Autoconhecimento

Recomeçar

Mulher agachada em posição de largada de corrida
Giselli Duarte
Escrito por Giselli Duarte
Ao longo de nossas vidas, criaremos inúmeras oportunidades para recomeçar.
Possuir a capacidade de iniciar novos ciclos faz de nós, seres humanos, seres iluminados pelo privilégio de recomeçar.
Essa grande oportunidade nos eleva a um universo de infinitas possibilidades. Temos o livre-arbítrio para escolher.

Quando tomamos para nós a convicção de sermos protagonistas de nossa própria história, conseguiremos tomar melhores decisões
 sobre as nossas escolhas, atitudes, comportamentos e pensamentos. Ao despertarmos para uma nova realidade, encerraremos velhos ciclos para recomeçarmos uma nova e virtuosa caminhada.

De fato, mudar os nossos rumos pode não ser uma tarefa tão fácil. Como tudo na vida, recomeçar exige de nós muita atenção. Para andar por novos caminhos e traçar rotas nunca antes percorridas, é preciso deixar de calçar velhos sapatos.

Os “sapatos” muitas vezes são as crenças, padrões de comportamento, atitudes, sentimentos e pensamentos limitantes. E recomeços exigem uma melhor versão de nós mesmos.

Quando nos permitimos fazer melhorias internas, levamos luz ao nosso eu, trazendo assim uma nova chance de nos reconectar com a nossa fonte. Com exercícios de auto-observação, podemos identificar aos poucos esses pontos a fim de nos tornarmos cada vez melhores em relação aquilo que queremos transmutar.

Recomeçar verdadeiramente requer fazer movimentos distintos dos quais estávamos habituados a fazer. Pois assim como já dizia Albert Einstein: “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.”, que possamos aproveitar esse momento para fazer um balanço de nós mesmos. Fazer anotações poderá ser bem efetivo nesse processo.

Faixa de largada de uma pista de corrida.

Como nos sentimos com relação ao nosso estado atual, verdadeiramente? 
O que conquistamos até aqui e o quão positivo essas conquistas foram em nossas vidas?
Quanto de “amor-próprio” temos e praticamos por nós mesmos? 
Quanto de amor e atenção compartilhamos com o nosso próximo?
Quanto, até aqui, contribuímos por um mundo melhor? 
Podemos acrescentar quantas perguntas mais forem necessárias para esse processo.

Assim também, do outro lado da folha, podemos responder o que queremos daqui para frente. 

Relógio de parede com os ponteiros indicando 2  e 12 da tarde

O que exatamente nós queremos para as nossas vidas, daqui em diante?
O que queremos conquistar e o quão positivos queremos nos sentir em relação a isso? 
Quanto de “amor-próprio” praticaremos por nós mesmos?
E o que faremos para nos amarmos ainda mais? 
Quanto de amor e atenção compartilharemos com o nosso próximo?
Quanto mais vamos contribuir por um mundo melhor? 
O que queremos recomeçar? Por onde vamos recomeçar?

Podemos acrescentar aqui, também, quantas perguntas mais forem necessárias para esse processo.

Que possamos sempre nos questionar, nos autoavaliar e recomeçar com o peito aberto em todos os dias de nossas vidas. 
“Hoje melhor que ontem, amanhã melhor que hoje!” – Kaizen.
Vamos?


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Transmutando para ser feliz

Sobre o autor

Giselli Duarte

Giselli Duarte

É tão maravilhoso ter a honra de experienciar tantos acontecimentos em tão pouco tempo!

Sentir que, para abrir o caminho, é preciso caminhar. E, sobretudo, é preciso querer.

Quando decidi mergulhar no oceano do autoconhecimento e desenvolvimento humano, na medida em que fui permitindo, meus questionamentos foram respondidos das mais variadas formas. Compreendi que muitos caminhos trilhados, na verdade, me levavam a alternativas, paralelas e totalmente distintas daquilo tudo o que eu já achava ser a “chegada” do destino.

Nessa incrível jornada, conheci, estudei e vivenciei profundamente o coaching. Tudo em épocas completamente diferentes e distantes. Foi através da minha primeira experiência com o coaching que a minha vida começou a tomar rumo completamente novo. Mas foi no Leader Training que eu dei um salto quântico!

Os caminhos percorridos foram muitos. Muito estudo, formações, experiências, desafios, descobertas.

Espiritualidade, física quântica, autoconhecimento, meditação, reiki, religiões e doutrinas, retiros, voluntariados. Praticar e aprender yoga, ensinar yoga.

A introspecção.

O silêncio.

Tendo como formação o Marketing, sempre tive uma rotina de estudar e pesquisar muito. Testar protótipos, para executar um projeto, ou um produto. Atualmente, eu trago esse processo como parte de tudo aquilo o que eu pretendo fazer, levando à reflexão como minhas palavras e ações poderão agregar valor e amor na vida do meu próximo.

E, por isso, sou muito grata por fazer parte desse projeto tão amoroso, que é o Eu Sem Fronteiras.

Que os nossos conteúdos possam fazer a diferença em seu dia-a-dia e deixa-lo ainda mais feliz!

Com amor,

Giselli Duarte.

Instagram : @giselli.d