por inteira
Não de qualquer maneira…

Nem preciso de um bem
Para me sentir alguém
Sou completa e solteira,
Pra me desejar além de alguém
Sou toda perdição para a vida alheia,

Sou toda sedução que um homem
Na minha mão, chora de paixão
Pela vida inteira, de sorte
Que no sul ou no norte,
Sou mulher de verdade na cama
Ou na sociedade, minha
Pintura na imagem causa alardeiras…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “RIOS DE DELÍRIOS”

Essas águas te passam
Por minhas mãos rochosas
Meladas de limo
Para que escorregueis
Em meus rios correntes
Delírios

Tu, mulher de mil fios
Que deita seus cabelos macios
Para sentir por onde lhe
Toco e sentes arrepios
Sem frio

São minhas mãos água;
Que descem teu corpo,
Te deixam molhada
Te molham o rosto…
Sente-se excitada?

São águas meu corpo;
Fecha teus olhos e me
Sente em tua boca;
Depois te contorce de
Organismos pelas águas
Em teus poços…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

POEMA “ME DEIXE NO CANTINHO “

Não sei por que estou aqui,
Nem por que nasci, são tantas
Coisas que eu não sei,
Coisas que não eu nem quero saber

Mesmo depois, se eu crescer
Vou guardar meu mundo pra não sofrer,
Sei que sou criança,
Por favor não destruam a minha infância;
Me deixa no cantinho…

Deixe-me pensar que as nuvens são feitas
De algodão, pensar que a realidade é
Minha imaginação onde tudo fica
Tão raro, claro de coisas comuns, delírios…

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

Você também pode gostar

TEMOS CENTENAS DE OUTROS POEMAS NA PÁGINA ABAIXO. BASTA CLICAR NO LINK PARA APRECIAR BELOS POEMAS DE MINHA AUTORIA:
https://www.facebook.com/poetadoespantonilodeyson?mibextid=ZbWKwL

Podem conhecer meus trabalhos filosóficos e acadêmicos ao pesquisar no Google: filósofo Nilo Deyson Monteiro.

Sobre o autor

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

Sou filósofo, escritor, poeta, colunista e palestrante.
Meus trabalhos culturais estão publicados em diversas plataformas. Tenho obras e livros publicados.

Podem também pesquisar no Google: filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha

Sou uma incógnita que deve ser lida com atenção e talvez somente outras gerações decifrem meu espírito artístico. Sou muitos em mim e todos se assentam à mesa comigo. Posso não ser uma janela aberta para o mundo, mas certamente sou um pequeno telescópio sobre o oceano do social.

Contato:
Email: dyson.11.monteiro@hotmail.com
Site: rota-om.com.br/
YouTube: FILOSÓFO NILO DEYSON MONTEIRO PESSANHA
Instagram: @nilo_deyson_monteiro_pessanha
Facebook: Nilo Deyson Monteiro Pessanha