Convivendo

A rejeição nunca doerá tanto quanto a falta de empatia

Thiane Avila
Escrito por Thiane Avila
Hoje os contornos estão embaçados. As paredes não separam as circunstâncias em nuances. As retinas atordoam as sensações como quem nega as próprias vontades por necessidade. Vendo a vida de fora, vez ou outra estarrecemos por precisar partir, por precisar explicar o que não conseguimos entender. Ela é o ensino sem didática que não poupa ninguém.

Minha cabeça gira como quem recém saiu de um balanço grosseiro, de uma freada violenta em meio ao trânsito caótico da capital. Ninguém presta atenção no tanto que vê. Liquidamos as esperas em pedaços imensos de esperança que só fazem o tempo esgotar. Triste sina de aguardar o amor atrasado, o ensaio sem roteiro. Por mais que seja difícil, em algum momento será preciso sair da existência fadada de ser quem se é para compreender as perdições de querer continuar sendo o que não se escolheu ser. Mudamos as lentes para configurar as novas brechas e emancipar novas tentativas. Desistir de um amor é paliativo, mas eficiente em determinadas ocasiões. Novos sofrimentos, pois.

A alegoria que a saudade encerra me parece ser a transcendência de um plano que nunca será real. Querer alguém perto e não poder viver sua presença atravessa o peito como um estilhaço amarrotado que fuzila. A dor da falta é amenizada com a lembrança – que tantas vezes parece soprar o perfume da ausência. A ilusão carinhosa de um carinho conhecido e de uma voz que traz paz. Ainda que bagunce toda a normalidade que antes existia, não perde o sentido de ser simplesmente pelo fato de reconfigurar o ser nesse novo sentido. Joguete de vocábulos incrédulos pela capacidade que certas pessoas têm de contornar nossos abismos e fazer morada nos interstícios mais encabulados da nossa existência.

Ao servir o café pela manhã, insisto na temperatura mais alta. Torço, ao sair, pelo vento forte e pelo sol que marca. Nunca fui de meias medidas. Não gosto de iniciar se não for de cabeça, de corpo e de vida. Toda a entrega, para ser real, é preciso que parta de dentro. Quando as entranhas acusam qualquer indício de interferência, recomendo que ouçamos e nos permitamos. Sempre escolho chegar, pois sei que suporto, se assim tiver que ser, a dor da partida, mas nunca aprenderei a suportar a dor da parcela e da espera duvidosa. Pode chegar, mas peço que mostre sempre a que veio. A rejeição nunca doerá tanto quanto a falta de empatia.

Sobre o autor

Thiane Avila

Thiane Avila

Com experiência na área da educação, Thiane já ministrou aulas particulares de Língua Inglesa e Portuguesa, bem como atuou em escolas de idiomas. Estudante de relações públicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, também cursa teatro e é colunista de uma Revista em sua cidade natal, Gravataí, além de colaborar com outras plataformas virtuais literárias.

A escrita já rendeu algumas premiações nacionais e participações em coletâneas. Os prêmios recebidos contemplam o 3º lugar no Concurso Literário Icozeiro (julho de 2014), o certificado de Qualidade Literária pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (maio de 2015) e o reconhecimento pelo Conselho Editorial da Câmara Brasileira de Jovens Escritores do Rio de Janeira pela qualidade literária da obra selecionada para publicação nas edições de maio de 2015.

Contato:

Email: [email protected]
Facebook: Thiane Ávila
Site: Jundiaí Online

Participação nas seguintes coletâneas: “Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos” Volume 124 e “Poemas descalços na noite serena” – ambos pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores.