Autoconhecimento Comportamento

Qual é a verdadeira importância da páscoa?

Depois do Carnaval, que é uma festa expansiva, a próxima celebração emblemática, introspectiva e muito aguardada é a Páscoa. Aliás, as duas estão muito conectadas, pois quando a primeira festividade termina na terça-feira, o período pascal já começa na Quarta-Feira de Cinzas, quando se inicia a Quaresma, com jejuns, orações e penitências, considerando a tradição cristã.

A Quaresma termina com a Semana Santa, na quinta-feira, quando há a cerimônia do Lava-pés. Na data também é lembrada a Última Ceia de Jesus Cristo com os apóstolos, quando da revelação d’Ele sobre os fatos que viriam a seguir e terminariam na Sua morte. Já a chamada Sexta-Feira Santa relembra a crucificação e a morte d’Ele, determinando assim o chamado Tríduo Pascal. É no domingo que se celebra a Páscoa, quando de Sua ressurreição.

Contudo esse entendimento parece ir se perdendo e prevalece a alegria por dar e receber ovos de chocolate e similares, que, nos tempos atuais, vem ganhando força também devido à criatividade das indústrias em produzir guloseimas cada vez mais atraentes. Sendo assim, é necessário resgatar a verdadeira importância da Páscoa. Então, com este texto, reflita sobre a data!

O que significa Páscoa?

A palavra “Páscoa”, para nós, veio por meio do latim “pascha” e de seus adjetivos “pascal” e “pascoal”. Mas ela, por sua vez, teve como base o termo hebraico “pessach”, que significa “passagem”. Esse termo tem origem no grego “páskha” e no aramaico “PasHâ”. Ela é bastante antiga e, ao longo das épocas, foi ganhando significados diferentes.

A Páscoa era uma festa campestre, conhecida como Festa da Lua, pois se acreditava que esse satélite regulava a natureza, a fertilidade da terra, animal e humana, sendo o símbolo de renovação da vida. Os camponeses a celebravam no equinócio da primavera no Hemisfério Norte, no mês de março. Durante o período, comer carne de cordeiro era comum na comemoração. Era celebrada pelo povo hebreu, antes da noite em que ele foi libertado da escravidão no Egito, quando passou a ter o sentido conhecido atualmente como “passagem” e que foi incorporado com outra interpretação pelo cristianismo.

Imagem de um coelhinho de pelugem marrom clara em um gramado. Na sua frente há uma cesta de vime contendo ovos coloridos.
Rebekka D / Pixabay / Canva

Ainda que haja elementos da celebração do equinócio da primavera, a espiritualidade é o ponto marcante no significado dessa que é uma das principais festas litúrgicas. Libertação, renascimento, arrependimento, perdão, comunhão e caridade são os aspectos que caracterizam esse período. Todos, de alguma forma, conectam-se ao divino e celebram a vida. Então, a partir daqui, entenda especificamente, o significado e a importância da Páscoa.

A Páscoa como libertação

No judaísmo, a verdadeira importância da Páscoa está em relembrar e celebrar a libertação do povo judeu da escravidão no Egito e reafirmar a liberdade e a independência divina da nação de Israel.

Há cerca de 3.500 anos, os hebreus foram libertados da escravidão a que estavam sujeitos no Egito governado por Ramsés II. Moisés, criado na corte do faraó, pediu a ele que libertasse os hebreus sob seu domínio, pois desejava cumprir a missão de levá-los a Canaã, a Terra Prometida.

Contudo os hebreus trabalhavam nas construções faraônicas, na agricultura, na pecuária e em todo tipo de tarefa no Egito, recebendo ínfimo ou nenhum pagamento. Logo, o faraó negou o pedido. Com o objetivo de abrandar o coração dele, foram enviadas por Deus nove pragas. Mas ele não se deixou convencer, até porque ele próprio se via como uma divindade. Foi somente com a décima praga, conhecida como a “passagem do anjo exterminador” sobre as casas do Egito, com a morte dos primogênitos, que ele então ordenou a Moisés que saísse de lá com o povo hebreu. Nesse ponto, o faraó já havia perdido o seu primeiro filho como resultado dessa praga.

A Páscoa como renascimento

Imagem de uma cruz em uma montanha. Ao fundo, o céu está alaranjado
GeRsweb / Pixabay / Canva

A maior parte das religiões com fundamentos no cristianismo entende que a verdadeira importância da Páscoa reside na compreensão do que representa a ressurreição de Jesus Cristo, três dias após a Sua morte por crucificação. Nesse contexto, a palavra “Páscoa” e o sentido de passagem são relevantes para trazer ao entendimento a ressurreição como passagem da morte para a vida eterna e que o espírito tem primazia sobre a matéria.

Jesus Cristo foi um grande líder espiritual, que conquistou seguidores durante a vida pregando os ensinamentos de Deus. Quando Ele e seus discípulos chegaram a Jerusalém, num período de Páscoa judaica, Ele lavou os pés de mendigos, em sinal de humildade e benevolência. Teve a Última Ceia, tradicional Sêter, no qual bebeu vinho e comeu pão, ambos não fermentados. Durante esse evento, Ele informou os apóstolos sobre o Seu destino. Era uma quinta-feira. Jesus Cristo veio à Terra com um propósito e o concretizou voluntariamente em benefício da humanidade, que conquistou uma nova oportunidade para se redimir, mudar e renascer.

Na sexta-feira que se seguiu, Ele foi julgado e injustamente sentenciado à morte por crucificação (uma das mais humilhantes e dolorosas de que se tem notícia). Torturado e humilhado, Jesus Cristo foi crucificado e, ao contrário de ter o corpo deixado na cruz depois de morto, ele foi sepultado. Depois de ter descido até o reino dos mortos, Ele ressuscitou no terceiro dia (Domingo de Páscoa) e anunciou a sua condição durante os seguintes 40 dias. Depois, ascendeu aos céus e lá permanece vivo, em espírito.

Com base nisso, a verdadeira importância da Páscoa é a transformação, o renascimento para uma nova oportunidade, para ter esperança e para cuidar da espiritualidade, pois ela é a parte da vida, definitivamente eterna. Também é o momento para agradecer o sacrifício de Jesus Cristo e seguir o Seu exemplo de benevolência.

A Páscoa como fertilidade

Antes mesmo do sentido religioso da Páscoa, a data era conhecida e celebrada com importância à fertilidade, ao amor e ao renascimento, dando base às mitologias anglo-saxã, nórdica e germânica, de onde vêm os termos “Easter” (inglês) e “Ostern” (alemão). Assim, povos antigos, que atribuíam a abundância da vida e o sucesso da colheita à deusa Ostera, celebravam o equinócio da primavera e a homenageavam com símbolos como lebres e ovos coloridos.

Ovos pintados e enfeitados para páscoa.
ROMIXIMAGE / Canva

Nesse sentido, havia uma festividade em 30 de março, que, com o passar das épocas, fundiu-se aos costumes e às tradições da Igreja Católica. E símbolos como a lebre e os ovos de aves que eram pintados e decorados (tradição que permanece), transformaram-se nos coelhinhos da Páscoa e ovos de chocolate, respectivamente.

Aliás, as lebres ou os coelhos são animais bastante férteis. Assumindo a tradição milenar desses povos, os ovos de aves foram comparados ao sepulcro de pedra onde o corpo de Cristo foi deixado antes da ressurreição. Principalmente entre os cristãos ortodoxos, eles passaram a ser coloridos em vermelho, lembrando o sangue derramado por Jesus Cristo para salvar a humanidade.

Assim, o consumo de ovos nas celebrações da Páscoa passou a ser cada vez mais frequente, até porque equilibravam o jejum durante a Quaresma (período que vai da Quarta-Feira de Cinzas até a Quinta-Feira da Semana Santa). Os ovos de chocolate só surgiram entre o fim do século XIX e início do século XX, na França.

A Páscoa como evolução espiritual

Algumas religiões não reconhecem o período de Páscoa em suas doutrinas, como é o caso do budismo, do islamismo, do hinduísmo e do taoísmo, entre outras. Contudo todas elas apontam a existência de uma força superior que move a humanidade ou de divindades que representam as forças presentes na natureza e na vida. A espiritualidade é vista por praticamente todas as religiões como uma fonte de sabedoria e evolução individual e da humanidade.

Você também pode gostar:

Assim, enquanto uns celebram a Páscoa, essas pessoas utilizam o momento para refletir sobre a vida, a forma de se relacionar consigo mesmo e com os demais e para fazer evoluir a própria espiritualidade. Preferem exercitar a compreensão sobre como todos podem se tornar pessoas melhores para conviver e fazer do mundo um lugar mais digno e benevolente com todos os seres que aqui se encontram.

Concluindo, a verdadeira importância da Páscoa está em como, de acordo com nossas crenças, a entendemos. Porém, independente de dogmas, o período é sempre para renovar em nós mesmos o nosso amor ao próximo e a nossa fé. Por isso, saboreie ovos de chocolate, pensando no fato de que eles representam a abundância de bons sentimentos, liberte-se de velhos conceitos e do julgamento e renasça para a vida sob a perspectiva de entender que, como seres humanos, temos a oportunidade de evoluir e influenciar positivamente o mundo em que vivemos.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br