Convivendo

Psiquiatras relatam suas experiências mais profundas com pacientes de doenças mentais

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

teve curiosidade para saber as histórias que psicólogos e psiquiatras escutam de seus pacientes? Pois um usuário da internet teve essa mesma dúvida e, em um belo sábado, resolveu criar um fórum de discussão na internet, onde indagou estes profissionais sobre o que já ouviram de um paciente portador de doença mental – a coisa mais perspicaz ou profunda. Em pouco tempo, foram mais de 7.000 comentários. Alguns deles surpreendeu o próprio usuário. O site Science of Us leu todos e resolveu separar alguns que realmente valem a pena serem lidos.

Man Fustrated

Um dos psiquiatras disse que um de seus pacientes, com apenas 10 anos de idade e portador de autismo, teve uma forma inusitada de pedir um abraço: “Meus braços sentem sua falta”. Outra pequena paciente, com o mesmo problema de saúde, tinha grande dificuldade para manter e fazer novos amigos.

Ela guardava dentro de si muito sofrimento. Por isso, o psiquiatra teve a ideia de elaborar um projeto, no qual a menina pudesse entender que ter muitos amigos não significa ser uma pessoa exemplar, boa e importante. Apesar dele destacar que a vida dela não será nada fácil, esta pequena atitude, com certeza, a ajudará a se manter mais firme e forte nessa longa caminhada.

Outro profissional destacou que um de seus pacientes, que sofria de esquizofrenia, descreveu a ele a sensação de ficar o dia todo trancado em um quarto, onde a música estava alta e ele não podia sequer abaixar o volume. Deve ser de enlouquecer, não é mesmo?

Para ver mais, acesse o site e surpreenda-se você também. 


Texto escrito por Flávia Faria da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]