Autoconhecimento Comportamento Relacionamentos

Reeducando a arte de se relacionar

Dois ursos de pelúcia se abraçando de frente pra água
3283197d_273 / Getty Images Pro / Canva
Carolina Garcia
Escrito por Carolina Garcia

Em primeiro lugar, não somos educados para nos relacionar de forma harmônica e consciente com nossos parceiros e parceiras. As mulheres, por exemplo, por muito tempo cresceram escutando dos pais que deviam se comportar ou não se impor demais, afinal os homens não gostam desse tipo de mulher, empoderada, podendo, assim, afastá-los. Ademais, as mulheres não podiam se dedicar demais ao trabalho ou ganhar mais que “ele”, pois deviam equilibrar a vida entre filhos, casa, carreira e por aí vai. A mulher também é educada, em sua maioria, para ser gentil e carinhosa com seu par, ainda que ele não o seja com ela. A sociedade também se encarrega, muitas vezes, de ditar que é preciso estarmos lindas, gostosas, poderosas e sexualmente atraentes (para eles!).

E o homem? Ah, o homem é sempre ensinado a ser o garanhão, a não chorar, ser durão, sexualmente (sempre) ativo e o provedor. Eles pouco sabem sobre seus sentimentos, vide que foram, muitas vezes, limitados a isso. Seu início na vida sexual tem como base as revistas masculinas e os pornôs de baixíssima qualidade.

Esses aspectos, infelizmente, ainda compõem um cenário de grande porcentagem da população mundial, embora já tenha sido muito pior. Em contrapartida, não restam dúvidas de que, na vida adulta, todos esses elementos são repetidos exaustivamente.

Por esses e outros motivos que, sim, é preciso reeducação afetiva, força de vontade e dedicação para estar numa relação, seja qual for o gênero que a pessoa se identifique. Compartilhar a essência com alguém, saber abrir mão, ceder, não olhar somente para o próprio umbigo e ainda assim ter uma vida independente do parceiro não são tarefas ensinadas! Precisamos nos concentrar, esforçar-nos e conquistar o próprio espaço.

A demanda amorosa, a princípio, carece de foco nas emoções, para melhor compreendê-las, porém não costumamos dar valor a isso, não é mesmo?

Mãos segurando um coração de costura
Seb_ra / Getty Images Pro / Canva

Em segundo lugar, a questão de estar num relacionamento é delicada, pois vivemos em um mundo que prioriza a rapidez, o dinheiro, o que é construído materialmente, enquanto a escassez para assuntos mais subjetivos, como a lida dos sentimentos profundos, o silenciar e o ponderar, aumenta exponencialmente. A resposta dessa realidade é o fato de que as pessoas aparentam não estar mais disponíveis para o outro, visto que também não estão disponíveis para elas mesmas.

Não me parece que seja interessante à sociedade que cresçamos sabendo dar valor aos nossos instintos básicos e com intuição. Mal conseguimos sobreviver a nós mesmos. Para muitos, a solidão é sinal de tristeza, o que também não deixa de ser triste.

Ficar sozinho e gostar da própria companhia são duas situações que deveriam ser ensinadas na mais tenra infância, assim como meditar, respirar, ter hobbies divertidos e prazerosos e uma vida agradável, independentemente do outro. Partindo desse pressuposto básico, encontramos a chave que nos aprisiona tanto: o medo da solidão.

Em terceiro lugar e ainda controverso, escuto muitas pessoas se queixarem por não estar numa relação, seja por medo de ficarem sozinhas, quererem se enquadrar num padrão social ou qualquer outra razão. Em contrapartida, há pessoas querendo sair de uma relação, pelo fato de ela ser tóxica, confortável ou simplesmente estar desgastada. Os motivos não importam, pois o fato é que as pessoas estão criando barreiras cada vez maiores para si. Levantando muralhas enormes para camuflarem seus preciosos sentimentos e isso muda tudo.

Experimente ser a carta da Estrela (do tarot) num ato profundo de exposição e desnudamento perante o outro, sendo você mesmo, nu e cru. Desnudar-se para o outro é tarefa árdua e não falo no sentido de arrancarem as roupas, porque essa é a parte fácil. A reflexão é grande. Não é pouca coisa…

Carta estrela no tarot
Екатерина Сафронова / Canva

Quem disse que seria fácil estar numa relação?

O fato é que nunca é! Claro, porém, que nem por isso precisamos desistir de compartilhar nossa vida com alguém. Uma relação a dois exige contato diário, olho no olho, bem querer, cuidado e um bocado de amor-próprio (e para o “mozão”). Como já comentei, para além do ato de se relacionar amorosamente com alguém, o autocuidado e amor-próprio são ímpares.

É preciso muito jogo de cintura. Afinal, nenhuma relação é composta somente por lírios, margaridas, rosas ou girassóis… Não, não, não.

Sempre haverá espinhos ou ervas daninhas para arrancar e, como uma flor, é preciso regar, cuidar, dedicar tempo e colocar no Sol para nutrir, mas saber tirar do Sol para não queimar. Isso é amor.

Sem isso, pasme: a coisa não vinga!

E, ao zelarmos por alguém, é preciso escuta, carinho, traquejo, cumplicidade, sexo gostoso, companhia, beijo na boca, D I Á L O G O constante e amizade.

Você também pode gostar

Seja afeto, conquiste afeto. Tenha fé em você, na relação e na humanidade. Aprenda a transmutar seus sentimentos sombrios para luminosos, abrace com frequência, diga o que sente e crie essa conexão tão fascinante que é estar em comunhão com alguém (incluindo com você mesmo). Lembre-se de que somos todos primordialmente integrais para, depois, tornarmo-nos complementares.

Estar numa relação não significa não estar sozinho, mas estar feliz na companhia do outro ou consigo mesmo.

Sobre o autor

Carolina Garcia

Carolina Garcia

Minha primeira formação foi em publicidade, à qual sou muito grata, pois por meio dela me engajei na escrita, sempre atenta e observadora do comportamento humano. Ao longo desses quase 20 anos, atuei como redatora, fui colunista de comportamento para alguns sites em 2007, criei um projeto bem relevante voltado ao público feminino em 2014 - o Taco de Mulher - e tive o prazer de publicar uma história infantil nesse mesmo ano.

Sou pesquisadora na área da sexualidade há mais de 15 anos. Mas foi apenas em 2015 que decidi fazer uma pós-graduação relativa a essa abordagem. Em 2017, mergulhei fundo (e até hoje não paro de mergulhar) nos estudos astrológicos. Logo comecei a atender pessoas e sentir imensa gratidão por esse trabalho de autoconhecimento milenar tão rico. Sem dúvida, é minha mais potente ferramenta para adentrar o universo particular das pessoas, com mais afeto e empatia. Como astróloga também estudo outras áreas do ocultismo, como tarot e numerologia, integrando todos esses conhecimentos em minhas consultas.

Em 2019, fiz a formação completa de terapia do renascimento, também conhecida como rebirthing, uma técnica de respiração consciente muito eficaz na redução do estresse e no aumento de energia e de bem-estar, que libera toxinas do corpo (por meio da própria respiração), acessa e transforma a fonte de doenças usando a compreensão dos pensamentos subjacentes e sistemas de crenças que atraíram a doença, entre outros tantos fatores. Uma vez que se entende a importância de respirar adequada e conscientemente, tudo muda.

Isso se conecta diretamente com a terapia cognitivo-comportamental, uma área fascinante e necessária para atendimentos em terapia, que venho estudando com afinco ultimamente.

Acredito que um bom profissional, primordialmente, precisa pensar de forma ampla, mais inclusiva e plural, deixando de lado preconceitos ou julgamentos acerca de seus próprios valores e crenças pessoais.

Contatos:

Email: [email protected]
Site: 8infinitos.com.br/ l tacodemulher.com.br
YouTube: 8 infinitos
Instagram: @_astralterapy
Facebook: @carol.garcia.terapia