Autoconhecimento Espiritualidade Religiões Terapias Xamanismo

Santo Daime: a medicina da floresta

Poção de ayahuasca com casca de raiz na mesa de madeira de cima.
martinak / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já deve ter ouvido falar em Santo Daime ou quem sabe em ayahuasca?! Esses nomes são comumente conhecidos por pessoas que buscam evolução ou limpeza espiritual. O famoso chá de ayahuasca é alvo de inúmeros questionamentos e tabus, mas o assunto é bem mais complexo do que você imagina! Santo Daime não significa somente um ritual em que um chá específico é tomado! Ele consiste em uma manifestação entre religiosos ou uma doutrina religiosa surgida no século XX, na Amazônia. Continue lendo e saiba tudo sobre o Santo Daime e a ayahuasca!

Origem do Santo Daime

O Santo Daime surgiu na década de 1920, na cidade de Basileia, no Acre, e teve como fundador um seringueiro da região chamado Raimundo Irineu Serra. Durante suas áridas tardes de trabalho, Irineu experimentou pela primeira vez a ayahuasca, o componente mais importante do chá de Santo Daime, na Amazônia. De acordo com Irineu, ao beber o chá da planta, ele teve uma visão de uma figura feminina que se apresentou como a “Rainha do Universo”. Ela, por sua vez, disse que ele deveria andar pelas matas por oito dias e, assim, ele o fez. No final dessa breve jornada, a rainha disse que, na verdade, ela era Virgem Maria e que Irineu deveria pregar a palavra de Deus usando o chá da ayahuasca como principal meio; o nome dessa bebida deveria ser “Daime”, por ter relação com o verbo “dar”.

Como você pôde ver, a origem do Santo Daime possui algumas raízes do cristianismo: na visão de Irineu, foi Virgem Maria quem lhe pediu que vagasse pelas matas e, em seguida, pregasse a palavra do Senhor. Além da doutrina cristã, entretanto, o espiritismo possui influências no Santo Daime, pois seus seguidores creem em uma vida em conjunto e que todos ensinam e aprendem por meio da união.

O chá do Santo Daime

A doutrina do Santo Daime é totalmente focada no ritual do chá de ayahuasca, pois os seguidores creem que essa planta possui o poder de expandir a consciência, de forma que as pessoas possam enxergar os acontecimentos e as áreas de sua vida de maneira mais clara. De acordo com alguns participantes do movimento, Irineu também tinha a bebida como um meio de conhecer a sua alma gêmea.

O preparo também do chá de Santo Daime é repleto de rituais. As mulheres separam as chacronas, que são as folhas da ayahuasca utilizadas no chá, os homens cortam o cipó jagube, que também é ingrediente do chá, e ambos são fervidos, o que resulta numa bebida com alto teor alucinógeno.

Imagem de uma floresta, com rochas que contornam um caminho
SplitShire / Pixabay

Obs.: No ano de 2010, o governo brasileiro oficializou as regras do chá de Santo Daime para fins religiosos.

Embora seja extremamente famoso e procurado, há efeitos tóxicos desse chá que ainda são desconhecidos. Por esse motivo, os praticantes evitam excessos e limitam o seu consumo. Grávidas, crianças e pessoas que sofrem de doenças mentais não podem consumir o chá de Santo Daime. Os novatos que anseiam participar do ritual precisam preencher um documento no qual se responsabilizam sobre suas condições físicas e mentais.

Como é o culto de Santo Daime?

O ritual de Santo Daime, que ocorre sempre mensalmente nos dias 15 e 30, é ministrado por um homem padrinho (homem que conduz o culto e fica à frente das orações e das preces). Nesse ritual, todos estão vestidos com roupas de tons suaves e claros e, geralmente, utilizam peças brancas. Todos os participantes formam um círculo e os homens ficam separados das mulheres. Isso também ocorre no momento de fazer filas para receber o chá e as mulheres recebem metade da dose que os homens bebem. Cada indivíduo toma, aproximadamente, três doses, mas pode escolher se deseja beber maior ou menor quantidade. Em seguida, os participantes meditam e entram em contato com a sua consciência profunda, obviamente sob os efeitos alucinógenos do chá de ayahuasca.

