Comportamento Convivendo

Saiba como combater a síndrome da impostora

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Uma pessoa passa pelo processo seletivo de uma empresa. Estudou muito para obter todas as qualificações que tem, apresenta um ótimo desempenho na entrevista, começa a trabalhar e recebe elogios o tempo todo pelo bom trabalho que desenvolve. E então ela sente que em breve será demitida, que não trabalha o suficiente, que todos ao seu redor a odeiam, que ela não merece ocupar esse cargo…

O que poderia explicar a sensação de insegurança que essa pessoa sentiu repentinamente, se tudo indicava que ela estava se saindo muito bem no trabalho? O que a fez passar a acreditar que há algo errado, que ela não deveria estar lá? Por mais que essa situação pareça pouco verossímil, ela é muito comum no mercado de trabalho.

Uma pesquisa realizada pela psicóloga Gail Matthews, da Universidade Dominicana da Califórnia, dos Estados Unidos da América, apontou que 70% das pessoas bem-sucedidas sofrem com a síndrome da impostora. Esse é o nome do transtorno psicológico que faz uma pessoa duvidar das próprias capacidades e se sentir insegura consigo mesma, ainda que todo o contexto no qual ela está inserida indique o contrário.

Como identificar a síndrome da impostora

Imagem de um homem vestindo um moletom preto com capuz. Ele segura uma máscara de gesso branca em suas mãos.
Direitos autorais : Benjawan Sittidech

Os sintomas principais da síndrome da impostora – a insegurança e a dúvida – devem vir acompanhados de outras questões para que uma pessoa seja enquadrada como alguém que está passando pela síndrome da impostora.

Além de se sentir incompetente para o cargo que ocupa, uma pessoa que sofre com a síndrome da impostora atribui o próprio sucesso à sorte ou às pessoas que podem tê-la ajudado em algum momento.

Uma pessoa diagnosticada com a síndrome de impostora tem convicção de que ela é uma fraude, que não tem todo o potencial que as pessoas veem nela e que a qualquer momento pode ser desmascarada. E não existem motivos para ela acreditar nisso, porque a verdade é justamente o oposto.

Por causa disso, então, a pessoa que está sofrendo da síndrome da impostora poderá postergar entregas, evitar se expor, sentir que precisa se esforçar muito mais para provar o seu valor, tentar agradar a todos que estão ao seu redor para que eles gostem dela e se comparar aos seus colegas de trabalho a todo instante.

Como combater a síndrome da impostora?

Imagem de um homem de corpo inteiro. Ele usa uma roupa preta e tem uma máscara branca sobre o seu rosto.
Direitos autorais : Maksim Kostenko

Uma pessoa que vive com a síndrome da impostora não está vivendo de forma saudável. Questionar-se constantemente sobre a própria capacidade e sentir um medo irracional de ser penalizada é um comportamento que precisa de tratamento e de acompanhamento médico.

Se você sente algum desses sintomas, o ideal é que você procure auxílio psicológico para entender quais fatores desencadearam a síndrome de impostora e como você pode trabalhar essa questão para deixar isso para trás.

Além do acompanhamento médico, você pode apostar em algumas medidas que vão te ajudar a viver e a trabalhar sem a insegurança causada pela síndrome da impostora. Confira!

Homem vestindo um moletom preto e uma calça jeans cinza claro. Ele está sentado e encostado na parede. Ele usa em seu rosto uma máscara preta e em uma de suas mãos ele segura uma máscara branca sendo posta sobre a máscara preta.
Direitos autorais : Benjawan Sittidech

1) Reconheça os elogios

Toda vez que o seu trabalho for elogiado, não aja de forma excessivamente humilde. Fazer isso pode soar como uma falsa modéstia, o que será muito prejudicial no ambiente de trabalho. Aceite os elogios que receber dos seus colegas e das pessoas que são superiores a você, para que elas saibam que você é autoconfiante e que tem consciência do bom trabalho que realiza.

2) Assuma suas qualidades

Muitas vezes temos dificuldade para identificar quais são os nossos pontos fortes, mas são eles que têm a capacidade de nos projetar para situações melhores no trabalho. Por isso é que você deve reconhecer e assumir as suas melhores qualidades, para que se torne responsável por trabalhos que combinam com você e com a função que você desempenha.

3) Compartilhe conhecimento

As pessoas que trabalham com você não são suas inimigas. Todas estão tentando crescer e alcançar as próprias potencialidades. Por isso você pode compartilhar informações e dúvidas com essas pessoas. Vocês podem se ajudar e também construir uma relação de amizade além da relação de trabalho. Reconheça o poder do diálogo e do compartilhamento de informações!

Imagem de um homem com moletom preto. Ele usa um capuz preto sobre a cabeça e uma máscara pret em seu rosto. Nas mãos ele segura uma máscara de rosto na cor branca. No momento ele está olhando para a máscara branca que está em suas mãos.
Direitos autorais : Benjawan Sittidech

4) Invista tempo em você

Dedicar um tempo para si mesmo é essencial sempre. É uma forma de reforçar a sua conexão com o seu interior, além de abraçar as suas qualidades e os seus defeitos. É um jeito de se conhecer verdadeiramente e de compreender o que você é capaz de fazer. Não se sobrecarregue no trabalho por causa da ilusão de que isso fará você se destacar.

Você também pode gostar

5) Esqueça as comparações

Toda comparação parte do princípio de que uma pessoa é melhor que a outra. Isso não se verifica na realidade e só prejudicará a pessoa que estiver se comparando. Tenha consciência do seu trabalho, do seu potencial e das suas funções. Se você chegou até o seu lugar é porque você já é reconhecida e realiza um bom trabalho.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]