Por que as pessoas procuram pela ayahuasca?

Como o chá de ayahuasca tem um forte simbolismo religioso e cultural, ele acaba sendo grande alvo de pessoas que querem evoluir ou acessar sua consciência de forma mais ampla. Não é de hoje que sabemos que aqueles que sofrem em alguma área da vida ou que anseiam conquistar alguma coisa buscam por ajuda, orientação ou socorro em doutrinas religiosas, o que também ocorre no Santo Daime.

O ritual de Santo Daime é capaz de proporcionar uma profunda conexão com o próprio ser a um indivíduo a partir do chá de ayahuasca e de todo o contexto religioso e espiritual que o cercam. Muitas pessoas que já participaram desse culto afirmam que se sentiram limpas, inclusive algumas vomitam e sentem que um grande peso foi retirado de suas costas.

Mulher orando em um campo com suas mãos unidas em frente a cabeça
Brett Sayles / Pexels

Sendo assim, o ato de beber o chá e acessar uma parte da consciência que até então está oculta expande a capacidade criativa, o discernimento e a percepção de uma pessoa, além de ajudá-la a assumir responsabilidades. É sempre válido, entretanto, ressaltar os fortes efeitos desse chá e da importância de ser sincero na hora de assinar o termo de responsabilidade antes de participar do ritual. O seu consumo correto mesclado à força e à busca espiritual pode ajudar uma pessoa de forma significativa na própria jornada.

Vamos quebrar o tabu sobre o Santo Daime?

Há muitos tabus que pairam sobre o Santo Daime: algumas pessoas o veem como algo negativo por não conhecerem sua profundidade espiritual e religiosa, enquanto outras entendem os benefícios e o verdadeiro intuito do ritual. A verdade, porém, é que mesmo com tantas especulações sobre o assunto, há estudos científicos que comprovam os benefícios do Daime. Confira:

  1. Ação antidepressiva

No ano de 2016, o psiquiatra Jaime Hallak e o neurocientista Dráulio Barros de Araújo publicaram um artigo no “Journal of Clinical Psychopharmacology” sobre um experimento feito com o uso ayahuasca em pacientes que sofriam de depressão. Após cerca de oito horas do consumo do chá da planta, a equipe de Hallak realizou exames de imagem nos pacientes e constatou que havia tido evolução de atividades em áreas do cérebro responsáveis pelas emoções e pelo humor. Antidepressivos usuais também agem nas mesmas áreas, mas demoram mais para mostrar resultado.

  1. Ativa visão e memória

Tiago Sanchez, professor do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da UFRJ, participou de uma pesquisa de Dráulio Barros de Araújo entre os anos 2007 e 2011 e comprovou que o chá de ayahuasca ativa uma região cerebral que possui relação com a memória e com a capacidade visual, mesmo que o indivíduo não estivesse com os olhos abertos.

Você também pode gostar

  1. Estimula a formação de novos neurônios

Pesquisadores do IDOR (Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa) e do ICB-UFRJ (Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro) fizeram um estudo no ano de 2016 e constataram que a ayahuasca é capaz de aumentar a formação de neurônios humanos em mais de 65%. Tal pesquisa foi publicada na PeerJ, uma revista científica de grande nome no ramo.

Como você pôde ver, há estudos publicados que comprovam os benefícios do Santo Daime. Antes disso, porém, devemos respeitar os seguidores de tal doutrina, pois cada pessoa possui o livre arbítrio, assim como seguir a doutrina que preferir. O intuito do uso e dos ritos do Santo Daime não é recreativo, mas, sim, totalmente espiritual e voltado ao autoconhecimento. Não deixe a falta de informação e o preconceito o confundirem! Há muita história e muito contexto por trás do chá de ayahuasca e dos cultos de Daime!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]